domingo, 30 de setembro de 2012

Sobrevivência...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Numa época de sonhos
E de encantos,
Meu mundo caiu
Quando você foi embora
Parecia que não havia
Mais nada além daquilo tudo.
Sobrevivi...

Não vejo a hora...


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Não vejo a hora
De te encontrar
Pra gente se reinventar.
Pegar tua mão,
Abraçar teu corpo
E falar de coisas
Que pensamos juntos.
Não vejo a hora ...

Tenho mil razões...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Tenho mil razões
Para não desistir de viver.
Um coração dividido,
Entre a razão e o sonho,
Uma esperança perdida
Uma vontade desesperada
De viver intensamente
Todos os momentos da vida.
Tenho mil razões para
Acreditar que ainda posso
Sonhar....

Mundo de fadas

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

O mundo não é um conto de fadas.
Não vivo no mundo de Alice,
Desconhecendo a realidade da vida,
Sonhando com o encantado,
Mas a gente tem que concordar
Que sonhar um pouco é necessário.
Sonhar com a poesia, com dias melhores.
Era uma vez uma menina ...
Que pensou em mudar o mundo...
Em viver numa sociedade mais justa,
Mais humana, com mais amor e carinho...
Era uma vez uma menina...

O que somos?

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Eu e você somos antítese.  Palavra e silêncio
Pensamentos que se convergem, sutilmente.
Distantes, cheios de contradições e diferenças.
Paradoxo de mim. Eu sou contradição.
Somos figura de linguagem...
Céu e mar, vida e morte, somos antítese.
O que somos? Dois serem errantes...
Eu te quero assim, desejo proibido...

A cortina vai se fechando...

Olívia de Cássia – jornalista

Tarde nublada essa de domingo, 30 de setembro. O mês já vai findando e hoje é daqueles dias morgados, que não dá vontade de a gente sair para nada. Dia sem luz e sem muita alegria. Com um tempo assim, fechado e abafado, as lembranças são mais fortes, densas e profundas.

Não quero pensar em coisas tristes mais não, não quero mais negatividade dentro de mim.  Já basta a minha rotina diária com notícias de tanta coisa ruim na sociedade. Apesar de tudo, eu quero pensar na possibilidade de um mundo melhor, de uma sociedade mais justa e mais fraterna daqui por diante.

Quero ser feliz, independente de tudo. Luto por isso; vejo na gentileza e nos bons fluidos, no poder do pensamento positivo, na amizade e na alegria o caminho para a gente ser feliz. É um começo.

Já recebi críticas diversas de um amigo por esse meu pensamento positivo, mas não me importo com isso. As críticas são bem-vindas e servem para a gente construir pilares para nosso fortalecimento. Persigo a felicidade nesse meu restinho de vida.

Não quero me enganar criando falsas expectativas, situações que possam não se concretizar e gerar grandes conflitos interiores. Não faço mais isso, não crio falsas esperanças para mim. Os anos me ensinaram a não sofrer por antecipação. ‘O que tiver que acontecer, acontecerá e ponto’.

Tenho boa fé e apesar de tudo ainda acredito na vida. Não nego que não me conformo com o envelhecimento do corpo.  Às vezes eu queria que o tempo pudesse voltar para a minha mocidade, quando eu tinha rigidez e firmeza nas carnes, mais disposição e vitalidade.

Ou então, desejo que o tempo pudesse congelar certos momentos bons que a gente vive. São pensamentos que me vêm à cabeça agora, nessa tarde que já vai caindo, anunciando uma nova semana de trabalho pela frente.

 A cortina vai se fechando aos poucos, nessa peça de teatro que é a vida da gente.  Um espetáculo que não tem ensaios e em que os atores, que somos nós, vão desempenhando cada um o seu papel, nem sempre de protagonistas.

Muitos cumprem o seu papel e o desempenham com acerto, outros nem tanto. Faz parte.  Não quero a perfeição, quero a felicidade, tenho desejos e vontades ainda, meu corpo está vivo e pulsante, mas para a gente ser feliz existem obstáculos, renúncias e uma infinidade de itens que fazem a diferença lá na frente.

Existem proibições internas que nos fazem pensar e pensar e pensar. Mas eu quero ser feliz, não quero terminar meus dias reclamando de não ter tentado. Boa tarde e uma boa semana para todos. Fiquem com Deus!

Podes partir...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Tu podes partir, eu sei que não me pertences,
E que nunca estivesses perto de mim...
Prometo que tentarei não chorar,
Como de outras vezes chorei.

Teu coração já está ocupado e eu não alimento
Nenhuma esperança a respeito de ti.
Sei que nunca vou tê-lo em meus braços,
Desejos proibidos, a não ser em meus sonhos.

Podes partir, será mais uma dor,
Meu coração não quer mais se envolver
Não quer se encantar com as armadilhas da vida...
Podes partir, serei forte.

Vejo o tempo...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Vejo o tempo passando...
E ontem fui inventar de rever
Antigas fotos... 
Novamente eu percebi
A passagem impiedosa
Do tempo, no corpo da gente...
Corpo, alma e mente...
Tempo que constroi e que
Também acaba com
Amores, amizades,
Relacionamentos.
Dizem que ele, o tempo,
É o senhor da razão.
Razão de quê?
Por que o tempo
Foi tão cruel comigo
E levou o melhor
Que eu achava de mim?
Inquietações...

Vexame...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Não me deixe 
Passar vexame
Eu preciso de ti.
Dos teus abraços,
Do teu afeto.
Apelos meus...
Por que fui cair
Na armadilha do tempo,
Que não me ensinou
A te esquecer?
Por que te quero assim?
Exageradamente,
Mas sem pressa
De mim???

Eu me enganei...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Eu amei profundamente,
Mas a ideia que eu
Tinha feito de você
É que foi errada.
No começo de tudo,
Eu via a possibilidade
De ser feliz.
Foi engano meu.
O tempo passou
E quando menos esperei
Você foi embora,
Sem dizer o motivo
Eu me enganei...

A violência contra as mulheres e o que gera a crueldade e o desafeto...

Olívia de Cássia – jornalista

O fim de semana já começa com notícias de assassinatos cruéis contra a mulher no Estado. De um lado um ex-marido, em São Miguel dos Campos, que matou a ex  com requintes de crueldade e ainda a mutilou; do outro, jovens desaparecidas, assassinadas, cujos suspeitos são companheiros, maridos ou ex-namorados.

A polícia ainda não achou o corpo da jovem Bárbara, desaparecida há duas semanas e segundo um amigo de seu assassino, foi morta porque não quis manter relações sexuais com o tarado, e teria sido morta por esse motivo, depois que foi vista saindo de uma boate, em Maceió.

Apesar de ter sido criada uma legislação rigorosa como  a Lei Maria da Penha, bem como instrumentos necessários para fazê-la ser cumprida, a violência contra a mulher, apesar de não ter significativamente aumentado, conforme demonstram dados da nova edição do Mapa da Violência, de modo nenhum diminuiu.

Em Alagoas a violência ainda é assustadora, apesar da diminuição do número de casos, segundo o que foi divulgado na imprensa, mas no que diz respeito às mulheres ela também não  diminuiu, mas  não é de hoje que isso acontece.

