quinta-feira, 29 de novembro de 2012

O que vale na vida


Olívia de Cássia - jornalista

A vida vai passando e a gente aprende a não se humilhar, a não querer em vão o que não vale a pena,  a não se conformar com as injustiças e a lutar contra o egoísmo. Os nossos egoísmos internos e os dos outros.

Tem dias que estou saudosa. Sinto falta da presença do meu pai ainda, mesmo já tendo se passado 14 anos de sua partida. 

A presença dele ainda é muito forte em minha vida. Quando eu ia aos fins de semana para União, eu sentava no pé da cama e conversava com ele sobre os meus planos.

Meu pai ria das minhas pretensões, das nossas conversas e brincava comigo;  não era de me desestimular na profissão e na vida, mas nas entrelinhas me deixava entender que minha sobrevivência ia ser difícil. Meu pai ainda me faz muita falta.

São muitas as lembranças e lutas diárias que tenho. A gente aprende, com o passar dos anos que não adianta supervalorizar problemas. Eles existem para ser resolvidos e o que não pode ser resolvido como diz um amigo meu não é mais problema.

Venho traçando algumas metas para mim, tentando me educar e me vigiando, sempre. Já me desesperei muito por causa da sensação de impotência diante dos problemas da rotina e dos atropelos que aparecem no meu dia-a-dia. Me sinto sem condições de resolver.  

As decepções doem muito, mas quando passa nos servem de lições e aprendizado. O tempo é o melhor remédio, como diria minha mãe. Sinto falta de muita coisa, mas tento preencher essa lacuna da melhor forma que eu posso.

Felizmente, tenho aprendido que não vale mais a pena ficar insistindo com o que não importa. O que vale na vida é a gente se dedicar às coisas que nos tragam aprendizado e bem-estar,  tentar viver da melhor forma possível, sem traumas, com suavidade e sem sofrimento.

Tem dias que me ponho assim saudosa dos que já se foram, saudosa de mim. Ainda bem que tenho do que me lembrar, para preencher meus dias e não torná-los vazios. Tento dar o melhor encaminhamento à minha vida tão atrapalhada e tão carente de mim.


Esquecimento


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Eu não te quero agora
Mais que ontem.
A vida foi me ensinando
Aos poucos
Que não valia a pena
Ficar pensando em ti.
Por isso eu não te quero
Mais que ontem.
Tu és apenas
Uma lembrança
Do passado,
Que passou.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Jornalistas vão protestar no Grupo JL


Frustrados mais uma vez com o atraso do salário, profissionais exigem respeito de João Lyra


Fonte: Sindjornal


Após sete meses recebendo salários atrasados e parcelados, os jornalistas de O Jornal, que estão em férias coletivas após a suspensão do matutino, preparam uma manifestação para segunda-feira em frente ao grupo JL, quando cobrarão do empresário e deputado João Lyra o pagamento dos salários de outubro e novembro. 

A decisão, tirada ontem no Sindicato dos Jornalistas, se deu em função da empresa descumprir os próprios prazos para quitar os salários de outubro.

“Ninguém confia mais nas promessas da direção e do dono da empresa. O salário de outubro já foi prometido quatro vezes”, disse Carlos Roberto Pereira, diretor do Sindicato dos Jornalistas. Segundo ele, o não cumprimento do prazo levou os profissionais a decretarem greve no dia 16, após vários meses sofrendo com os atrasos.

A maioria dos jornalistas e demais funcionários do Sistema O Jornal de Comunicação, que engloba ainda a Rádio Jornal e o portal de notícias Mais.al, enfrentam sérias dificuldades financeiras. Alguns chegam a enfrentar dramas familiares e sequer podem utilizar o plano de saúde porque a empresa não pagou as operadoras.

Antes da manifestação em frente ao Grupo JL, os jornalistas de O Jornal farão na sexta-feira uma nova assembleia no Sindicato dos Jornalistas. A reunião, marcada para 14 horas, será para organizar o protesto de segunda-feira, além de avaliar o que acontecerá com os trabalhadores e a empresa a partir de dezembro.

“Soubemos que o deputado quer transformar o matutino O Jornal em um semanário. Já existe até convite a jornalistas para formar uma equipe. Mas alertamos que nada pode ser feito enquanto não for definida a situação dos atuais profissionais, que precisam receber os salários de outubro, novembro, dezembro e o 13º, além de férias, FGTS e outras verbas rescisórias”, observa a direção do Sindicato.

A entidade orienta os jornalistas alagoanos a não assumirem compromissos com o grupo de comunicação sem que haja garantias salariais e de cumprimento dos direitos trabalhistas. O Sindicato também lembra que os atuais profissionais de O Jornal continuam em greve e que qualquer retorno individual ao trabalho ou substituição do pessoal será um desrespeito ao movimento paredista. 

“Os jornalistas têm um compromisso ético com os colegas e não podem se deixar levar pelo canto da sereia”, alerta Carlos Roberto. 
 

Medeiros se reúne com o ministro da Previdência e o presidente do INSS


Foto: Camila Ferraz

Na cerimônia da Medalha d.João VI,  Medeiros conversa com o ministro da Previdência, Garibaldi Alves Filho


Olivia de Cássia – Ascom
O deputado Ronaldo Medeiros (PT), cumprindo agenda em Brasília esta semana, se reuniu nesta terça-feira, 27, com o ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho e com o presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Lindolfo Neto de Oliveira Sales, quando discutiu demandas da previdência como as perícias médicas, o fator previdenciário e outras questões do setor.

