domingo, 31 de julho de 2011

Beto Baía foi reconduzido à presidência do PP de União

Foto: Blog A Palavra
Olívia de Cássia -jornalista

O médico urologista Carlos Alberto Baía, o Beto Baía, foi reconduzido à presidência do Partido Progressista (PP) em União dos Palmares, na última quinta-feira, 28.

O mandato de Beto foi renovado por dois anos e a convenção aconteceu no Park Hotel dos Quilombos, na Terra da Liberdade. Contou com a presença do ex-deputado federal João Caldas, de radialistas ligados à emissora de JC, correligionários, comerciantes bem como do deputado estadual João Henrique Caldas (PTN).

Segundo o Blog A Palavra, do jornalista Ivan Nunes, Beto Baía disse que mesmo sendo uma convenção cartorial, "estou muito contente em poder reencontrar meus amigos de luta e quero reafirmar o meu compromisso político com todos vocês. Precisamos mostrar que o PP em União dos Palmares terá cara própria nas eleições do ano que vem e será com certeza o partido referência em Alagoas, já que em Maceió o Cícero Almeida está concluindo o seu mandato com êxito”, disse Beto Baia. Mais informações sobre a convenção do PP no blog http://www.blogapalavra.com/

Abrigo de idosos de União dos Palmares precisa de doações

A Casa do Pobre de União dos Palmares está precisando de doações. O abrigo, que é uma instituição filantrópica da Sociedade de São Vicente de Paulo, abriga 31 idosos, número que está perto da capacidade do abrigo onde a estrutura comportaria trinta e cinco pessoas.

A nova diretora, Ana Paula Lima, que assumiu a instituição há quase um mês, em entrevista ao Programa Mesa Z da Rádio Zumbi, de União, falou das dificuldades e desafios que poderá enfrentar na sua gestão.

Segundo a diretora, a receita mensal do abrigo é de cerca de cinco mil reais; a casa tem onze funcionários efetivos que recebem salário mínimo.

A Casa do Pobre é sustentada com 70% do dinheiro da aposentadoria dos idosos, e da subvenção de 875 reais da prefeitura e de outras doações, segundo a diretora, observando que está à procura de novos parceiros em diversas secretarias do município, comércio e outras instituições, para a melhoria da infrainstrutura no abrigo.

As doações podem ser feitas na instituição que está localizada na Rua Hermano Plech, no centro da cidade. Maiores informações pelos telefones: 82- 3281-3234 82-9185-0377 ou pelo e-mail casadospobres1954@hotmail.com. As informações estão no site O Relâmpago.com.

Teatro Deodoro estreia Sextas Populares no dia 5


A Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (Diteal) iniciará na próxima sexta (5) um projeto voltado a produção musical de Alagoas.

Em homenagem ao mês do folclore, o Sextas Populares estreará com apresentação do instrumentista do pífano Chau do Pife, que receberá amigos músicos todas as sextas-feiras do mês de agosto, sempre a partir das 16h, com entrada franca.

Sextas Populares é um projeto que visa divulgar a produção musical alagoana com pequenas apresentações (pocket shows) num formato de happy hour do Teatro Deodoro.

”Esperamos que o público sinta-se estimulado a vir ao teatro nos finais de tarde das sextas -feiras, para assistir aos nossos músicos e quem sabe dar uma esticadinha, à noite, nos espetáculos que tenhamos em um dos nossos teatros, seja o Arena ou o Deodoro”, explicou Alexandre Holanda, Diretor-artístico da Diteal.

Os interessados em participar do projeto Sextas Populares devem entrar em contato com a Direção Artística da Diteal. Informações: (82) 3315-5665.

Prédios de União só poderão ser pintados com cores da bandeira

Foto de Olívia de Cássia
O prefeito de União dos Palmares, Areski de Freitas (PTB), sancionou o Projeto de Lei, de autoria do vereador e atual presidente da Câmara Municipal, Bruno Leitão Praxedes (PSDB), que dispõe sobre a obrigatoriedade do respeito às cores da Bandeira de União dos Palmares na pintura dos prédios públicos do município.

A partir da vigência desta Lei, que entrará em vigor no de 1º de janeiro de 2013, todas as edificações públicas do município, adquiridas ou que forem constituídas, devem ser pintadas com as cores que representem e simbolizem as cores da Bandeira do município, observando a predominância de cada cor.

Igualmente, os edifícios públicos que já se encontram erguidos, quando forem receber nova pintura, também devem obedecer a mesma padronagem.

Segundo a assessoria da CM de União, fica proibida a utilização de pinturas em prédios públicos municipais para a realização de propaganda eleitoral de candidatos, partido político ou coligações, bem como a fixação de logomarcas, símbolos, clichês ou outros endereços pessoais que possam servir de propaganda eleitoral.

sábado, 30 de julho de 2011

Entrega do Prêmio Imprensa Maria Mariá será em setembro

Os vencedores do Prêmio Imprensa Maria Mariá (blogs, sites, programas e informativos impressos), na votação que está acontecendo pela internet, acontecerá dia 10 de setembro, às 19h30, na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB) de União dos Palmares.

A informação é de Clezivaldo Mizael, pelo MSN. Os interessados ainda podem votar, acessando o blog http://premioimprensamariamaria.blogspot.com.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

De volta à ALE

Foto de Olívia de Cássia
Presidente da ALE, Fernando Toledo terá desafios pela frente

Olívia de Cássia - jornalista

Na próxima terça-feira, 2, também os deputados estaduais alagoanos voltam do recesso do meio do ano, conforme determina o Regimento Interno da Casa. A pauta da ALE está liberada, pois apesar de haver projetos que aguardam apreciação, os prazos são suspensos nos períodos de recesso parlamentar, segundo a assessoria da Casa.