Por que se matam tantas mulheres no País? Os motivos são os mais banais.  Na maioria das vezes são homens inconformados com o fim dos relacionamentos. Outras se envolvem com companheiros enrolados com dívidas do tráfico de drogas e terminam pagando por uma culpa que não tiveram.

Toda semana o noticiário tem informações de assassinatos e maus-tratos contra mulheres. Assassinatos brutais e espancamentos. É necessário que se dê um basta a isso. Alguma coisa está errada e precisa ser avaliada, para que sejam tomadas algumas providências.

Eu ainda acho que isso acontece com frequência pela falta de educação, de políticas públicas na área social, de investimentos em esporte, lazer e  cultura nas comunidades, mas também o ser  humano está embrutecido pela violência, crueldade,  desafeto e pela falta de amor no coração.  

Também houve uma  inversão dos valores  na sociedade e a falta da família constituída devem, sim,  serem observados como reais motivos. Não sou especialista no assunto, mas pelo pouco que presencio e os anos calejados já dão para ter uma ideia do problema.

O que a gente vê hoje em dia, sem querer ser moralista, são meninas que engravidam na infância ainda, não brincam mais de boneca e logo quando se iniciam nos namoros já se têm relações sexuais, sem ter a certeza de sentimento algum.

A sociedade de consumo, a sexualização midiática da sociedade também têm contribuído para que as crianças se tornem adultas muito cedo. Nesse contexto avalio que houve uma morte prematura da infância. As crianças hoje em dia mal aprendem a falar e já estão imitando personagens televisivas.

Eu avalio que é aí onde entraria o papel da família, na orientação e na educação. Apesar de as crianças hoje já terem contato muito cedo com internet e todas as formas novas de tecnologias, cabe aos pais manterem uma orientação adequada para que não se envolvam tão cedo com a vida de adultos.

Não sei se estou sendo muito conservadora na minha avaliação, mas entendo que, além do papel do governo em desenvolver as chamadas políticas públicas para a diminuição da violência, como investimento em educação,  cultura e área de lazer nas comunidade, é papel da família dar o aprendizado do que sejam os valores que formam o cidadão consciente de seus direitos e deveres. Boa madrugada para todos e um bom domingo.

sábado, 29 de setembro de 2012

Em tempo ...


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Em tempos de tantas histórias tristes
Quero ter motivos para celebrar a vida...
Celebrar o momento derradeiro
O instante que eu possa te encontrar...
A qualquer instante da vida...
E viver intensamente cada segundo
Enquanto é tempo. Sonho impossível?



Um alento meu...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Não estou entorpecida, apesar do fim de semana.
Estou sozinha; esperando um alento teu, um sinal.
Até que me digas que vais embora, sem chances para mim...

É difícil a gente ver quem a gente quer ir embora.
Já existiu uma menina assim, dentro de mim,
Que muito sofreu. Não preciso te chamar.

Tu sabes das minhas necessidades...
Eu te quero agora, no momento de desejo,
Sem cobranças terceiras que possam me parecer
Uma luz no fim do túnel...

Será possível a gente viver assim?  
Viver  querendo e amando,
Sem chances de ser assim?
Um alento meu...Vem me buscar,
Eu preciso de você!.


Liberdade

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Com você eu tenho a liberdade
De dizer o que sinto. Não importa.
Não me censures por isso,
Por favor, eu te peço.

Tu sabes muito de mim,
Mesmo sem me conhecer.
Mesmo que o que eu sinta seja
Um pensamento quase proibido.

Mas tu sabes como me encantar,
Apesar de tudo. Penso em ti,
Em mim, no nada, no tudo...
 Liberdade. 

Sentimentos meus...


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Choro quando
Tenho vontade.
Não tenho medo
De dizer o que sinto.
Minha alma é translúcida,
Transparente...
Não sei esconder
O que vai dentro de mim.
Talvez esse seja
Meu grande pecado....
Sentimentos...

Versátil...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Já que eu não posso te ter,
Objeto do meu desejo,
Uso imagem que tenho de ti
Para fazer versos. Versatilidade,
Essa minha. Vontades e desejos...
Jogo de palavras,
Já que não posso te ter...

Nada te acontecerá

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Nada te acontecerá, acalma-te e verás.
Tudo está determinado e está nas mãos de Deus.
 Nada me acontecerá, eu sei, digo eu para me acalmar.
Tudo está no controle de Deus e ele me dirá,
Por meio de sinais, ou pessoas, mais tarde,
Como deverei me comportar diante da vida,
Dos obstáculos e dos impedimentos que surgem...
Acredito na força da fé, do otimismo,
De um olhar suave e de esperança.
Do pensamento positivo e do pensar
Que posso ser feliz um dia: por que não¿

Conhecimento...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Para conhecer o outro é necessário
Que eu me conheça primeiro,
Um conhecimento mais aprofundado
E transcendente. Não posso exigir
De outra pessoa aquilo que não exijo de mim.
Faço parte de um mundo onde desejo
O melhor para todos. Um mundo de paz,
Harmonia e serenidade, liberdade.
Não quero que a brutalidade e a ignorância
Se sobreponham ao carinho e ao amor.
Quero continuar sonhando com a utopia...
Sonhos meus...

Quebra de rotina...


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

A noite já vai alta e o silêncio da madrugada  é quebrado
Apenas pelo barulho da geladeira velha de casa.
Tem horas que me desconheço, sinto que eu mudei
Já não sou aquela mulher-menina ingênua
E envergonhada diante da vida. Perto de ti
Eu perco o controle dos meus limites...
Limites de mim. Com você eu falo de tudo, sobre tudo,
Não tenho impedimentos, pudores ou censuras...
É uma pena que tu sejas apenas uma fantasia,
Fruto da minha imaginação primeira...
É madrugada de sábado,
Tempo de alegrias e celebrações...
Solidão...

À flor da pele...



Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Minhas emoções vão surgindo,
À medida que o tempo passa
E fico só. Idealizo você,
Penso em ti, como se já existisses
Em minha vida há anos.
Penso no tudo, no nada.
Não fomos nada, não
Nos descobrimos.
Sentimentos à  flor da pele.

O teu olhar masculino...


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

O que me atrai em ti
É esse teu olhar masculino,
Cheio de vontades
Não reveladas.
Basta que me olhes
E já estou tentada
A não resistir
Aos teus apelos.
Desse teu olhar...

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Espectadora...


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Sou espectadora
De uma peça de teatro
Imaginária.
E vou vivenciando
Aquelas emoções
Inusitadas
Que o espetáculo
Oferece.
Embaraço-me
Ao sentir sensações
Que já não lembrava mais
O tempo passa,
Mas a mente da gente
Não envelhece sem permissão.
A cortina se fecha
E um gosto amargo de solidão
Acomete a minha alma.
Estou só. 

A tarde cai ...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

A tarde cai,
O sol vai descendo
De mansinho
No horizonte.
Vou seguindo meu caminho
Pela estrada a fora.
O coração procurando
Se acalmar, aquietar.
Não adianta pensar
Em desejos proibidos.
A gente só se magoa,
Eu sei. Penso em ti
Com mais quietude
E menos aflições.