Sobre as perícias médicas, Ronaldo explicou que tem recebido reclamações dos usuários alagoanos, por conta da demora de serem periciados. “Na minha época à frente do INSS eram apenas cinco dias. Imagine a demora na perícia para um trabalhador sertanejo; penaliza ainda mais a vida dele: doente, não tem água em casa para se abastecer e é tudo mais difícil”, disse Medeiros.

“O agendamento de perícia só pode ser feito pela internet ou pelo telefone 135, com o objetivo de não ter mais aquelas filas enormes de antigamente, mas na prática o sistema esconde uma fila virtual, complicada para quem precisa ser avaliado por um perito hoje em dia”, reclamou.

Medeiros destacou que foi gestor do INSS de 2002 a 2010 e que melhorou a estrutura física das agências, além de ter criado outras novas unidades e que deixou o sistema organizado e funcionando.

Ainda na gestão de Ronaldo Medeiros no INSS foram inauguradas 22 agências e mais de dez projetos prontos para colocar em prática, um deles foi o da agência de Atalaia, que foi inaugurada recentemente, e outra no Pilar ficou em fase de acabamento.

Na reunião do deputado com o ministro da Previdência Social, em Brasília, ele disse que também colocou seu posicionamento sobre o fator previdenciário.

“Coloquei minha opinião sobre o tema e meu posicionamento na Assembleia. Sou contra essa proposta do governo. O fator previdenciário é um equívoco que machuca o trabalhador”, ressaltou.   

Como resultado dessa reunião o deputado disse que foram agendadas novas reuniões para solucionar as questões da Previdência no Estado. 

Clientes das agências bancárias de União dos Palmares reclamam do atendimento

Olívia de Cássia –Repórter
(Foto Tribuna União)

Clientes e usuários das agências bancárias Bradesco e Caixa Econômica, do município de União dos Palmares, reclamam do péssimo atendimento nessas unidades e a falta de estrutura de funcionamento dos bancos.

“Há poucos funcionários nas agências; no Bradesco um caixa só para atender mais de 500 pessoas, um total desrespeito”, conta Silvia Maria Gomes, que precisou se utilizar do serviço e presenciou o descaso.

Segundo ela o atendimento da Caixa Econômica de União dos Palmares também é péssimo, a agência é pequena e não comporta a clientela em dias de pagamento e os caixas eletrônicos estão sempre desabastecidos.

Além da agência da Caixa que tem sido alvo de muitas reclamações no município, a agência do Bradesco, 
que foi inaugurada há pouco tempo, também já apresenta uma série de problemas.  

“Ontem estive lá com minha mãe, que foi receber a pensão do meu pai falecido e o INSS nem perguntou onde ela gostaria de receber. Mandaram direto para o Bradesco, uma verdadeira zona, não tem onde o cliente sentar, filas enormes”, reclama Silvia.

Ela acrescenta que a agência do Bradesco “não tem condições de funcionar: é apenas um caixa pra 500 pessoas. Dei dois comícios bons, o vigilante mandou eu me calar, aí foi que chamei a atenção do povo, você não sabe com quem falar, procurei o gerente, ele não estava ou correu. Se alguém não fizer alguma coisa eu nem sei o que vai acontecer”, disse ela.

Silvia Gomes disse que no final de semana a Caixa Econômica não tinha um real nos terminais, fato que tem sido frequente na cidade.

As agências bancárias de União dos Palmares atendem clientela dos municípios vizinhos, de Rio Largo, Murici, Serra Grande, Ibateguara, entre outras cidades.

Faculdade de Pão de Açúcar não paga salários e professores entram em greve


Olívia de Cássia –Repórter

Os professores e funcionários da Faculdade São Vicente, de Pão de Açúcar, paralisaram suas atividades há mais de duas semanas, por conta da falta de pagamento dos seus salários. Por conta da greve, os alunos reclamam que estão sendo prejudicados, sem aula.

“A faculdade tem alunos de Paulo Afonso, Arapiraca, Coruripe e de outros interiores, que pagam o transporte para estudar e quando chegam à Fasvipa não tem aula”, disse um dos professores que não quis se identificar.

Os alunos fizeram um protesto, esta semana, em frente à faculdade, estão se reunindo para recolher assinaturas e encaminhar a denúncia ao Ministério Público para tentarem uma solução para o problema.

A faculdade tem cursos de Enfermagem, Química, Pedagogia, Matemática, Biologia, Educação Física, Sistema de Informação e Física,  é mantida pela Sociedade Educacional e  Assistencial da Paróquia de Pão de Açúcar e está com inscrições abertas a R$ 30 para o próximo vestibular.

Segundo o site da entidade, “há mais de 50 anos realiza trabalhos sociais  no município de Pão de Açúcar, Palestina e São José da Tapera”. Mas mesmo com esse histórico privilegiado, tendo em seu corpo docente professores que são doutores e mestres, nem assim, segundo os alunos, funcionários e professores está cumprindo suas obrigações.

Segundo denúncias o gestor da entidade, monsenhor Petrúcio, por conta da mobilização das categorias, teria feito ironia, afirmando que ‘professor é como criança, quando vê doce se lambuza’ e outras ironias mais.