Segundo o site da Assembleia, os deputados têm que votar a Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2012 e o Plano Plurianual (PPA). O PPA traça as metas financeiras do Estado para os quatro anos seguintes da administração pública. As duas matérias – LOA e PPA – devem ser remetidos pelo governo estadual até o mês de setembro próximo, para serem analisados pelos parlamentares até o final do ano.

A semana de trabalhos vai começar já com uma questão que está gerando debates: o deputado Ronaldo Medeiros (PT), líder da bancada de oposição na Casa de Tavares Bastos, disse em seu Facebook que protocolizou solicitação de convocação do secretário estadual de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, Luiz Otávio Gomes, para explicar aos deputados sobre os contratos de consultoria principalmente com a Marcoplan, que dá suporte técnico à coordenação do programa Alagoas Tem Pressa.

Segundo o blog do jornalista Célio Gomes, editor do jornal Gazeta, o secretário avisou que “faz questão” de comparecer à Assembleia Legislativa, para explicar os termos do contrato. A semana que vem já promete muitos debates na ALE.

Voltarei à Sala de Imprensa da Casa, para acompanhar as sessões ordinárias, e postar as novidades do parlamento no blog. Vamos acompanhar.

Câmara de União volta às atividades dia 2 de agosto

Após 26 dias de recesso legislativo, os vereadores da Câmara de União dos Palmares voltam às suas atividades regimentais.

A primeira sessão ordinária do segundo semestre será realizada dia 2 de agosto, a partir das 9h, no Plenário José Correia Vianna.

A Câmara está funcionando diariamente, de segunda a sexta, das 8h às 13h, segundo o presidente Bruno Praxedes (PSDB).

Município de Maceió deve custear medicamentos à vítima de AVC


O desembargador Alcides Gusmão da Silva, integrante da Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), reformou decisão de primeiro grau, determinando ao município de Maceió o fornecimento de insumos médicos e medicamentos à vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). A decisão monocrática foi publicada no Diário de Justiça Eletrônico desta sexta-feira (29).

A paciente foi acometida de diversas sequelas após acidente vascular cerebral e o magistrado entendeu que deve-se levar em conta a possibilidade de piora do estado de saúde da autora. “Ademais, o fundamento utilizado pela juíza a quo [de primeira instância] não merece prosperar, pois todo cidadão tem direito à saúde e à vida, conforme a Constituição Federal de 1988 dispõe” explicou o desembargador Alcides Gusmão.

Após sofrer um acidente no cérebro, Soledade Maria dos Prazeres foi acometida por diversas sequelas. Encontra-se em situação de mobilidade reduzida, acamada, apresentando escaras (lesão caracterizada por necrose na pele, consequente pela má circulação sanguínea no local), motivo pelo qual necessita dos medicamentos.

Segundo o desembargador Alcides Gusmão, o direito à vida e à saúde se encontram ameaçados diante das precárias condições financeiras da paciente. Matéria referente ao processo nº 2011.004387-7

Fonte:/Itawi Albuquerque - Dicom -TJ/AL

Jornalista que trabalhar em local perigoso poderá ter seguro de vida

Ilustração/Internet

Fonte: Agência Câmara de Notícias

A Câmara Fedceral analisa o Projeto de Lei 239/11, do deputado Sandes Júnior (PP-GO), que obriga as empresas jornalísticas a contratar seguro de vida, com cobertura relativa a riscos de morte e invalidez, para jornalistas profissionais transferidos para áreas de conflito. A proposta prevê apólice de, no mínimo, mil salários mínimos (atualmente, R$ 545 mil) para assegurar ajuda financeira aos familiares em caso de acidente.

O texto é idêntico aos PLs 5177/05, do ex-deputado Celso Russomanno; e 6078/02, do ex-deputado Wigberto Tartuce. Aprovadas pela Comissão de Seguridade Social e Família, as propostas foram arquivadas ao final das respectivas legislaturas.

Sandes Júnior argumenta que a transferência de profissionais para outros países é uma exigência no mundo globalizado. “É cada vez mais freqüente a necessidade de enviar jornalistas para outras localidades, a fim de possibilitar uma cobertura em tempo real”. Ele acrescenta que, muitas vezes, esses trabalhadores enfrentam situações de perigo e violência, no esforço por adquirir as melhores informações de maneira mais rápida.

A proposta altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT - Decreto-Lei 5.452/43).

Tramitação

O projeto, que tramita em caráter conclusivo, será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

TJ prorroga até sexta-feira (5/8) inscrições para estágio em Jornalismo



Candidatos podem se inscrever até o dia 05 de agosto (sexta-feira) na Diretoria de Comunicação do TJ

Tayana Moura - Dicom TJ-AL

O Tribunal de Justiça de Alagoas prorrogou até a próxima sexta-feira (05) o prazo para inscrição no estágio em Jornalismo. A oferta de estágio é destinada àqueles que já concluíram o segundo ano de curso ou o 4º período, em regime semestral. O comunicado da Escola Superior da Magistratura (Esmal) está publicado no Diário de Justiça (DJE) desta sexta-feira (29).

Para se inscrever, o candidato deve entregar, além do curriculum, os seguintes documentos: 1 (uma) foto 3x4; cópia do CPF e da cédula de identidade; comprovante de residência; cópia do histórico escolar acadêmico, certificando a matrícula no 5º período do curso; e declaração de disponibilidade de tempo para a realização de estágio de 25 horas semanais.

A documentação deve ser entregue na Diretoria de Comunicação Social (Dicom) do Tribunal de Justiça, no 4º andar (Anexo II), do TJ/AL, das 8h às 12h e das 14h às 18h. Em seguida, os acadêmicos passarão por uma entrevista com os membros da comissão de seleção.

Seleção

Os candidatos aprovados após análise curricular e entrevista, poderão participar da segunda fase, onde serão submetidos a uma prova prática, contendo 20 questões de múltipla escolha e a redação de uma matéria sobre a Corte estadual.