Boa madrugada!

Olívia de Cássia – jornalista

Amigo Diário, preciso te confidenciar o que vai  dentro de mim, nessa madrugada de sexta-feira, 28 de setembro. Confesso-te que eu chorei lágrimas de tristeza, solidão e desamor, ontem à tarde. 

Mas não te preocupes comigo que já me refiz daquilo tudo, em parte. Eu só quero que me escutes e que me entendas, só isso. Sabe, não é fácil viver assim, da mesma forma que eu, tu sabes. 

Não estou reclamando da sorte, isso não, pois lá fora existem pessoas com frio e fome, passando diversas necessidades, além das da alma. Isso eu tenho clareza.

O que quero te contar, Diário, são ilações da minha alma, coisas que só dizem respeito a nós dois, pois ninguém precisa ficar sabendo desses nossos segredos.  Tu sabes o quando luto para ser feliz, para ser uma pessoa melhor, tentando me policiar para não cometer loucuras que eu possa me arrepender depois.

Mas às vezes Diário, as loucuras são necessárias para a nossa felicidade. Aguenta aí  que ainda não é disso que estou tentando falar. Parece que agora não estou conseguindo achar palavras para me fazer entender. Quem sabe se tu não advinhas o que vai à minha alma, feito aquelas confidências mais puras que eu te fazia na adolescência?

Sabe aqueles dias que a gente acorda de sobressalto, com cãibras nas pernas, assustada, atrasada para o trabalho, com muita responsabilidade pela frente e pensa que não vai conseguir dar conta de tudo?

Além dessa preocupação, amigo Diário, me vejo com as minhas incertezas financeiras e pessoais, cheia de dúvidas, de questionamentos e com pensamentos fervilhando na minha cabeça. E cada vez que isso acontece comigo, me remete a uma saudade derradeira do passado.

Me vem a saudade da meninice na querida e saudosa Rua da Ponte, quando a gente não se preocupava com os problemas da vida, dos banhos nas bicas das casas em época de chuva, dos passeios à Barriguda, das brincadeiras no Rio Mundaú e das amizades que deixamos para trás.

Eu sinto muita saudade da adolescência e juventude na Tavares Bastos e dos sonhos que alimentava na minha querida União dos Palmares. Sinto falta dos bate-papos na porta da farmácia do seu José, pai do meu amigo Toquinha, de tantos amigos queridos que já se foram como Alonso, Aerton, Geraldo Galvão, Carlos Fotofil e outros que a memória agora me falha.

Lembranças que me chegam dos sonhos que alimentávamos juntos, das muitas vivências daquela época saudosa na Terra de Zumbi. Das músicas que nós ouvíamos e que aprendi a apurar o gosto musical na companhia daqueles amigos queridos! Por que essa saudade doída sempre me acomete às madrugadas, quando tento dormir e não consigo?

Às vezes é uma dor que dói sem doer essa que eu sinto. Sempre tive um coraçãozinho amolecido e fácil de conquistar a amizade, basta um carinho, uma palavra amiga e já estou eu derretida e querendo ajudar.  É tão fácil e sempre foi o meu apego às pessoas que às vezes isso chega a complicar a minha vida.

Estou com saudade, saudade de alguém que um dia eu fui, da pessoa que eu queria ter sido e não consegui. Saudade do tempo da mocidade, onde vivi os melhores momentos da minha vida. Eu queria que o tempo pudesse voltar, mas o tempo não volta, eu sei. Queria reviver aquilo tudo e viver muito mais; fazer o que não fiz.

Sabe, Diário, no silêncio de agora, quebrado pelo rádio do celular, eu me faço vários questionamentos,  mas não consigo encontrar um denominador comum para essa análise da minha vida de tantos sonhos desvairados. Boa madrugada para todos!

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Quero esquecer...


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Quero esquecer tudo aquilo
Que maltrata e magoa...
Não quero esse apego louco
De você, essa dependência física
Que não me acrescenta nada.
Prefiro viver de sonhos
Porque neles a gente é feliz.
Quero esquecer de todo o abandono,
De todo pensamento que não leve à felicidade.
O abandono maltrata
E  causa dependência.
Mas isso a gente cura.
Quero esquecer...

Desapego

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Não há nada melhor
Do que um beijo roubado,
Um abraço apertado,
Daqueles que vêm do coração.
Sobrevivi aos meus apelos
De te querer quando 
mais precisava. 
Desapego. 

Anoiteceu...


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Anoiteceu, o dia foi embora
E não levou o meu apego.
Eu te perdi de vista, faz tempo.
Em que parte da vida eu te perdi?
Em que momento eu tive você
Só para mim em meus braços?
Abraços que me fazem falta...
Eu tive um sonho e acordei chorando.
Choro de saudade e medo. Eu tive medo.
Trago no peito ainda aquele sentimento puro,
Doce e delicado de quem acredita na vida,
Acredita na sorte. Anoiteceu....

Será um recomeço?


Olívia de Cássia – jornalista

Aquele sentimento exagerado meu que eu ainda alimentava no coração estou matando aos poucos. A covardia humana é um pecado feio; a indiferença faz a gente entender muita coisa, tira a afeição. Quando a gente dá carinho e só recebe desilusão, está na hora de repensar o mundo.

Falta gentileza na alma das pessoas, que estão embrutecidas pela maldade humana. Violência contra mulheres, crianças, idosos, incapazes: tudo isso acontece e pouco é feito para melhorar a situação. Tudo isso é fruto de uma sociedade doente pela cobiça e pelo ódio.

Quem maltrata animais e os seres vivos e indefesos é capaz de qualquer coisa. Estou desencantada com tanta notícia negativa no mundo, mas ainda com o coração cheio de esperanças. Penso em como serão as gerações de jovens daqui por diante.

É preciso resgatar os valores que foram se perdendo ao longo do tempo; valores familiares que a gente aprendeu e que nos fizeram cidadãos conscientes de seus deveres. Por que tem gente que gosta tanto machucar e fazer maldade com os outros?

Posso ser chamada de tola, ingênua, romântica e utópica nos dias de hoje; ando em descrença com tudo, mas ainda luto por um mundo melhor, mais fraterno, mais justo e com mais gentilezas, onde cada um faça um esforço para tentar melhorar os relacionamentos humanos.

As coisas boas da vida acontecem assim. Cada um tentando fazer bem a sua parte, colocando sempre boa vontade, amor, e esperança. Boa tarde!

Por que choro?


Olívia de Cássia - Jornalista

Muitas vezes eu me pergunto por que ainda choro por causas perdidas, por um sonho desfeito, pela falta de carinho, por causa de  uma palavra ou um gesto que dizem tudo e que nos fazem triste, ou por me sentir sozinha.

No começo da tarde postei mensagem no Facebook onde eu disse que acredito na força do pensamento positivo e na fé. Que tenho presenciado muito isso na minha vida de pouca saúde e que percebi que depois que adotei um comportamento suave, mais ameno, sem negativismo, minha qualidade de vida melhorou muito.