Segundo os grevistas a atitude do monsenhor é absurda e não condiz com a prática de um membro da igreja. A instituição está com a palavra. A editoria do blog tentou contato pelo telefone (82) 3624-1447, que consta no site, mas não teve sucesso. 

Sol e lua

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Ontem, ao entardecer,  eu vi o sol se despedindo além do horizonte,
Por trás dos prédios, do lado sul. Um namoro nostálgico, impossível...
Um espetáculo grandioso que só a natureza consegue apresentar.
Do lado Norte a lua majestosa ia saindo, namorando o mar,
Prateada e exuberante, num namoro impossível, paralelo ao sol,
Só na contemplação, clareando o mar. Entendi a sabedoria da natureza...
As cores do céu se misturavam entre o rubro que o sol dava ao céu e o azul do mar.
Como é lindo o entardecer de Maceió! A lua namorava o mar, sem o toque, só na contemplação . Eu vi a lua surgir no mar, eu vi a lua namorando o mar...
O mar de águas calmas apenas assistia a tudo, poderoso infinito, quieto e profundo...
Eu vi a lua namorando o mar...

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Deputado Ronaldo Medeiros recebe homenagem da Anasps


Olívia de Cássia - Ascom

O deputado Ronaldo Medeiros (PT) recebeu na noite desta terça-feira, 27, em Brasília, a Medalha do Mérito Dom João VI de Previdência e Seguridade Social, como deputado revelação. A homenagem foi concedida pela Associação Nacional dos Servidores da Previdência e Seguridade Social - Anasps.

"Estou muito feliz com a homenagem que me foi concedida, é  muito bom fazer o que a gente gosta e ainda ser premiado por isso; uma emoção sem explicação", disse emocionado o deputado.

Segundo o presidente da Anasps, Alexandre Barreto Lisboa, o deputado foi homenageado devido ao trabalho que desenvolveu no INSS e pela postura que vem mantendo como parlamentar em Alagoas.

A Medalha do Mérito Dom João VI é a maior honraria da entidade dos previdenciários e entregue a gestores e outras personalidades que tenham relevantes serviços prestados à a Previdência e a Seguridade Social Brasileira.

Deputados discutem redistribuição dos royalties do petróleo


Foto Olívia de Cássia

Olívia de Cássia – Repórter


Tema que está na pauta das Assembleias Legislativas e nos governos, em todo o País, a redivisão dos royalties do petróleo e a defasagem das transferências constitucionais do Governo Federal, também foi tema na primeira sessão ordinária desta terça-feira, 27, na Casa de Tavares Bastos, que contou com a presença de 20 deputados no plenário.

O deputado Gilvan Barros (PSDB) foi o primeiro a se pronunciar sobre o assunto e defendeu que a presidente Dilma Roussef sancione o projeto, sem restrições, pois, segundo ele, desta forma irá contemplar o país, principalmente o Nordeste, ‘tão carente de recursos’.

“A presidente Dilma sancionando o projeto ficará exposto que a Câmara Federal e o Senado têm independência para deliberar sobre os assuntos. Caso a presidente opte por vetar, que os deputados e senadores derrubem os vetos, pois, os recursos naturais, neste caso o petróleo, não pertencem a um ou dois estados. O petróleo é do Brasil”, observou o tucano.

Os deputados falaram das dificuldades sofridas pelos municípios de todo o país, especialmente por conta das quedas sucessivas de repasses como o Fundo de Participação dos Municípios.

Segundo dados divulgados na imprensa, em todo o país, a defasagem das contas dos municípios em relação ao FPM é de R$1,2 bilhão; com relação Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) é de R$ 595 milhões;  restos a pagar do Governo Federal relativos a obras e aquisição de equipamentos, R$ 8,2 bilhões; Fundeb, 10,4 bilhões; reposição real do salário mínimo, R$ 1,4 bilhão.

Gilvan Barros observou  em seu pronunciamento que a equidade na distribuição dos recursos do pré-sal, que deve beneficiar as mais de cinco mil cidades brasileiras, não é a redenção para esses municípios, mas que “atenua e faz um pouco de justiça ao povo”. ”Nós, parlamentares, temos a procuração dos alagoanos para brigar por aquilo que consideramos de direito”, disse ele.

O tucano foi aparteado pelos deputados Sérgio Toledo (PDT), Jefersom Morais (DEM), Antônio Albuquerque (PTdoB), Joãozinho Pereira (PSDB) e Ricardo Nezinho (PMDB), que deram os seus pareceres  sobre o tema.

ORÇAMENTO

O governador Teotonio Vilela Filho encaminhou, na primeira quinzena de novembro, para apreciação dos representantes do Poder Legislativo, a estimativa de receita e despesas do estado de Alagoas para o exercício do ano de 2013.

Segundo informações do portal Gazetaweb, no documento, que especifica a previsão de arrecadação e de repasses para os órgãos e entidades da administração pública, consta que o Orçamento Fiscal e da Seguridade Social para o ano de 2013 é de sete  bilhões, cento e cinquenta e dois milhões, quinhentos e dezesseis mil, quatrocentos e três reais, pouco mais de 6% em comparação ao ano de 2012.

Desse montante, o  governo prevê repassar em 2013 para a Assembleia Legislativa (ALE) (R$ 143 milhões) e o Tribunal de Justiça (TJ) (R$ 315 milhões) mais de R$ 450 milhões. Em 2012, os dois órgãos tiveram disponíveis R$ 412 milhões.