Serão ofertadas dez vagas, mediante formação de cadastro de reserva. O concurso terá validade de doze meses, onde os candidatos serão convocados à medida em que houver disponibilidade de vagas.

A sempre determinação de levar vantagem


Petrucio Manoel Correia de Cerqueira - Bancário


No século XX, em pronunciamento no púlpito do Congresso Nacional, Rui Barbosa dizia, que boa parte do povo brasileiro já sentia vergonha de ser honesto, ao ver tanto trambique e tantas pessoas desonestas proliferando em nosso País , como também aquelas que simplesmente querem levar vantagem em tudo que fazem ou dizem.

É impressionante a quantidade de ações praticadas e a criatividade das pessoas para levarem vantagem. É em ponto de ônibus, nas filas de restaurantes, nas filas de banco, em salas de espera nos médicos, nos dias de eleição, e por aí vai.

Trabalho em uma agência bancária no interior (S. Miguel dos Campos), e é impressionante a criatividade do povo para burlar a ordem de chegada para o atendimento, principalmente as mulheres.

O atendimento da agência é feito através da entrega de fichas por ordem de chegada, tanto as normais, como as preferenciais para idosos, gestantes, crianças de colo, portadores de necessidades, etc.

Devido ao grande número de empresas instaladas na região, é grande o número de pessoas que necessitam de atendimentos de PIS, FGTS, Bolsa Familia, Seguro Desemprego e outras ações sociais do Governo Federal.

No começo do ano, atendi no caixa uma pessoa que deveria ter uns vinte anos de idade. Ela portando uma ficha preferencial, indaguei-a sobre a ficha, e ela respondeu rispidamente que estava grávida de dois meses.

Meses mais tarde, ela novamente apareceu na agência, lembrei-me da fisionomia dela, pois da primeira vez ela respondeu-me com muita ignorância e não a esqueci, ela novamente com a ficha preferencial, e ainda sem barriga, veio novamente ao meu caixa, e alegou novamente que estava grávida de dois meses.

Educadamente, comentei o acontecido anteriormente, e ela meio sem jeito voltou e recebeu uma ficha de atendimento normal.

Outra, imaginem só, chegou ao banco com a blusa na altura dos seios molhada, disse que estava amamentando. Só que desta vez foi outro cliente que estava esperando na fila e gritou para todo mundo ouvir, “essa mulher estava no restaurante aqui do lado e molhou a blusa na pia de lavar as mãos”.

A criatividade, que deveria acontecer para realizações de coisas úteis, infelizmente não está acontecendo.

Fuga


Olívia de Cássia – jornalista

Fujo do apego a um sentimento qualquer, diferente de antes. Fujo agora de um sentimento qualquer, que me bloqueie a liberdade. A minha liberdade de viver.

Não quero e não vou mais me arriscar, isso eu não farei, se depender da minha vontade.

Além de não ter mais idade para querer, não me interessa mais me envolver com amores inconstantes e distantes, para evitar sofrimentos futuros. Quero me poupar e para isso eu fujo. Fujo de mim.

A vida é feita de perdas, ganhos e renúncias. Renunciei a uma vida normal. Não sou normal. Renunciei pela minha profissão, por meus sonhos, por não querer dar satisfação sobre meus atos. Mas eu não posso fugir da normalidade, apesar da vida sem horários que levo.

O ônibus para no sinal, estou indo ao trabalho novamente. Ultimamente só tenho feito isso na vida, E graças a Deus que ainda tenho isso e posso trabalhar. O trabalho me completa, me faz sentir uma pessoa melhor, útil, produtiva, viva.

Fujo de mim, não procuro mais me decifrar, saber quem eu sou. Quem sou eu? Um arremedo de vida, alguém que quer ser feliz. Eu quero ser feliz, hoje e sempre. Mas a vida é dura.

Tenho a idade de ser avó e nem tive filhos, assim como aquele personagem da obra de Machado de Assis. Não terei a quem deixar nenhum legado, nenhum fruto. Tudo o que sou, o que gosto, o que vivo, morrerá comigo.

Nenhum ensinamento que eu tenha aprendido na vida deixarei como herança para alguém, se é que eu tenha aprendido algo. Tudo morrerá comigo.

Me acompanhe também no http://www.tribunahoje.com/blogs/31/olivia-cerqueira

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Delegacia do Trabalho não tem telefone nem carteiras para emissão

Fonte: Tudo na Hora


Infiltrações, mofo e mobiliário sem as mínimas condições de uso. É nesse estado que se encontra o prédio da Delegacia do Ministério do Trabalho, em União dos Palmares, no interior de Alagoas.

Para completar o quadro, os servidores do órgão federal não dispõem de telefone e faltam até carteiras de trabalho para emissão.

A denúncia é do Sindicato dos Trabalhadores da Previdência de Alagoas, que alega que este não é o único caso de más condições dos escritórios do Ministério do Trabalho no Estado.

“Já apelamos inúmeras vezes para o Ministério Público, no sentido de interditar o prédio e salvar os servidores desse verdadeiro massacre a que são submetidos todos os dias. Vamos continuar denunciando as precárias condições de trabalho e a absoluta falta de condições para o atendimento à população”, afirmou Cícero Lourenço, presidente do sindicato.

Em sentença publicada no dia 28 de junho, o juiz substituto da 2ª Vara do Trabalho da capital, Sérgio Roberto de Mello Queiroz, determinou a interdição imediata do auditório da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE), antiga DRT.

Ele também obrigou a instituição a promover a reforma geral da sede, em Maceió, incluindo o setor interditado, e das agências regionais instaladas no interior de Alagoas.

Ao todo são dez pontos que devem ser obedecidos em prazos de variam de 30 a 90 dias. Em caso descumprimento de quaisquer das obrigações determinadas, será cobrada multa de 100 mil reais, reversível ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

A decisão do juiz atendeu à ação do Ministério Público do Trabalho em Alagoas contra a União.