O depoimento é verdadeiro e reflete exatamente o que estou sentindo hoje, no instante em que coloco isso tudo no  notebook. De repente o choro veio, incontroladamente; as lágrimas caíram copiosamente do meu rosto, talvez para aliviar as minhas tensões e momentos de tristeza.

Mas apesar de minhas indagações, questionamentos e inconformidade com muita coisa que não concordo no mundo, posso dizer que sou uma pessoa feliz, apesar do choro de agora, da falta de amparo e da sensação de vazio dentro de mim.

Apesar de tudo e por tudo estou feliz por ter amigos maravilhosos, de mente aberta e que me respeitam como sou. E os que não me entendem, paciência, ninguém é obrigado a concordar com tudo e com todo mundo. Ninguém é unanimidade.

O jornalista e escritor Nelson Rodrigues dizia que toda unanimidade é burra. Embora eu discorde da linha de pensamento de Nelson com relação à visão que ele tinha de devassidão das mulheres, sou obrigada a concordar que nem todo mundo precisa concordar comigo, que ninguém precisa me amar. É só me respeitar que é o suficiente.

Também eu disse em meu depoimento do Face que a vida é de cada um e que espero multiplicar minhas amizades a cada dia. Que cada uma delas seja um agente multiplicador da minha felicidade. Adoro fazer amizades, adoro conhecer gente nova, conversar, expressar minhas opiniões com gente jovem a respeito da vida.

Às vezes eu reconheço que me excedo pela minha confiança e espontaneidade e é isso que eu acho que assunta algumas pessoas. Sempre agi com rebeldia em minha vida, fui uma adolescente ousada, que desafiava os costumes; muita gente não entendia em União dos Palmares.

Hoje sou uma mulher livre, independente, tenho minha profissão, pago minhas contas e procuro respeitas todas as pessoas, da mesma forma que exijo delas essa gentileza. Acho que está faltando essa delicadeza dos gestos no mundo e se  a gente desse mais bom dia, boa  tarde e desejasse o melhor para o outro, o mundo seria melhor.

Uma linda tarde para todos e que Deus esteja sempre presente em suas vidas.

Prestadores de serviço demitidos da Uncisal se reúnem com o deputado Ronaldo Medeiros na ALE


(Foto de Olívia de Cássia)

Objetivo foi fazer um levantamento da documentação de cada um para entrar na Justiça e a categoria ter seus direitos garantidos

Olívia de Cássia – Ascom



Numa reunião acontecida no auditório térreo da Assembleia Legislativa, na manhã desta quinta-feira, 27, cerca de 100 prestadores de serviço da Uncisal (Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas) se reuniram com o deputado Ronaldo Medeiros (PT) e os advogados Humberto Melo e Mirabel Alves, para encontrarem uma solução sobre a decisão do Governo do Estado de afastá-los de seus postos de trabalho, depois de Processo Seletivo de títulos acontecido na instituição.

Os prestadores de serviço estão reivindicando a manutenção de postos de trabalho e foram pedir aos parlamentares que intervenham na situação. Dona Maria Benedita Barbosa dos Santos é prestadora de serviço da entidade e disse que no total são 283 servidores nessa situação. “São pis e mães de famílias ameaçados”, disse ela.

Segundo dona Benedita, houve um Processo Seletivo de títulos na Uncisal onde passaram 100 pessoas e as demais não tinham condições de fazer a seleção por conta da escolaridade baixa. Eles serão substituídos pelos aprovados no Processo e de acordo com a servidora, o procedimento foi uma orientação do Ministério Público (MPE).

“São pessoas de nível fundamental ou menos que ocupam cargos como: auxiliar administrativo, copeiras, cozinheiros, maqueiros, serviços gerais, limpeza, técnico em radiologia, que têm muito tempo de serviço e estão reivindicando seus direitos; o Processo não foi um concurso e está errado, nunca chamaram ninguém para qualificar na Uncisal”, disse Maria Benedita.

Maria Célia da Silva tem 40 anos no HDT (Hospital de Doenças Tropicais)  e disse que foi afastada sem nenhum direito. “Dediquei minha vida lá, passei na seleção e não me chamaram”, disse ela.

O deputado Ronaldo Medeiros (PT) explicou que o Governo do Estado está apontando uma solução para aproveitar os afastados em outros locais. “Nosso departamento jurídico vai estudar o caso de cada um para ver se encontra uma medida jurídica”, disse ele, aconselhando que cada pessoa afastada procure ver o extrato do INSS para confirmar se está tudo de acordo com a legislação.

“Nossa assessoria vai abrir uma pasta para cada um e vamos fazer um levantamento sobre a escolaridade deles. Esse mês eles têm salário, mas os demais não estão garantidos. Vamos entregar a documentação de todos no Palácio, na próxima quarta-feira, com todo o levantamento feito”, explicou o deputado.

Segundo Medeiros, o Estado não fez concurso, fez uma seleção precária para títulos, para contrato de prestador de serviço por um ano. “O que estão fazendo é trocar terceirizado por pessoas na mesma situação. Sou a favor do concurso; se fosse isso estaríamos de acordo, mas o processo está irregular”, disse ele, acrescentando que falta visão humana ao governo do Estado. “Se tivesse, já teria feito alguma coisa. O Estado vai trocar um erro por outro”.

No final da manhã da quarta-feira, 26, o deputado Ronaldo Medeiros participou de uma reunião com o chefe do Gabinete Civil, Dr. Álvaro Machado, quando discutiu a questão.  

Preciso de respostas


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Minhas inquirições diárias são inúmeras e intensas.
Queria ter respostas para todas as perguntas que faço,
Mas as respostas que eu preciso não me chegam,
Me deixando mais  confusa ainda.

Por que o mundo é tão injusto e existem tantas desigualdades
Injustiças sociais e desamor? Por que há tantas desavenças,
Ódio nos corações e injustiças sociais?

Quem foi que inventou esse sentimento exagerado
E cheio de armadilhas que nos prega desprevenida,
Alguns chamam de atração e outros dizem que é bem-querer?

Quem foi que fez essa ansiedade que surge dentro da gente
Que acontece quando menos se espera,
Que às vezes nos faz  rir, chorar,
E cantar de alegria?
Preciso de respostas...

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Idoso será homenageado em audiência pública na Assembleia


Proposição é do deputado Ronaldo Medeiros
 
Olívia de Cássia-Ascom

Na segunda-feira, 1º, às 15h, acontece na Assembleia Legislativa Estadual (ALE) uma audiência pública, em comemoração ao Dia do Idoso, que é comemorado no mesmo dia. A proposição da sessão é de autoria do deputado Ronaldo Medeiros (PT), líder do Partido dos Trabalhadores na Casa de Tavares Bastos.


A argumentação do petista para a realização da sessão é a de que entre as suas prioridades, a pessoa idosa se destaca.

“Quando eu era superintende do INSS trouxe melhor atendimento nas agências da instituição. Além disso, como parlamentar, apresentei na ALE vários projetos em benefício do idoso; entre eles o que incentiva a contratação de idosos com mais de 60 anos pelas empresas alagoanas, objetivando a inserção social da categoria”, observou o deputado.