Laudo confirma que explosão em rádio de União foi criminosa


Sala de gravação ficou completamente destruída pela intensidade do incêndio 
Foto Cada Minuto


Texto GazetaWeb com assessoria


O perito criminal Marcione Santos de Azevedo entregou na manhã desta terça-feira (27), o laudo pericial realizado na sede da rádio Farol FM de União dos Palmares. Por meio dos indícios encontrados no prédio, o perito concluiu que a explosão ocorrida no imóvel comercial onde funcionava a empresa de comunicação foi criminosa, com indicação de incêndio provocado ou intencional.


No laudo, Marcione Azevedo ilustrou como a ação criminosa aconteceu. Segundo o perito, primeiro foi arrombada a porta de vidro lateral, que dava acesso à rádio, com amassamento e arrancamento das trancas. Depois foi arrombada a porta de madeira da sala da rádio, composta por dois cômodos, banheiro e sala de gravação, onde o incêndio foi iniciado.

Como no local havia a presença de vários materiais inflamáveis como isopor, madeira e tecido que funcionaram como combustível, o fogo se alastrou rapidamente, destruindo completamente a sala de gravação. Marcione ainda explicou que foi utilizado combustível, tipo gasolina, e um agente explosivo artesanal ou industrial que produziu uma grande liberação de energia que destruiu e derrubou a parede que separava o banheiro da sala.

Por conta da intensidade da carbonização dos materiais e das transformações ocorridas no local após a extinção do incêndio não foi possível determinar o agente que deu origem a explosão. O laudo foi encaminhado à delegacia distrital de União dos Palmares responsável pela investigação do crime.

Medeiros se reúne com o senador José Pimentel (PT) para discutir agricultura familiar


Na pauta da reunião também foi discutida a seca que se agrava em Alagoas

Olívia de Cássia - Ascom
(Foto de Camila Ferraz)

O deputado Ronaldo Medeiros (PT), que está em Brasília desde esta segunda-feira, 26, se reuniu na manhã desta terça-feira, 27, com o senador José Pimentel (PT), quando discutiu o apoio para agricultura familiar, a questão da seca no Estado ‘que está assombrando o sertanejo’.

“Pimentel foi um excelente ministro da Previdência e continua desenvolvendo um brilhante trabalho no Senado Federal. Fomos conversar com ele sobre as demandas do nosso Estado que tem sofrido com a estiagem no Sertão”, destacou Medeiros.

Segundo o deputado, na reunião ele também solicitou apoio para os prefeitos eleitos pelo PT em Alagoas. Por conta da falta de chuvas e o agravamento da seca no Nordeste, o prazo para a contratação de crédito pelos agricultores afetados pela seca na área de atuação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) foi estendido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

O deputado observa que a data-limite era 30 de dezembro, mas foi estendida para 28 de fevereiro de 2013.

“A prorrogação foi necessária devido ao prolongamento da seca, que continua prejudicando muitos produtores rurais na região”, disse Medeiros. Além disso, com o alongamento do prazo, “tem como promover a recuperação ou preservação das atividades afetadas pela estiagem”, destacou o petista.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Pensamentos que voam


Olívia de Cássia – jornalista

Dizem que a dor educa a gente, mas cada pessoa tem uma forma de ser e de encarar a vida. Eu já passei por muitos momentos de angústia e tristeza, instantes depressivos que eu avaliava que nunca iam acabar.

Hoje em dia os vejo como parte de um passado, coisas que serviram de aprendizado e experiência. Muitas das dores que vivi, eu sei,  foram consequência da minha teimosia, da minha rebeldia e da desobediência, por conta do meu radicalismo extremo.

Os mais velhos nos diziam que a gente devia escutar os bons conselhos que eles nos davam e dão, pelas experiências que já tinham vivido. Mas quando a gente é jovem ignora muito desses ensinamentos e talvez todo o sofrimento que eu tenha passado tenha sido por esse motivo.

Pela dificuldade que eu tinha de escutar os conselhos da minha mãe, pelas divergências do nosso modo de pensar, era um choque de gerações e os tempos eram de dificuldades nos relacionamentos entre pais e filhos.

Mas já era tempo de eu aprender alguma coisa, nessa altura da minha vida. Hoje em dia eu penso mais leve, de maneira mais suave, com humor, procurando encarar a vida e os problemas de frente, querendo viver cada instante da vida, cada momento único que ainda me resta.

Não costumo cultuar bens materiais, eles são importantes para o nosso conforto, não digo que não quero ter uma vida sadia e mais folgada, mas não vivo à caça de ter grandes fortunas, até porque eu sei que isso não está ao meu alcance.

Não tenho grandes expectativas na vida, não sonho mais com castelos de areia. Quero apenas um mundo de paz, de sabedoria, uma vida confortável, onde eu possa desfrutar calmamente a natureza e o bem viver, continuar fazendo amigos e alimentar essas amizades, até o fim da minha vida.

Quero continuar a exercer minha profissão com dignidade, sem precisar viver só para o trabalho, mas com amor e dedicação ao que gosto de fazer. Hoje eu já não penso mais em um grande amor como eu costumava idealizar na juventude. Isso se resume apenas aos meus escritos e poesias, para alimentar a minha imaginação de poeta e escrevinhadora. 