“Nosso intuito quando ajuizamos a ação foi garantir um meio ambiente de trabalho saudável e seguro e que os postos de trabalho fossem adequados às condições mínimas de conforto, conforme determinam várias normas regulamentadoras do próprio Ministério do Trabalho e Emprego”, disse a procuradora do Trabalho Virgínia Ferreira.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Bolsas de estudo


Olívia de Cássia - jornalista

O governo federal anunciou o programa Ciência sem Fronteiras, que visa conceder 75 mil bolsas de estudo no exterior a jovens brasileiros. A presidente Dilma Rousseff disse que o Brasil passará a outro patamar na área de ciência, tecnologia e inovação e que esses estudantes, ao retornarem ao país, formarão a nova base de pensamento educacional.

O programa foi lançado ontem, 26, em Brasília (DF), durante a 38ª Reunião Ordinária do Pleno do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

Aproveitando a presença de grandes empresários brasileiros, Dilma reiterou contar com o apoio da iniciativa privada que, segundo desenho do Ciência sem Fronteiras, deve colaborar com o custeio de outras 25 mil bolsas de estudo, totalizando 100 mil benefícios.

Os bolsistas serão escolhidos exclusivamente por mérito”, explicou a presidenta. Mais informações no site http://www.dilma.com.br/site/.

MDA

A etapa regional de seminários do Projeto de Articulação e Acesso das Comunidades Quilombolas às Políticas Públicas de Desenvolvimento Rural nos Territórios da Cidadania foi encerrada em São Luís (MA) em encontro que reuniu lideranças quilombolas do Maranhão, Piauí, Ceará, Pará e Amapá.

A próxima etapa é a elaboração de um Plano de Etnodesenvolvimento para as comunidades atendidas pelo programa que o Governo Federal desenvolve desde 2008 em parcerias com estados, municípios e sociedade civil organizada. Detalhes no http://www.orelampago.com.br/vernoticia.php?id=573

Encontro de Twitteiros em União

No dia 6 de agosto próximo acontece em União dos Palmares, a primeira edição do Encontro de Twitteiros. A programação oficial do evento está no link: http://www.cadernob.net/2011/07/programacao-oficial-do-twittao.html e está sujeita a alteração, com aviso prévio, segundo os organizadores do evento.

O formulário para participação no encontro está no link https://spreadsheets.google.com/spreadsheet/viewform?hl=pt_BR&formkey=dHRORGNReE95OC1GWWNPQ01QU192Qmc6MQ#gid=0!, com instruções de preenchimento.

Assembleia Geral Extraordinária

Valdice Gomes, presidente do Sindjornal, convidando para uma assembleia geral extraordinária da categoria, que acontece no dia 1º de agosto, a partir das 19 horas, para a tirada de delegado à plenária da Central Única dos Trabalhadores e outros assuntos. Mais informações no Sindjornal.

Reconstrução

O vice-governador do Estado e coordenador do Programa da Reconstrução, José Thomaz Nonô, reuniu-se, na manhã desta quarta-feira (27), com representantes dos municípios atingidos pelas enchentes e com os responsáveis pelas obras, com o objetivo de definir os critérios a serem utilizados para a entrega das casas às famílias atingidas pelas enchentes.

Serão mais de mil habitações entregues até o final do ano, com previsão de início das entregas dos conjuntos no próximo mês de outubro.

“São mais de 17 mil casas em andamento nos conjuntos habitacionais e essas obras não são uniformes. Por isso estabelecemos critérios, de forma preventiva, para que haja uma justa distribuição das casas”, disse o vice-governador.

Encantos do cordel


Olívia de Cássia – Repórter

A alagoana Marluce da Silva Torres (foto), professora licenciada em Letras pela Universidade Federal de Alagoas e pós-graduada em Educação Especial é uma apaixonada pela literatura de cordel. Ela diz que gosta de escrever, além de versos dessa vertente da literatura popular, contos, poesias, ‘histórias de Trancoso’ e história da vida real.

Para Marluce Torres, o cordel é uma grande terapia e tornou-se parte de sua vida. “Além de escrever versos de cordel, gosto de fazer paródias, contar piadas e recitar poesias”. Professora aposentada, ela ensinou língua portuguesa durante 33 anos na rede pública de ensino.

Dinâmica e arrojada atuava junto com seus alunos nas apresentações folclóricas e natalinas promovidas pela escola onde trabalhava. “Já me apresentei como um mito folclórico – “a Madame Juju” – vestida de cigana com tenda e tudo”, lembra a professora.

Marluce Torres conta que sempre gostou de escrever versos “e vi que a poesia de cordel é uma terapia para mim. A minha vida já é uma história de amor; de perseverança; de trabalho e muita garra. Gosto de desafio e arregaço as mangas para o que der e vier”, observa.

Ela conta que sua paixão pelo cordel vem desde criança. Herdou de sua mãe, que comprava os livrinhos na feira e, à noite, reunia os filhos na calçada de casa para ler as histórias.

“A minha mãe tinha uma voz melodiosa que dava ênfase à leitura. Eu - como a mais velha dos filhos -, ia brincar de escola e tentava ler os versinhos para meus irmãos mas, não sabia ler com entoação e musicalidade”, destaca.

Marluce é casada e tem duas filhas, posta seus versos e poesias no blog http://sitedepoesias.com e está em redes sociais como Facebook e Orkut, onde divulga seus trabalhos. Abaixo um de seus cordéis: uma “Homenagem ao Cordel Encantado”.

HISTÓRIA

A história da literatura de cordel começa com o romanceiro luso-holandês da Idade Contemporânea e do Renascimento. O nome cordel está ligado à forma de comercialização desses folhetos em Portugal, onde eram pendurados em cordões, chamados de cordéis.