Segundo a proposta de Medeiros, “as empresas privadas que dispuserem em seu quadro funcional cem empregados ou mais, deverão disponibilizar, no mínimo, 3% das vagas para idosos, com idade a partir dos 60 anos”, disse ele.


Outro projeto do petista Ronaldo Medeiros direcionado aos idosos foi o que dispõe sobre a gratuidade de passagens em ônibus intermunicipais para pessoas a partir dos 60 anos. O projeto obriga as empresas a oferecerem 50% de desconto aos demais passageiros idosos.


Também é de autoria do deputado do o projeto de lei Selo de Empresa Amiga da Terceira Idade, para pessoas jurídicas. Além dessa indicação, o deputado propôs o Título de Amigo da Terceira Idade para pessoas físicas que contribuem ou contribuíram para a assistência, inserção social e melhoria da qualidade de vida das pessoas idosas no Estado.


Para a sessão do dia 1º está confirmada a participação de Associações de Aposentados de Arapiraca e Viçosa, da capital, alunos do curso de agentes sociais da Facima (Faculdade de Maceió), deputados e sociedade civil organizada ligadas à categoria. 

Atração fatal


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Já tive sentimentos diversos
Que se revelaram dentro de mim,
Sentimentos desvairados, profundos,
Amores platônicos não-correspondidos,
Que doeram no fundo da minha alma.

Não posso dizer que seja amor
Talvez uma atração fatal,
O que sinto agora, moço bonito.

A verdade é que quando te vejo me despertas
Sentimentos juvenis, adolescentes,
Os mais íntimos segredos e emoções.
Eu te desejo nessa hora de aflição.

Tudo fica diferente quando te vejo e te olho.
Teu olhar me desperta sentimentos fortes,
Insanos, profundos, proibidos. Queres meus. 

Não posso te tocar


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Não posso te tocar, mas em pensamentos eu te invoco a todo o instante vazio.

Só quem passa por isso sabe valorizar cada instante da vida, cada acontecimento derradeiro, cada experiência vivida. Maturidade.

Eu te quero porque te quero e é só, não tem explicações para isso, aconteceu e pronto.

Por que tentar explicar o que não se tem argumentos? Basta imaginar um encanto, a poesia do encontro que não virá. E é só.

Não sei se existirão possibilidades, as  possibilidades avalio que não virão, mas esses instantes imaginados farão com que eu encontre outros caminhos e só isso já valeu a pena.

Não posso te tocar.  

Conto de fadas


Olívia de Cássia – jornalista

Era uma vez uma mulher cheia de experiência na idade, mas com pouca bagagem nas estradas da vida sentimental. Ela se apaixonava com a maior facilidade pelos seus objetos de desejos, mas não era correspondida quase nunca.

Por esse motivo viva chorando e lamentando sua baixa autoestima e um dia teve sua primeira experiência amorosa propriamente dita. Nesse tempo, aquela menina pensou que pudesse construir uma vida normal, a dois, com sua vida profissional e rotina de vida.

Eles viveram um longo caminho até que a menina ingênua descobriu o quanto foi tola em ter depositado tanta confiança naquele que julgava ser,  além de companheiro de vida, um amigo, um cúmplice.

Seus sonhos ruíram e parecia que a vida não teria mais sentido, até que ela descobriu que havia vida além daquilo tudo e adquiriu um pouco de autoestima e amor próprio.  O tempo passou, aquela menina-poeta virou uma mulher madura, mas continuou cheia de sonhos e expectativas.

Interiormente até parecia que nada tinha mudado a não o aprendizado da vida. Um dia inventaram a internet, a menina conheceu novos amigos e ficou curiosa com sentimentos despertados virtualmente, coisa que desconhecia até então.

Começou então a viver novas experiências, experiências virtuais desconhecidas; passou vergonha e vexame em algumas situações, mas mesmo assim passou a viver conectada. Para ela, hoje em dia, além de a internet ser uma ferramenta necessária ao seu trabalho diário, tornou-se a nova experiência uma necessidade pessoal.

A nova ferramenta distrai, faz novas amizades, desperta os sentidos de poeta e faz a menina-mulher acreditar que poderá ter dias mais alegres e mais qualidade de vida. Estou nessa, bem-vinda ao clube! 

Vem!


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Vem que eu preciso
Do teu abraço forte para
Me sentir mais segura.

Eu te quero nesse instante
Mito mais do que eu queria.
Vem depressa e aquece meus dias
Preciso de você.... 

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Teu olhar...


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Teu olhar me hipnotiza
E faz bater mais depressa
Meu coração solitário.
Tens uma magia no olhar
Que me encanta e seduz..
O teu olhar...

Minha alma tem pudores


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Minha alma tem pudores,
Mas tem urgências e desejos,
Necessidade de você.
Não dá para a gente fingir, eu e ela
A minha alma, que estamos imunes
Ao sabor do tempo, do vento...
Minha ama tem pudores...

Sonhei com você...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Esta noite sonhei com você
Não era um sonho real
Era um sonho delirante.

Nessas horas a realidade
Foge do nosso controle,
Dos sentidos, nos sonhos...

Estavas ali, bem pertinho de mim
Inteiro, só meu e de mais ninguém
Numa linda paisagem de Primavera

À espera da minha chegada
Os sentimentos são estranhos
Eles nos dominam, nos fazem delirar...
Sonhei com você...

Pensamentos


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Meu pensamento voa longe
Nesse fim de tarde de Primavera.
Penso em você. Naquilo que vivemos
E no que não vivemos também.
O pensamento cria asas e
Faz a gente percorrer caminhos
Inimagináveis. Rumos que me levam
A percorrer teu corpo,
lembrar teu sorriso e a tua voz.
Penso em você neste começo de noite quente...
Os pensamentos voam longe até você...

Rádio Zumbi realiza debate com candidatos a prefeito de União dos Palmares


Olívia de Cássia – jornalista

No dia 2 de outubro próximo, com início às 20h, nos estúdios da Rádio Zumbi FM, em União dos Palmares/AL, haverá um debate entre os dois candidatos a prefeito do município: Manoel Gomes de Barros (PSDB) e Beto Baia (PSD).

O debate será realizado em quatro blocos. A organização do evento ficará a cargo da direção da Rádio Zumbi FM e terá como mediador Silvio Sarmento, com colaboração de comunicadores da emissora; comissão julgadora de direito de resposta e técnicos de som.

Segundo Silvio Sarmento, diretor da Rádio Zumbi, os comunicadores da emissora que participarão como colaboradores serão Nivaldo Marinho e Adelino Ângelo. A comissão julgadora será composta por três membros, escolhidos entre bachareis em direito, que decidirão por maioria de votos a concessão ou não de direito de resposta ao candidato que assim solicitar.

A organização dividiu o debate nos seguintes temas: agricultura, assistência social, cultura e turismo; educação; esporte e lazer; geração de empregos; infância e juventude, meio ambiente; saúde e infraestrutura. (Veja abaixo o regulamento completo)

________________________________


REGULAMENTO DO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL DA RÁDIO ZUMBI FM
CAPÍTULO I - OBJETO
Art. 1º O presente regulamento compreende as regras e procedimentos referentes ao debate político eleitoral a ser realizado entre os candidatos a prefeito do município de União dos Palmares no dia 02 de outubro de 2012 com início às 20h nos estúdios da Rádio Zumbi FM em União dos Palmares/AL.