Já não sou nenhuma menina que acredite em contos de fadas: eles não existem. A maturidade serve para isso, para trazer algum ensinamento e sabedoria, isso quando traz. Eu não consigo aceitar a velhice, que já bateu à minha porta e todas as complicações de saúde e  limitações do corpo que a gente vai adquirindo.

A velhice é uma tortura. Não consigo me convencer do contrário, principalmente quando vou a alguma abrigo de idosos e vejo a situação daquelas pessoas, muitas vezes abandonadas à própria sorte, dependendo da ajuda de terceiros e da comunidade para terminar seus dias aqui na terra. 

É preciso muita dignidade e firmeza para enfrentar tudo isso sem esmorecer. Coloco-me no lugar daquelas pessoas e fico imaginando como será comigo. Mas não quero pensar nessa situação e por isso procuro viver intensamente, cada momento que posso, procurando colocar um pouco de alegria e jovialidade nas coisas que faço. Boa noite e fiquem com Deus! 

Nosso Samba, o mais novo reduto do samba em Maceió está de volta



Por Assessoria

Um espaço onde o ritmo da Identidade Nacional é exaltado com todas as honras e pompas. Grandes compositores como: Paulinho da Viola, Nelson Cavaquinho, Silas de Oliveira, Dona Ivone Lara, Mano Décio, Cartola e muitos outros emprestam seus clássicos para compor uma trilha que conduz todos os presentes a uma viajem de pura alegria e descontração.

Tudo isto num ambiente acolhedor, agradável e seguro com uma cerveja estupidamente gelada e os melhores petiscos da cidade. Pelo segundo ano consecutivo no ORÁKULO:  Igbonan Rocha, Wilma Araújo e Marcos Vinícius estão preparando uma grande festa para vocês!!! NÃO PERCAM!!!!!!!!!

SERVIÇO:
QUEM? NOSSO SAMBA - Igbonan Rocha, Wilma Araújo, Marcos Vinícius e mais um grupo de sete músicos
QUANDO? Sábado (1º de dezembro) a partir das 20h
ONDE? Orákulo Chopperia – Pça. Rayol - Jaraguá
QUANTO? Mesas: R$ 80,00 - Individuais: R$ 15,00
Informações: (82) 8854-7758 / (82) 9982-8377

Se você não queria...


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Se você não queria se apaixonar,
Não precisava me dizer o que dizias,
Se não querias que eu me envolvesse tanto,
Não precisava me encher de palavras doces,
Que me envolveram, encantaram e me levaram
A imaginar que outro amor era possível.
Hoje tudo acabou; vivo de lembranças,
As lembranças de você, meu doce amor.
Pura imaginação das minhas fantasias...

domingo, 25 de novembro de 2012

Alguns flagrantes da festa do jornalismo alagoano


Por Olívia de Cássia-Texto e fotos

Parabéns a todos os amigos jornalistas vencedores do grande prêmio do jornalismo alagoano: Prêmio Braskem de Jornalismo, edição 2012.

A festa foi maravilhosa, tudo foi perfeito, aconteceu ontem, 24, na Vox Room, em Jaragua. A todos os amigo

s premiados nossos parabéns.



 Aos companheiros do O Jornal, contemplados com a maioria dos prêmios, a nossa solidariedade e foça na fé. Parabéns ao Sindicato dos Jornalistas, à Braskem e ao grande homenageado, o professor-jornalista e doutor José Marques de Melo. Ao amigo querido Thiago Correia parabéns por mais um prêmio, merecido e reconhecido.
Professor José Marques de Melo, jornalista e doutor, homenageado com a Medalha Denis Agra, na  noite deste sábado, 24, no Prêmio Braskem de Jornalismo





Jornalista Erico Abreu, Marcelo Almeida e Valmir Calheiros.


Confiram mais fotos do evento no link https://www.facebook.com/media/set/?set=a.4956331832215.2193460.1416546962&type=3