Inicialmente, eles também continham peças de teatro, como as de autoria de Gil Vicente (1465-1536). Foram os portugueses que introduziram o cordel no Brasil desde o início da colonização. Na segunda metade do século XIX começaram as impressões de folhetos brasileiros, com suas características próprias.

Os temas incluem fatos do cotidiano, episódios históricos, lendas , temas religiosos, entre muitos outros. As façanhas do cangaceiro Lampião (Virgulino Ferreira da Silva, 1900-1938) e o suicídio do presidente Getúlio Vargas (1883-1954) são alguns dos assuntos de cordéis que tiveram maior tiragem no passado.

Não há limite para a criação de temas dos folhetos. Praticamente todo e qualquer assunto pode virar cordel nas mãos de um poeta competente.

No Brasil, a literatura de cordel é produção típica do Nordeste, sobretudo nos estados de Pernambuco, da Paraíba, do Rio Grande do Norte e do Ceará. Costumava ser vendida em mercados e feiras pelos próprios autores.

Hoje também se faz presente em outros estados, como Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo. O cordel hoje é vendido em feiras culturais, casas de cultura, livrarias e nas apresentações dos cordelistas.

Os poetas Leandro Gomes de Barros (1865-1918) e João Martins de Athayde (1880-1959) estão entre os principais autores do passado.

HOMENAGEM AO "CORDEL ENCANTADO"

MARLUCE CORDELISTA


Caros amigos leitores
Eu trago uma linda história
Um romance de bravura
Força coragem e vitória
Que pra sempre irar ficar
Guardado em vossa memória

Há muitos anos atrás
Existia neste estado
Um rei poderoso e forte
Muito rico e bem casado
Com a rainha Carolina
De um país afastado

O nome deste rei era
Francisco Manoel Valadão
Todo mundo lhe temia
Lá naquela região
Tinha mais de mil soldados
A sua disposição

O rei só tinha uma filha
Pra ser sua favorita
Ela tinha dezoito anos
E se chamava Talita
Das moças daquele lugar
Ela era a mais bonita.



Me acompanhe também no site Tribuna Hoje, no link http://www.tribunahoje.com/blog/olivia-cerqueira/271/2011/07/27/encantos-do-cordel.html

terça-feira, 26 de julho de 2011

Entidades debatem assassinato bárbaro de dona-de-casa no Conjunto Carminha

Maria de Lourdes Farias Melo, 27, foi morta e teve parte do corpo decepadas, no último domingo (24)

Gazetaweb com Gilson Monteiro

A Polícia Civil começou a tomar os depoimentos dos vizinhos da vítima Entidades ligadas aos Direitos Humanos se reúnem nesta quarta-feira (27) para debater os casos de extrema violência que vem sendo registrados na capital contra a mulher.

O debate foi motivado pelo crime bárbaro no último domingo (24), no Conjunto Carminha, no bairro do Benedito Bentes, onde a dona de casa Maria de Lourdes Farias Melo, 27, foi brutalmente assassinada, e decapitada.

Os assassinos chegaram a usar uma parte do corpo decepada para escrever na parede a palavra “cabueta”, deixando claro o motivo do crime. No ano passado, no mesmo conjunto, uma outra dona de casa foi assassinada cruelmente também por ter denunciado traficantes que atuam na área.

Na reunião desta quarta o crescimento da violência contra a mulher serão debatidas políticas públicas de valorização da mulher e de combate ao crime na região do Benedito Bentes.

O debate vai envolver representantes da comunidade local, da Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e Direitos Humanos, que possuiu uma superintendência específica para o assunto – a Superintendência de Promoção dos Direitos e de Políticas para a Mulher – o Conselho Estadual de Direitos Humanos e representantes da Secretaria de Estado da Defesa Social, incluindo um representante da Polícia Militar de Alagoas.

“Esse crime bárbaro fez com que esses órgãos e entidades reagissem. Será uma reunião para se pensar no que pode ser feito para combater esse tipo de banalização da violência na capital, e em especial na comunidade onde aconteceu o crime”, disse o presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos, Fernando Teles.

Número de brasileiros sozinhos triplica em 20 anos


Por Rodrigo Burgarelli | Agência Estado

A família tradicional, com pai, mãe e três filhos, está cada vez mais rara no Brasil. Pela primeira vez na história, o número de pessoas morando sozinhas ultrapassou o das famílias com cinco integrantes. Hoje, os domicílios com apenas um morador já são 12,2% do total, ante 10,7% das residências com cinco pessoas. Os brasileiros solitários já somam 6,9 milhões - quase três vezes mais que os 2,4 milhões de 1991.

Os dados constam de um recorte inédito feito pelo Estado nos dados do Censo Demográfico de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa revela que o País está seguindo uma tendência internacional: há cada vez menos gente dividindo o mesmo teto. Em 1960, a média de moradores por domicílio era de 5,3 pessoas. Cinquenta anos depois, caiu para 3,3. Ainda assim, é bem maior do que a proporção em países europeus e nos Estados Unidos: por volta de 2,5.

Existem, porém, duas grandes diferenças no aumento dos “solitários” brasileiros registrado na última década. A primeira é a intensidade - de 2000 para cá, o ritmo de crescimento dos domicílios com apenas um morador foi cerca de 15% maior do que na década anterior. A outra é a participação das cidades médias: morar sozinho era um comportamento mais restrito às grandes cidades. Mas, nos últimos dez anos, o avanço de casas e apartamentos com apenas um morador foi quase 40% maior em cidades de 100 mil a 500 mil habitantes que nos grandes municípios.