CAPÍTULO II - COMISSÃO ORGANIZADORA
Art. 2º A organização do debate ficará a cargo da direção da Rádio Zumbi FM com auxílio dos seguintes sujeitos:

I – mediador do debate;
II – comunicadores da emissora;
III – comissão julgadora de direito de resposta;
IV – técnicos de som;
§ 1º - O mediador do debate será o radialista Sílvio Sarmento Neto.
§ 2º - Os comunicadores da emissora presentes ao debate serão os senhores Nivaldo Marinho e Adelino Ângelo.
§ 3º - A comissão julgadora será composta por três membros, escolhidos entre bacharéis em direito, que decidirão por maioria de votos a concessão ou não de direito de resposta ao candidato que assim solicitar.

CAPÍTULO III – PROCEDIMENTOS
Seção I – Temas e quantidade de blocos

Art. 3º Serão objeto do debate os seguintes temas:

I – agricultura;
II - assistência social;
III – cultura e turismo;
IV – educação;
V – esporte e lazer;
VI - geração de empregos;
VII – infância e juventude;
VIII - infraestrutura;
IX – meio ambiente;
X – saúde.

Art. 4º O debate será realizado em quatro blocos.

Seção II – Primeiro e segundo blocos

Art. 5º Os dois primeiros blocos seguirão o seguinte sistema:

I - o mediador sorteará o tema a ser respondido;

II – o mediador sorteará o candidato que primeiro responderá a pergunta formulada pelo mediador, que versará sobre o tema sorteado, o candidato terá o tempo de 03 (três) minutos para responder a pergunta;

III – a palavra será passada ao outro candidato que também durante o prazo de 03 (três) minutos responderá a mesma pergunta formulada pelo mediador;

IV – a palavra será passada ao candidato que primeiro respondeu a pergunta para que formule, em 30 (trinta) segundos, questionamento ao outro candidato sobre o tema;

V – o candidato responderá no prazo de 02 (dois) minutos a pergunta feita pelo adversário;

VI – após, o candidato que respondeu a pergunta terá o tempo de 30 (trinta) segundos para formular pergunta também sobre o tema para seu adversário;

VII – O candidato terá 02 (dois) minutos para responder a pergunta formulada por seu adversário.

§ 1º - O candidato que for o primeiro a responder a pergunta quando no sorteio do primeiro tema será o primeiro a falar após os sorteios dos 3º, 5º, 7º e 9º temas.

§ 2º - O candidato que for o segundo a responder a pergunta quando no sorteio do primeiro tema será o primeiro a falar após os sorteios dos 2º, 4º, 6º, 8º e 10º temas.

§ 3º - Após as perguntas referentes ao quinto e décimo tema haverá um intervalo de 10 (dez) minutos.

Seção III – Terceiro bloco

Art. 6º O terceiro bloco consistirá em 10 (dez) perguntas, uma sobre cada tema, que serão escolhidas mediante sorteio a ser realizado pelo mediador na urna chamada PERGUNTAS DO POVO.

Art. 7º Antes de sortear a primeira pergunta do tema, o mediador sorteará quem será o primeiro a responder a pergunta, sendo automaticamente escolhido para ser o primeiro a falar nas perguntas dos 3º, 5º, 7º e 9º temas.

Art. 8º Cada candidato terá 02 (dois) minutos para responder a cada uma das PERGUNTAS DO POVO.
Art. 9º As perguntas deverão ser feitas sobre um dos temas.

Art. 10. As perguntas serão formuladas e depositadas por qualquer pessoa na urna que ficará na SS PAPELARIA até às 12 horas da manhã do dia 02 de outubro.

Art. 11. Haverá uma triagem das perguntas pela organização do debate para que sejam separadas por temas, momento em que serão colocadas em dez envelopes que serão lacrados e apenas abertos na presença dos advogados dos candidatos no momento do debate, quando serão colocadas a disposição do mediador do debate.

Parágrafo único. Caso não haja o depósito de pelo menos uma pergunta nos temas propostos para o debate, os radialistas da emissora se encarregarão em fazer a pergunta do tema faltante, pergunta que deverá ser respondida por ambos os candidatos.

Art. 12. Serão descartadas perguntas que forem formuladas diretamente a um dos candidatos ou que de alguma maneira tentem atingir a honra ou imagem de qualquer dos candidatos.

Seção IV – Quarto bloco

Art. 13. O quarto bloco será composto pelas falas finais de cada candidato, tendo cada um o tempo de 03 (três) minutos para falarem livremente.

Parágrafo único.  A ordem de fala dos candidatos no último bloco será decidida mediante sorteio realizado pelo mediador no início do bloco.
Capítulo IV - DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 14. Além das pessoas integrantes dos sujeitos da Comissão Organizadora, indispensáveis a condução dos trabalhos e devidamente identificadas pela direção da emissora de rádio, terão acesso ao prédio onde se localiza os estúdios da Rádio Zumbi FM:

I – os dois candidatos;
II – os dois vice-candidatos;
III – dois assessores, um para cada candidato;
IV – dois advogados, um para cada candidato;

Art. 15. Caso o candidato ao usar de seu tempo fuja do tema com o objetivo de atingir a imagem ou honra do outro candidato, esse será interrompido pelo mediador do debate, quando será solicitado que se atenha a questão formulada, sendo devolvido o tempo restante para que prossiga com sua fala.

Art. 16. A transmissão do debate será realizada pela emissora de Rádio Zumbi FM, com reprodução das imagem do estúdio em telão posicionado na sacada do prédio da emissora, bem como transmissão ao vivo pela internet na página da rede social Twitter, no perfil @programamesaz.

Parágrafo único. Durante a realização do debate não será permitida qualquer intervenção por meio de telefone, rede social ou meio de comunicação.

Art. 17. O direito de resposta será concedido ao candidato que solicitar e for deferido pela Comissão Julgadora quando for atingido, de forma direta ou indireta, por conceito, imagem ou afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou sabidamente inverídica, difundidos no momento do debate.

§ 1º - O direito de resposta deverá ser usado exclusivamente para defesa da alegação feita pelo outro candidato, em hipótese alguma poderá ser usado para atacar o outro candidato, caso ocorra, o outro candidato terá direito ao mesmo tempo para se defender.

§ 2º - O candidato que tiver o pedido deferido terá o tempo de 01 (um) minuto para se defender.

Art. 18. Os candidatos se comprometem a agirem com urbanidade, bem como, evitarem que correligionários ou familiares tentem entrar nos estúdios da Rádio Zumbi FM, sob pena de não realização do debate enquanto pessoas estranhas ao mesmo estiverem no prédio da emissora.

Art. 19. Os candidatos se comprometem a entregar até às 18 horas do dia 01 de outubro a lista com o nome do assessor e do advogado que acompanhará o candidato durante a realização do debate.

Art. 20. Os casos omissos serão decididos pela organização do debate.

Art. 21. O presente regulamento é de conhecimento dos candidatos abaixo-assinados, sendo o mesmo enviado para apreciação e aprovação da Justiça Eleitoral.