TV Pajuçara é a grande vencedora do Prêmio Braskem de Jornalismo


Da redação do Tudo na Hora
TV Pajuçara foi a grande vencedora do Prêmio Braskem de Jornalismo, edição 2012, com uma reportagem política de Thiago Correia e José Pereira que denunciou a prática de nepotismo cruzado no município de Anadia. O portal TNH1 também foi finalista na categoria webjornalismo, com a reportagem Dona Anita: a mulher que emprestou seu passado a um filme sobre a memória, da jornalista Luciana Buarque.
A entrega das premiações foi realizada na noite deste sábado (24), em evento na casa de shows Vox Room, em Jaraguá. Cerca de 600 jornalistas participaram da festa, que homenageou neste ano o professor José Marques de Melo.
Em seu discurso de agradecimento, o repórter Thiago Correia destacou o papel da imprensa para levar informação de qualidade à população. "Esta foi uma matéria na qual acreditamos e tivemos o apoio da empresa para concretizá-la. Fomos a Anadia sem uma pauta montada e diante do que descobríamos, a matéria foi crescendo. E a liberdade que nos foi dada pela equipe da TV Pajuçara foi fundamental para chegarmos aqui", disse Thiago.
Assista à reportagem vencedora do Grande Prêmio:
No total, o Prêmio Braskem de Jornalismo distribuiu R$ 39.500,00 em doze categorias, além da principal, na qual a TV Pajuçara saiu vencedora. Em 2012, 219 trabalhos foram inscritos por cerca de cem jornalistas alagoanos. A comissão julgadora foi formada por seis profissionais alagoanos e seis de outros estados. Os jurados de Alagoas foram indicados pelos cursos de jornalismo da Universidade Federal de Alagoas, do Centro Universitário Cesmac e da Faculdade Integrada Tiradentes.
O professor José Marques de Melo foi homenageado com a Medalha Denis Agra, por indicação do Sindicato dos Jornalistas, com o apoio da Braskem. Natural de Palmeira dos Índios, José Marques de Melo começou a trabalhar como jornalista em 1959, integrando as equipes dos jornais Gazeta de Alagoas e Jornal de Alagoas. Depois passou a atuar em veículos de comunicação de outros estados, como Pernambuco, Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Rio Grande do Sul. A partir de 1966 iniciou sua carreira acadêmica, na qual começou a ganhar reputação como pesquisador comunicacional. Atuou como professor e pesquisador em várias universidades do mundo, tendo publicado vários livros e estudos. Atualmente é docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo, entre várias outras ocupações e cargos que ocupa.
Confira os vencedores do Prêmio Braskem de Jornalismo por categoria:
Grande Prêmio: Uma aula de nepotismo – Thiago Correia e José Pereira – TV Pajuçara
Assessoria de Imprensa: Isa Mendonça – Eletrobrás / Luane Nunes – Instituto Eco
Prêmio Jornalista Freitas Neto: Criança como comida de cachorro – Jonathan Alves - Cesmac / Théo Brandão e a memória do povo alagoano – Elayne Pontual e Francisco Ribeiro – Ufal
Jornalismo Impresso: Educação frente e verso – Deraldo Francisco e Iracema Ferro – O Jornal
Telejornalismo: Reabertura de maternidade - Ana Margareth e Felipe Farias – TV Gazeta
Webjornalismo: Peixe boi: o caminho sustentável da preservação da espécie – Caroline Rocha Saches - Mais.al
Fotografia: Terror no estádio – Yvette Moura – O Jornal
Informação Econômica/Política: Ecologia que dá lucro – Maurício Gonçalves - Gazeta de Alagoas
Informação Esportiva: Memória que o tempo não apagou – Luciano Milano – O Jornal
Informação Cultural/Turística: Música, teatro e cinema – Alessandro Vieira Souza Paz – O Jornal
Design Gráfico: Índios na fé – Marco Antônio Barros da Silva – O Jornal
Reportagem Cinematográfica: Samba Matuto - José Agatângelo - TV Gazeta
Radiojornalismo: Bocha Adaptada – Marcos Rodrigues – Rádio Jornal / Crescimento no número de motos no trânsito gera preocupação em Alagoas – Carlos Madeiro - Rádio Difusora

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Dia Internacional de Não-Violência Contra a Mulher


Olívia de Cássia – jornalista

No dia 25 de novembro comemora-se o Dia Internacional de Não-Violência Contra a Mulher. Para comemorar a data as entidades representativas das mulheres e setores oficias no País estão preparando a  Campanha dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra mulher, que acontece em todo o País.

Em Alagoas, a Secretaria da Mulher, Cidadania e dos Direitos Humanos e a Superintendência  de Promoção de Políticas para as Mulheres  vão realizar a distribuição de cartilhas e panfletos sobre a Lei Maria da Penha.

O ato ocorre às nove horas de segunda-feira (26) no comércio de Maceió, no Centro, onde serão instaladas tendas para a distribuição de material informativo sobre enfrentamento da violência contra mulher.

Em Maceió a programação segue com a realização de palestra em várias entidades e instituições de outros municípios, a exemplo do Pilar, Jaramataia e Igreja Nova.  Essas palestras serão desenvolvidas por integrantes do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher e Conselho Municipal da Condição Feminina com o apoio da Secretaria da Mulher, Cidadania e dos Direitos Humanos (SEMCDH).

A violência cometida contra as mulheres, crianças e idosos é um ato dos covardes e assume muitas formas: violência  física, psicológica, sexual e no caso das mulheres podem afetar desde o nascimento até a velhice.

Uma mulher violentada sofre uma série de problemas e precisa de muito apoio para se recurperar. Não é de hoje que isso acontece no mundo.

Segundo o secretário-geral das Nações Unidas, “as mulheres que experimentam a violência sofrem uma série de problemas de saúde, e sua capacidade de participar da vida púbica diminui.

A violência contra as mulheres prejudica as famílias e comunidades de todas as gerações e reforça outros tipos de violência predominantes na sociedade”, observa.

Segundo os setores especializados no tema, a  violência cometida contra as mulheres é um problema social, mas a ideia que ainda se tem na sociedade é um fato pequeno, particular, que não interessa aos outros. Isso é um engano e não é distante da vida da gente.

A violência está estampada nos jornais e noticiários, todos os dias e toda a sociedade sofrre consequências com isso.

Segundo pesquisa da Sociedade Mundial de Vitimologia, o Brasil é o país que mais sofre com a violência doméstica. No nosso país,  a cada sete segundos uma mulher é agredida em seu próprio lar.

A violência doméstica é a principal causa de morte e deficiência entre mulheres de 16 a 44 anos e mata mais do que câncer e acidentes de tráfego. Alagoas é um dos estados onde mais se mata e isso é um dado muito triste.