As principais explicações para esse fenômeno são o crescimento no número de idosos e o aumento na renda média do brasileiro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Dilma anuncia investimentos de R$ 790 milhões para aquisição de alimentos

Presidente promete instalar 750 mil cisternas no Nordeste até o ano de 2012, além de 658 unidades de saúde de alta complexidade

Davi Salsa / Petrônio Viana
http://www.tribunahoje.com

A presidente Dilma Rousseff encontra-se reunida neste momento com oito governadores do Nordeste e sete ministros de Estado, em Arapiraca. A comitiva presidencial chegou ao município alagoano por volta do meio dia desta segunda-feira. A primeira atividade foi uma visita de 30 minutos à Fecularia do Agreste, onde a presidente conheceu a empacotadora de farinha, construída a partir de um convênio entre a Prefeitura de Arapiraca e o Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Em seguida, Dilma Rousseff seguiu para o Clube da AABB de Arapiraca para debater a inclusão de projetos de infraestrutura na segunda edição do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) e lançar os programas Água para Todos e o de apoio ao agricultor familiar, que faz parte do programa Brasil sem Miséria.

Em sua fala, Dilma destacou os avanços alcançados, desde o início do governo Lula, no combate à miséria. Nesse período, lembrou a presidente, citando estudo da Fundação Getúlio Vargas, 37 milhões de pessoas conseguiram chegar à classe média graças às ações de inclusão adotadas pelo governo federal. Outros 16 milhões de brasileiros, no entanto, ainda vivem abaixo da linha da pobreza.

Dentro do programa Água para Todos, disse Dilma, serão instaladas 750 mil cisternas na região Nordeste até 2012, beneficiando 115 mil agricultores. De acordo com a presidente, as cisternas deverão fornecer água tanto para consumo humano quanto para irrigação de lavouras e outras atividades agrícolas.

Também serão implementados programas de incentivo que incluem distribuição de sementes, assistência técnica e a compra da produção, começando pela Fecularia do Agreste. Para a aquisição de alimentos, segundo a presidente, serão investidos R$ 790 milhões, sendo R$ 370 milhões na região Nordeste. Além disso, a presidente anunciou a abertura de 1,7 milhão de postos de trabalho a partir de ações nas áreas de saúde e educação.

As palavras de Dilma Rousseff foram reforçadas pela ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, que ressaltou os avanços sociais que pretendem ser promovidos com os programas lançados em Arapiraca.

Em seguida, foi a vez do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciar a construção de 658 unidades de saúde de alta complexidade. Padilha explicou que o objetivo é fugir do conceito de que unidades de saúde destinadas a pessoas de baixa renda são necessariamente de baixa qualidade. A intenção, segundo o ministro, é "valorizar dar mais dignidade às pessoas".

O governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) falou em nome de todos os governadores presentes à reunião. Vilela manifestou sua felicidade em representar os gestores e em receber a comitiva presidencial em Arapiraca. O governador ressaltou a importância dos lançamentos dos programas na cidade, pelo espírito empreendedor do povo arapiraquense e, simbolicamente, pelo evento acontecer no Estado com os piores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil.

Por outro lado, Vilela lembrou a redução da desigualdade social em Alagoas a partir das ações implementadas, em parceria, pelo governo federal e pelo governo do Estado. Com esse apoio da União, avaliou o governador, será possível reduzir ainda mais os números da miséria em Alagoas nos próximos anos

domingo, 24 de julho de 2011

S. do Mundaú: sem estradas, produtores de laranja amargam prejuízos


Por Genisete de Lucena Sarmento com Nilo Miranda

Os produtores do assentamento Chapéu de Pena localizado no município de Santana do Mundaú sofrem com a precariedade das estradas acentuadas nesta época do ano. Esta semana, mais de 60 mil laranjas colhidas apodreceram devido a impossibilidade de transportar para a cidade. “Outros milhares (de laranja) terão o mesmo destino”, lamenta Valdinez Cordeiro Alves, presidente da Associação dos Pequenos Produtores do Assentamento.

Segundo a presidente, trinta e cinco famílias vivem no assentamento. A estimativa de produção nesta safra é de 1 milhão de laranjas. Boa parte se perderá por causa das péssimas condições das estradas. O prejuízo é grande. Além do baixo preço do produto no mercado, a dificuldade de transporte aumenta ainda mais as despesas. No final, o que se recebe com a venda não cobre os custos.

“A situação é grave. Só quem vive no assentamento tem idéia do sofrimento”, diz a presidente. Além disso, há a preocupação com a dívida no Banco, que “cresce todo dia” e terá que ser paga. Para Valdinez, só há duas saídas: “resistir ou ir embora, buscar outros caminhos”. Mas ela escolheu resistir. Mesmo com tanto sacrifício, aceitou mudas de laranja pêra doadas pela MDA/Seagri. A primeira dificuldade já surgiu para levar as mudas para o assentamento. Foi necessário arrumar um trator com a prefeitura
Mas essa ela já superou.


Estudantes

Mas a falta de estrada não prejudica somente o transporte dos produtos. “Tem sido uma luta muito grande para nossos filhos irem para a escola, diz Valdinez. Eles almoçam 9 horas da manhã, fazem um longo trajeto a pé até o ponto do carro e só retornam depois das 7 horas da noite. Já aconteceu das mães se juntarem e ir atrás dos filhos de tanta preocupação”, acrescenta.

Vovôs e vovós no tráfico

Olívia de Cássia – jornalista

Homens e mulheres da terceira idade, acima de 50 anos, com frequência nos últimos dias são pegos com drogas e envolvidos no tráfico. Alegam a situação financeira e a falta de oportunidades para se envolverem em ações ilícitas.

A miséria no País é claro que existe e em grandes proporções ainda, mas muitas ações estão sendo desenvolvidas na área da agricultura familiar e no campo, para melhorar esse quadro.

Acontece que a população brasileira triplicou. No passado o homem foi expulso do campo e chegando à cidade, não encontrou o paraíso que procurava lá.

As famílias foram se instalar nas periferias das grandes cidades, onde se depararam com drogas, prostituição, violência, falta de estrutura e outros males. Aliado a isso tudo, os valores familiares, ao longo do tempo estão se deteriorando a cada dia muito mais.