União dos Palmares (AL), 18 de outubro de 2012.

Rumo ao trabalho



Olívia de Cássia - jornalista

Estou indo rumo à Tribuna Independente, depois do meu expediente na assembléia Legislativa. O corpo todo dói, a cabeça pesa, em consequência da noite mal dormida de ontem. Estou cansada e sonolenta, mas disposta para desempenhar meu trabalho.

Nesse percurso eu vejo a paisagem; pedestres que passam apressados para seus destinos. Cada um com sua história de vida. Uns mais e outros menos sofridos. Agradeço a Deus pela vida que tenho. Se não é a ideal e a melhor, paciência; é o que pode ser. Aprendi há muito tempo que a gente não pode ter tudo o que quer na vida.

O motorista segue desembestado, parece que está atrasado e quer descontar o tempo. Não lembra que está carregando pessoas e não animais no coletivo. A tarde está ensolarada e vou pensando na minha rotina diária.

É tanto aperto financeiro que não dá para fazer planos nesse estágio da minha vida. Queria poder me dar mais conforto e tranquilidade, pois na minha idade é tudo o que a gente deseja, para ser mais feliz. O resto é complemento.

Na televisão a programação do guia eleitoral de hoje foi para os candidatos a vereador. São poucos aqui os que têm condições de ocupar uma das 21 vagas da Câmara Municipal de Maceió.

Em minha querida União a disputa é por 15 vagas e também são poucos os que sabem a função de um vereador. São mais de cem candidatos. A gente percebe a pouca preparação deles. Tem candidato ao cargo que promete coisas que são da competência do Executivo e que um vereador não pode realizar jamais.

Deu sono no balanço do ônibus e chego a sonhar no coletivo. Um sono de cochilos rápidos e assustados, para não passar direto do ponto. Boa tarde e fiquem com Deus.

O sono não veio

Olívia de Cássia – jornalista

O sono não veio nessa noite longa e inquieta. Foi uma briga infame até eu conseguir me aquietar um pouco e sossegar os pensamentos. Uma peleja danada entre a razão e o desejo.  Estou fugindo de mim; fugindo dos meus apelos e lamentos.

A gente não pode ir contra a corrente das marés; é perigoso o mundo dos sonhos. Estou fugindo de mim, com medo do que eu possa sentir; sonhar e  querer. Passei a noite lutando contra os pensamentos, que não me deixaram sossegar um só instante.

Procurei respostas para tanta confusão e elas não vieram. Existe um caminho a percorrer, a estrada é de pedras e cheia de atalhos. Estou cansada de lutar contra isso. Por que a vida prega essas surpresas na gente, quando já e muito tarde e não temos mais tempo para viver?

O que fazer nessas horas de tantas incertezas e dúvidas, se não há certezas de nada? Eu tive um sonho e acabei pensando em ti. Deus me defenda de mim. Não me conheço mais nessas horas de tantos apelos. O que será de mim? O que será de nós?

O dia já amanheceu embalado no canto dos passarinhos, lá longe. Desperto logo cedinho e vejo que já é hora de levantar para começar a labuta diária. O corpo dói e a mente ainda está confusa, fruto  de uma noite insone. Parece ressaca. Bom dia.


Duelo


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Corpo e mente não se entendem
Numa confusão diária de quereres difusos
O corpo diz sim, a mente calejada diz não.
Estou fugindo de mim, uma fuga constante e aflita.

Fendas


Olívia de Cássia - jornalista 

No silêncio da noite, apenas com o barulhinho do motor da geladeira velha de casa e o cantar do galo da Estação Ferroviária, eu vou rememorando cenas, passagens da vida, situações mal resolvidas, amores que não deram certo.

Os gatos fazem a festa brincando pela casa toda e eu continuo insone, como acontece todas as  noites, procurando me envolver com o melhor de mim, com  pensamentos mais positivos que alegram o dia-a-dia.

O tempo passa e agente vai acumulando fendas em nossa alma; feridas que não cicatrizam e que às vezes doem e fazem mal para saúde da gente. Eu não quero mais alimentar isso dentro de mim. Não posso viver com esse tipo de sentimento ainda. Não dá mais.

Preciso cicatrizar as feridas, aliviar as dores da alma e tentar ser feliz. Tenho que exorcizar passagens negativas e deixar fluir dentro de mim apenas o que for positivo e construtivo, eu sei.  

Meu coração pulsa mais forte agora, estou em estado de alerta, ansiosa e confusa, mas não posso me deixar levar pelos apelos do meu corpo carente, já cansado e moído de tanta luta. Tenho medo de arriscar qualquer coisa.

Não tenho mais tempo, minha passagem por aqui é curta e não quero fazer muitos planos para daqui a alguns anos. Quero viver o agora, nada mais. A saúde é frágil, a vida é breve e não sei e nem sabemos o quê virá no amanhã.

Eu só desejo um mundo de paz, harmonia e dias alegres. Uma vida leve, sem traumas. Preciso me libertar de algumas amarras que ainda  me prendem ao passado; quero ser feliz seja de que jeito for. Vida que segue em frente. Boa noite.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Veja você...


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

A Primavera chegou, o sol raiou mais uma vez no horizonte
As rosas desabrocharam nos campos e jardins...
Indicando que a natureza se veste para ser semeada.
Anoiteceu.  É tempo de cantar a alegria,
De sonhar os sonhos mais lindos...
No céu a lua nasce todos os dias, ao entardecer...
É tempo de sonhos, nossos sonhos mais bonitos
Somos diferentes na essência...
Duas metades incompletas: sol e lua
Paralelos que não se encontram...
Duas vidas em busca de seus equilíbrios....
Veja você..

As armadilhas da gente...

Olivia de Cássia Correia de Cerqueira

O coração e a mente traçam tramas
Às vezes pregam peças na gente
E quando menos esperamos
Nos envolvemos em armadilhas adolescentes...
Mas com medo de me aventurar
Eu resolvi fugir para não me envolver
Eu tive medo, mas tive vontade
De querer me aventurar...
Para ser feliz e me encontrar...
Mas há uma sutil  diferença
Entre o nosso querer e o nosso poder.
Houve um clarão imenso na terra,
E na minha mente também.
Conceito de tudo...
As armadilhas da gente...


Projeto de Medeiros que torna obrigatória vacina contra o HPV foi vetado pelo governador


Olívia de Cássia – Ascom 
(Texto e foto)


Um projeto de lei do deputado Ronaldo Medeiros (PT), que dispõe sobre tornar obrigatório o oferecimento gratuito pelo Estado da vacina de prevenção ao câncer do útero, para mulheres que recebem renda inferior a cinco salários mínimos, aprovado nas Comissões da Casa de Tavares Bastos e pelos deputados, foi vetado pelo governador do Estado Teotonio Vilela e o veto publicado no Diário Oficial desta segunda-feira, 24.  

O deputado Ronaldo Medeiros disse que vai lutar fazer gestões junto aos demais  deputados para derrubar o veto do governador.