Segundo o Mapa da Violência 2012, de 1980 a 2010, foram assassinadas no país perto de 91 mil mulheres, 43,5 mil só na última década. 

O número de mortes nesses 30 anos passou de 1.353 para 4.297, o que representa um aumento de 217,6% – mais que triplicando – nos quantitativos de mulheres vítimas de assassinato.

Segundo a Anistia Internacional, em relatório divulgado em 5 de março de 2004, mais de um bilhão de mulheres no mundo - uma em cada três - foi espancada, forçada a manter relações sexuais ou sofreu outro tipo de abuso, quase sempre cometido por amigo ou parente.

No relatório "Está em nossas mãos. Pare a violência contra a mulher", a Anistia diz que o problema não está confinado a regiões mais pobres e fez um alerta: “Em todo o mundo, um quinto das mulheres foi vítima de estupro ou de tentativa deste tipo de crime”. 

E o triste em todos os dados é que a violência, estupro e abuso acontece dentro das próprias famílias. “Atrás de portas fechadas e em segredo, mulheres são submetidas à violência de seus parceiros e parentes, muito envergonhadas para delatar”, diz o relatório da Anistia Internacional.

A Violência contra a mulher é um problema de saúde pública. Um grande empecilho, por muito tempo, para a formulação e execução de programas e políticas que enfrentem o problema da violência contra mulheres é justamente a crença de que a violência no âmbito doméstico contra mulheres ou meninas era um problema da ordem do privado e familiar, diz o artigo de Andréa Fachel Leal.

Segundo a pesquisadora, este problema, no Brasil, pode ser visto na expressão popular ‘em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher’, considerado ultrapassado. 

Apesar da participação crescente da mulher no trabalho e nos postos de comandoo, a violência contra ela ainda é crescente e ocorre no contexto social e histórico em que as mulheres são discriminadas, tendo menor acesso à educação, a recursos materiais e simbólicos e a poder, tanto no âmbito privado quanto no público.

É preciso um repensar de tudo isso e um olhar diferenciado para questão. Os governos precisam implantar políticas públicas que atendam a essas companheiras vítimas da insanidade e da falta de amor. 

Palestra sobre fotojornalismo abre hoje as atividades do Prêmio Braskem


Fonte: Sindjornal


O Sindicato dos Jornalistas promove nesta sexta-feira (23), a partir das 19 horas, no auditório da Faculdade de Educação e Comunicação do Cesmac (FECOM), uma palestra com o repórter fotográfico e editor assistente de fotografia do jornal O Estado de São Paulo, Jonne Roriz.

O evento, aberto a profissionais e estudantes de jornalismo, antecede a solenidade de entrega do Prêmio Braskem de Jornalismo 2012, que acontecerá às 21 horas de amanhã (24), na casa de eventos Vox Room.

Além de uma explanação do repórter fotográfico, a palestra contará com uma mostra audiovisual, na qual ele mostrará imagens da sua carreira contendo coberturas do jornalismo diário na cidade de São Paulo, retratos subaquáticos, campanhas políticas, meio ambiente e turismo, além de viagens nacionais e internacionais, onde foram registrados os desastres do Furacão Katrina e os terremotos do Haiti e Chile em 2010.

Constam ainda da mostra um amplo material esportivo, envolvendo imagens de eventos como as Olimpíadas de Atenas - 2004, Copa do Mundo de Futebol da Alemanha - 2006, Olimpíadas de Pequim – 2008, Copa do Mundo de Futebol na África – 2010, Olimpíadas de Londres – 2012 e os Jogos Pan Americanos de 2003, 2007 e 2011.

Profissional com mais de 20 prêmios conquistados ao longo da carreira, Jonne Roriz faz parte da nova safra de profissionais inovadores e criativos do mercado. Fotojornalista há 17 anos, graduou-se em fotografia no ICP - International Center of Photography - NY e no Centro de Comunicação e artes de SP. 

Repórter fotográfico do jornal O Estado de S.Paulo há 11 anos, além de exercer a função de editor assistente de fotografia, ele também é responsável pela produção dominical e projetos especiais da empresa.

Jonne Roriz é um dos jurados do Prêmio Braskem de Jornalismo 2012. Ele estará em Maceió neste sábado para participar do julgamento final do concurso, bem como da festa de premiação, que reunirá cerca de 600 jornalistas, estudantes de jornalismo, autoridades e empresários da comunicação.

Canal do Sertão é debatido em sessão na Assembleia Legislativa

Olívia de Cássia - Ascom
(Texto e fotos)

A Assembleia Estadual realizou na manhã desta sexta-feira, 23, uma audiência pública que discutiu o Canal do Sertão. A sessão foi de autoria dos petistas Ronaldo Medeiros e Judson Cabral e discutiu políticas públicas e demandas referentes à obra sertaneja que já dura 20 anos.

Em seu pronunciamento, o deputado Ronaldo Medeiros destacou a importância de serem adotadas medidas para solucionar a seca e não apenas soluções  paliativas ‘que só escravizam e humilham o sertanejo’.

O deputado observou que esteve reunido recentemente com o vice-governador, José Thomaz Nonô, para pedir informações sobre a obra. Na reunião ele disse que foi informado que em janeiro no governo vai inaugurar os primeiros 70 km da obra.