Atualmente, bairros de Maceió como o Jacintinho, Benedito Bentes e Tabuleiro, entre outros como: Rio Novo, Canaã, quase todos os dias são alvo de assassinatos e ações da polícia, por conta da violência e questões de drogas.

E não é só nas capitais do País que a violência tem crescido. Cidades do interior que antes eram pacatas, agora incorporaram as mazelas das grandes metrópoles.

O envolvimento de pessoas idosas, ‘os vovôs’ do tráfico, como estão sendo chamados, nessa modalidade de ação é um novo desafio para a polícia e instituições ligadas à segurança pública.

Colisão atinge três carros no Tabuleiro e fere duas pessoas

Foto: Olívia de Cássia
Olívia de Cássia – Repórter

Uma colisão acontecida agora há pouco atingiu três carros nas imediações do Parque das Flores, no sinal de trânsito em frente à loja Kmartelos, no Tabuleiro do Martins.

Quando sinal estava vermelho, Manoel Joaquim Nascimento, proprietário de um Honda Civic, placa MUS 1355, atingiu o Ford KA de placa MUM 1015, um táxi Siena de placa MUI 6476, de propriedade de Eraldo Acioli Júnior e uma moto que foi atingida na carenagem, mas o motoqueiro não sofreu ferimentos e saiu logo do local.

Manoel Joaquim informou que estava fazendo compras em um supermercado de Maceió, quando a esposa ligou dizendo que dona Floriza Rodrigues do Nascimento, 89 anos, sua mãe, estava passando mal.

“Sai do supermercado aperreado, deixei umas compras e fui socorrer minha mãe, dona Floriza Nascimento, com toda a família no carro e no sinal de trânsito aconteceu o acidente”, disse ele.

O proprietário do Ford KA, Nebuzaradan Muniz de Oliveira, sargento do Corpo de Bombeiros, disse que estava parado no sinal e em dez segundos ouviu a pancada. A esposa de Nebuzaradan, Elaine Cristina do Nascimento, levou uma pancada na cabeça.

A informação dos policiais da Radiopatrulha é que as duas senhoras, com ferimentos leves, foram levadas pela ambulância do Samu para a Unidade de Emergência para os atendimentos necessários. A perícia também chegou agora há pouco no local para avaliar os estragos nos veículos.

sábado, 23 de julho de 2011

IBGE: pessoas se declaram morenas e não negras

Para se autoclassificar, parte da população é genérica e diz ser morena para evitar o termo “negro”, diz pesquisador

Da Agência Brasil noticias@band.com.br

A população brasileira sabe qual é a própria raça ou cor. Pesquisa divulgada hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostra que 96% dos brasileiros conseguem se autoclassificar e que 65% usam uma das cinco categorias do órgão.

Quem não cita as categorias branca, preta, parda, amarela e indígena, usadas tradicionalmente pelo IBGE em suas pesquisas, afirma que é moreno (21,7%) ou negro (7,8%). Para o órgão, o fato de as pessoas se identificaram com base apenas nessas sete categorias encerra um mito.

"Existia um folclore no sentido de que teríamos mais de 100 categorias diferentes para se autoclassificar, uma salada de cores. A pesquisa mostra que não, que as pessoas escolhem uma das sete categorias", diz um dos responsáveis pelo estudo inédito, José Luís Petruccelli.

Embora a população tenha consciência da cor ou raça, muitos usam o termo "moreno" para evitar se declarar como preto ou pardo (negro), acrescenta o pesquisador. "Moreno é um termo para fugir da questão. Pode ser quase qualquer um, pode ser bronzeado de sol ou afrodescendente."

De acordo com a pesquisa, para se autoclassificar, os brasileiros levam em conta a cor da pele (74%) e a origem familiar (62%), além dos traços físicos (cabelo, boca, nariz), citados por 54%.

Em relação à ancestralidade, a maioria dos entrevistados reconheceu ascendência europeia (43,5%), entre as noves possibilidades dadas no questionário. Quanto à origem familiar, 21,4% citaram a ancestralidade indígena e 11,8%, a africana.

A pesquisa do IBGE sobre características etnorraciais da população brasileira foi feita em 15 mil domicílios no Amazonas, na Paraíba, em São Paulo, no Rio Grande do Sul, em Mato Grosso e no Distrito Federal, no ano de 2008.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Projeto Som na Praça: um evento que agradou em União


Olívia de Cássia - jornalista


O Projeto Som na Praça, colocado em prática pelo prefeito Areski Freitas, de União dos Palmares, desde o começo do ano, está fazendo o maior sucesso na Terra de Zumbi.

Numa realização da Secretaria de Cultura do município, o Projeto tem agradado a todos que frequentam a Praça Basiliano Sarmento, local onde estão acontecendo os shows.

Segundo o secretário Elson Davi, o objetivo é “oferecer boa música para a família palmarina”. A primeira edição do projeto teve a apresentação do cantor e compositor Michael Sullivan, responsável por vários sucessos de artistas de renome no País.

Além de Sullivan, já se apresentaram também outros cantores como Fernando Mendes, Odair José e ainda vem mais por aí. O Projeto Som na Praça, além de agradar a população, tem valorizado também os artistas da terra, que abrem cada evento do local.

O secretário Elson Davi está entusiasmado com o Projeto e não é para menos. Disse-me, via Facebook, que terá reunião com secretários de cultura do Estado para trocarem experiência sobre a pasta e os eventos que possam realizar. Que venha mais por aí.


CANTO LIVRE

Thiago Correia foi uma das revelações do Canto Livre e do Viola Enluarada

Ideia semelhante a essa excelente proposta do prefeito Kil, sejamos honestos, já foi colocada em prática em União, na década de 80, por Genisete Lucena, com o projeto Canto Livre, que levava, em cima de um pequeno caminhão, em frente à Casa do Poeta Jorge de Lima, artistas da capital e de outras cidades alagoanas.