“O câncer do colo de útero é uma doença que se desenvolve lentamente e não apresenta sintomas na fase inicial. Esse projeto é de fundamental importância para essas mulheres de baixa renda e que não têm condições de adquirir a vacina.  Com esse veto o governo prova que a saúde não é prioridade no Estado”, disse Medeiros.

Apesar de reconhecer a relevância do projeto o governo argumenta que a proposição do deputado “invade a competência do chefe do Poder Executivo estadual de iniciar o processo legislativo, além de configurar ofensa ao princípio da harmonia e independência dos Poderes”.

domingo, 23 de setembro de 2012

Poder de sedução


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Eu não tenho mais idade
E nem poder de sedução
Para trazê-lo para meus braços,
Objeto do meu desejo.
Mas em pensamento eu te abraço,
Seguro em tua mão e em sonhos
Construímos uma linda história
De carinho e afeto.

Sem poesia


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Não dá para viver mais sem poesia.
Ela aquece meus dias,
Aguça os meus sentidos
Me faz imaginar situações
Amorosas inexistentes
E preenche meus dias e noites.
A poesia torna a imaginação  da gente
Mais aguçada e criativa,
Invoca minha memória afetiva
E se faz presente em minha vida.

Imaginação


Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Minha fértil imaginação às vezes é muito louca.
E quando não tem o que fazer ou tendo muito
Fica percorrendo caminhos imaginários
Sensuais e  geográficos do teu corpo,
Visita cada detalhe, a miúde,
Desmiuçando os teus segredos.
Por uma rota imaginária e quase sem fim
Impossibilitada de viver a realidade.
Imaginação interplanetária....


Chegou a Primavera...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

É Primavera; tempo de amor, de céu iluminado.
É a estação mais bonita do ano, quando dias escuros se vão,
A Terra está pronta para ser fertilizada, os campos estão floridos.
O sol cruzou a linha do Equador é tempo de dias e noites iguais
De sorrisos no rosto e de acreditar que a gente pode ser feliz
Que podemos fazer um mundo melhor, basta querer e acreditar.
Chegou a Primavera, mês das flores e das luzes...
Tempo de muitas alegrias, de esquecer tristezas,
De renovação dos sonhos e de ideias...
Chegou a  Primavera...


Dores da alma


Olívia de Cássia - jornalista

As dores da alma são mais densas que as do corpo e causam as piores consequências. Mais do que uma simples tristeza, a pessoa que sofre desse tipo de problema apresenta uma série de sintomas que resultam em uma total perda de discernimento das coisas. 

Já tive esse tipo de incômodo e não desejaria para o meu pior inimigo, se eu tivesse desafetos. Quan
do a gente está assim, triste e depressiva, só pensa no pior, parece que nada ajuda e se a gente não tiver uma força interior muito maior, a ajuda de amigos e muita fé em Deus, é capaz de cometer muita besteira.

Felizmente eu superei essa fase dolorida na minha vida. Naquela época eu só pensava em coisas negativas, telefonava para os amigos altas horas da madrugada, perturbava o sossego de muita gente, mas eu procurei ajuda.

Naquela situação eu pensava que meu mundo tinha desabado, que nada mais importava, que eu nunca ia superar aquela fase e chorava o tempo todo. Foi uma época difícil, perdi peso acima do normal, que foi a única coisa boa que me aconteceu. Mas depois ganhei os quilinhos em dobro.

Nesse tempo eu recebi a orientação de uma amiga e fui fazer terapia com um psiquiatra, todo mundo pensava que eu estava ficando louca, até a médica, porque eu só falava besteira e chorava o tempo inteiro, eu não tinha autoestima e tinha perdido o meu foco.

A médica tentava me hipnotizar, receitava remédios que eram ministrados para pessoas com problemas psiquiátricos, mas meu estado de torpor era tão intenso que eu não conseguia melhora.

A coitada fazia exercício de relaxamento, colocava aquelas músicas com sons de pássaros, mandava que eu colocasse no papel o que estava sentindo, mas naquele tempo não saia nada que se aproveitasse, pois eu era uma pessoa negativa.

Passados quatro meses de terapia eu acordei para a vida e tomei a decisão de abandonar aquele tratamento caro e que eu achava não estava fazendo muitos progressos. Resolvi, por minha conta, deixar de tomar aqueles remédios pesados e disse a mim mesma que iria fazer a minha terapia individual.

Foi quando eu decidi escrever meu livro de memórias. Não foi fácil relembrar tudo aquilo. Cada linha que eu escrevia eu chorava feito bezerra desmamada, mas em dois dias eu tinha produzido dez laudas.

Foi uma dor intensa aquela, uma das piores que eu já tinha sentido até então, mas eu consegui: em dois meses eu tinha acabado de escrever meu livro.

De lá para cá, cada vez que releio aqueles meus escritos, porque ainda não consegui dinheiro para publicação, eu faço revisões e modifico alguma linha. Mas isso faz alguns anos já.

Felizmente, eu me sinto outra pessoa hoje em dia: agora eu vejo a vida com mais lucidez, com positividade e continuo trilhando o caminho da fé. Não sei se me curei.

A médica me falou que eu ia abandonar o tratamento mas que não tinha sido curada da depressão. Volta e meia eu tenho umas recaídas, mas ficar como eu fiquei naquele tempo nunca mais, graças a Deus.

Hoje eu tenho mais altoestima e amor próprio, apesar de ainda ter minhas fragilidades. É preciso ter muita fé, acreditar em Deus, ter amigos, ter foco e determinação para ser uma pessoa melhor e é o que tenho me esforçado para ser.

Não sou perfeita, sei que tenho um milhão de defeitos, mas tento trilhar o meu caminho hoje procurando me envolver com situações que me façam me sentir feliz. Fiquem com Deus.

sábado, 22 de setembro de 2012

O perdão...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Sou uma espécie em extinção, tenho pensado muito nesse meu jeito carente e tolo de ser, que se deixa levar pelo primeiro afago, pelo primeiro carinho e já se encanta com uma pessoa.

Tenho facilidade de perdoar, sem demagogias.  Eu sempre fui assim. Não consigo ficar zangada com outra pessoa por muito tempo.

Mesmo que me magoem, que eu sofra, chore, esperneie e me amargure, com pouco tempo do fato acontecido eu já estou procurando desculpas para as atitudes arredias dos outros para comigo.

Sempre acontece isso comigo. Algumas pessoas me chamam de tola, ingênua. Eu posso explodir numa hora de raiva, mas em seguida ou com pouco tempo depois já estou arrependida da raiva que eu tive e se preciso já peço desculpas e perdão...

Já me magoei muito por essa minha sensibilidade e jeito de ser, mas eu não sei agir de outra forma. Já fiz terapia, já escrevi livro e não mudei.

Às vezes sofro com isso, é uma explosão de sentimentos angustiantes que me sufocam e se eu não chorar para desabafar sou capaz de explodir de verdade.

Tem pessoas que não sabem me entender, me rotulam de ingênua, de tola. Talvez tenham razão, mas quando a gente é assim, já na minha idade calejada, é difícil mudar.

Nem o sofrimento que já passei conseguiu mudar meu jeito de ser e de agir com os outros. Devo ser daqueles casos ‘pau que nasce torto morre torto e não jeito mesmo’. Há luz no fim do túnel?