“Estaremos vigilantes e sempre em defesa dos nossos irmãos do Sertão. Vejo um equívoco muito grande dos governos do Estado e Federal. Serão aplicados 166 bilhões de reais para o Pronaf e Assistência Técnica, mas se não tiver água, para quê a assistência técnica”, indagou o deputado.

Medeiros observou que o Canal do Sertão é uma ferramenta muito importante, “mas tem que vir com políticas públicas. Não sabemos ainda como será a utilização da água. Quem vai ocupar as margens do Canal, como se dará a escolha das famílias que vão ocupara as margens”, disse ele.

O parlamentar destacou que não sabe ainda como será combatida a seca: “Vejo falar, mas não vejo uma medida concreta. O Canal do Serão é uma esperança; o governo federal lançou o programa Água Para Todos, é um projeto equivocado. Se não chover, não vamos ter nada, é preciso políticas públicas para tornar a água cada vez mais próxima, enfatizou o deputado.

A sessão que discutiu o Canal do Sertão contou com a presença do deputado federal Maurício Quintella, secretário-adjunto de projetos especiais e Irrigação – Francisco Alzir Lima, secretário de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Estado, dr. Luis Napoleão Casado, secretário do Estado da Agricultura do Estado, superintendente do Incra, Lenilda Lima, superintendente da Codevasf, Luiz Alberto Moreira, deputados estaduais Fernando Toledo (PSDB), Inácio Loiola (PSDB), Judson Cabral (PT), Joãozinho Pereira (PSDB) e Jeferson Morais (DEM) e entre outras autoridades e representantes da sociedade civil. 

Sindjornal repudia fechamento de O Jornal e garante apoio total aos trabalhadores


O Sindicato dos Jornalistas de Alagoas, representando todos os seus filiados, e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) vêm a público manifestar repúdio contra a decisão do empresário e deputado federal João Lyra, de encerrar as atividades de O Jornal, deixando desempregados mais de 30 profissionais que, ao longo de 18 anos, construíram uma história respeitada e premiada dentro da empresa.

Contudo, nos últimos meses, esses trabalhadores vinham enfrentando uma realidade nada gloriosa, com atrasos no pagamento dos salários e um “rodízio de parcelamentos” com cotas de até R$ 250, o que gerou um quadro tenebroso: trabalhadores endividados; recorrendo a empréstimos bancários; com dificuldades até de pagar o transporte para se deslocar ao próprio trabalho; e vivendo diversas situações constrangedoras, porque até mesmo o plano de saúde descontado dos salários dos funcionários, a empresa deixou de repassar durante meses, inviabilizando a realização de consultas e exames médicos.

Mesmo diante dessa situação, a categoria buscou, incansavelmente, a negociação com a direção da empresa e fez inúmeras concessões para evitar a radicalização. Por sete meses, mesmo vivendo os mais diversos dramas pessoais, os profissionais de O Jornal aguentaram a situação de penúria e continuaram cumprindo suas jornadas de trabalho e sua função social de levar a informação à sociedade com profissionalismo e respeito. Mas em troca, receberam promessas não cumpridas, ameaças de demissão e até de fechamento do jornal, que acabaram se concretizando.

Na sexta-feira (16 de novembro), consumidos pelo desgaste emocional e até físico, decorrente da falta de compromisso demonstrada pela direção da empresa, os jornalistas de O Jornal aprovaram por ampla maioria, em assembleia geral, a decretação de greve imediata, exigindo o pagamento da última parcela do salário de setembro – que foi dividido em quatro vezes – e do salário do mês de outubro, que não havia sido pago até quarta-feira (21/11).

Em função da greve, a edição do sábado (17), não foi publicada, mas a resposta da empresa veio com a edição de domingo, fechada de forma precária, com uso irregular de estagiários, free-lancers e colegas que, apesar de terem votado a favor da paralisação, decidiram, lamentavelmente, furar a greve. Numa nota de capa e no editorial, O Jornal deu a lamentável notícia do encerramento das suas atividades, um golpe para os jornalistas que fizeram a história da empresa e para a sociedade alagoana, esquecendo o lema que sempre estampou: “Respeito ao leitor”.

A intransigência por parte da empresa do deputado federal João Lyra nos leva a questionar: É esta a postura de um homem público perante a legítima mobilização de trabalhadores pelo direito básico constitucional, de receber o devido salário pelo trabalhado realizado? É assim que o parlamentar trata a Constituição que ele jurou defender no Congresso Nacional?

Não foram os profissionais e nem o Sindicato, os responsáveis pelo fechamento de O Jornal, como querem fazer crer alguns dirigentes do periódico, em seus discursos terroristas. A crise que há muito tempo afeta a empresa é decorrente de erros administrativos acumulados e repassados em sucessivas gestões, dos quais são vítimas, principalmente, os trabalhadores.

Ao Sindicato dos Jornalistas e à Fenaj cabe o papel inalienável de defesa intransigente dos trabalhadores, que vem sendo cumprido com firmeza no apoio e solidariedade aos
profissionais que estão perdendo seus postos de trabalho, e na luta para garantir que todos os seus direitos sejam preservados. Ao mesmo tempo, lamentam o encerramento das atividades desse periódico e almejam que essa decisão seja repensada, em respeito aos trabalhadores, à sociedade alagoana e, sobretudo aos leitores.

SINDICATO DOS JONALISTAS PROFISSIONAIS DO ESTADO DE ALAGOAS - SINDJORNAL
FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS - FENAJ