O canto Livre revelou vários talentos da Terra da Liberdade; depois esse projeto foi renomeado para o “Viola Enluarada”, que aconteceu em vários locais da cidade.

Também foi criação de Genisete, quando secretária de Cultura do município, a Semana Jorge de Lima de Arte e Cultura, onde realizei minha segunda exposição fotográfica na cidade, na administração do prefeito Afânio Vergetti.

Mata ciliar de União precisa ser recuperada

Foto Olívia de Cássia (arquivo)
Olívia de Cássia - jornalista

A orla do Rio Mundaú, nas ruas da Ponte, do Jatobá e parte da Rua da Cachoeira, depois da enchente do ano passado, ficou sem quase nada. Casas e vegetações foram levadas pelas águas, que desceram aos borbotões.

Seria providencial que a Secretaria de Meio Ambiente de União dos Palmares, em conjunto com os secretários dos outros municípios banhados pelo Rio Mundaú, fizesse o replantio de plantas nativas da Mata Ciliar e outras espécies nativas da região.

Ideia que já foi proposta por Josivaldo Ramos em seu projeto Fênix Mundaú; projeto semelhante, mas de menor porte também estava sendo executado pelos alunos das professoras Madalena Soares e Madalena Monteiro, da Escola Monsenhor Clóvis, em outro projeto, em 2008.

Estive em União domingo passado e vi que foram plantados pés de ipê no local onde eram as casas da Rua da Ponte e que a pista que liga a Santana do Mundaú também foi concluída. Agora falta o muro de contenção que caiu e está sendo refeito.

É preciso dar uma melhorada por ali, está com um aspecto muito feio. A Praça Benon Maia Gomes não existe mais e onde o rio passou arrastou o que encontrou pela frente. Ainda há muito o quê fazer no local. Fico na torcida.

Vocação para o turismo


Olívia de Cássia –jornalista
(Texto e foto)

Alagoas já foi cantada e decantada em verso e prosa como uma bela região que tem vocação para o turismo. Suas belas praias e lagoas –de onde derivam o nome do Estado, encantam os olhos dos turistas que por aqui desembarcam e lá fora divulgam nossas terras.

Do artesanato à gastronomia, além da história, temos muito o que contar por aqui. No interior do Estado também tem muitas belezas históricas para mostrar e esse é um lado que ainda precisa ser explorado, além do turismo de praias.

O incentivo ao turismo, todos sabem, gera renda e divulgação dos nossos encantos e belezas naturais.

A cidade de Marechal Deodoro, terra do proclamador da República, tem o que mostrar com suas igrejas, museus e artesanato, além de promover atividades culturais durante o ano, como a Flimar (Feira de Literatura), que acontece no próximo mês de setembro.

Penedo e Piranhas se destacam pela arquitetura e por saberem tirar proveito de sua história e ainda preservam os casarios. Viçosa preserva os casarões do antigos engenhos. Jás em Capela e Boca da Mata, além das belezas naturais da região da Mata alagoana, se destacam com as esculturas de madeira, entre outras riquezas.

União dos Palmares carrega consigo a história do Quilombo dos Palmares, a maior epopeia de luta pela liberdade e por ser a terra de Jorge de Lima, o príncipe dos poetas, que se destacou no parnasianismo, além de Luiza de França e Maria Mariá.

Tantas outras cidades e recantos nossos que ainda precisam ser descobertos e valorizados pelos alagoanos, muitos que nem conhecem ainda o seu estado e saem por aí a fora em busca de novidades.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Caso Johnny Wilter: capitão é condenado a pagar serviços comunitários

Fotos Adailson Calheiros

Familiares ficaram inconformados com a decisão; Promotoria vai recorrer

Nigel Santana - Tribuna Hoje


O capitão da Polícia Militar, Eduardo Alex da Silva foi condenado a prestar 2 anos e 8 meses de serviços comunitários e pagar mais R$ 50 mil a família do estudante Johnny Wilter da Silva Pino, assassinado por ele em 2008 durante uma suposta blitz policial no bairro do Tabuleiro, próximo a Universidade Federal de Alagoas, onde Wilter cursava geografia.

O crime, no entanto, foi considerado culposo, onde não há intenção de matar, como defende o advogado Raimundo Palmeira, que ainda recusou quase todas as mulheres que estava compondo o júri.

Após horas de tensão, o julgamento conduzido pelo magistrado Maurício Brêda, não terminou como a família de Johnny Wilter aguardava. “Meu filho foi morto duas vezes. Eu não acredito mais na Justiça dos homens. Apenas na Justiça de Deus”, lamentava a mãe Maria Cícera da Silva Pino, ainda em lágrimas.

O pai da vítima, por sua vez, disse apenas que “amanhã é outro dia”. Manteve-se calado apenas ao lado da família. A promotora do caso, Marília Cerqueira irá recorrer da decisão.

Clima

Os familiares da vítima estavam todos trajando uma camisa branca com a sua foto, e pedindo justiça. Havia a esperança de que o crime fosse julgado por dolo, onde há a intenção de matar. A mãe, Maria Cícera, parecia estar confiante. Em sua opinião, “Polícia é para prender bandido e não para matar inocente”.

Do lado do capitão da PM, Eduardo Alex da Silva, muitos militares compareceram ao júri. O acusado apareceu apenas quando foi chamado pelo juiz Maurício Brêda.
Ao fim do julgamento, alguns militares tentaram cumprimentar o capitão Eduardo Alex, porém, o juiz Maurício Brêda não permitiu.

“Foi um julgamento inesperado. Desde às 7h30 que estamos no Fórum aguardando uma boa notícia. A decisão não penalizou e sim absolveu o acusado. Nenhum dinheiro ou prestação de serviços paga o que ele fez”, disse um amigo Johnny Wilter.

Sindicato lança Prêmio Abdias Nascimento

Por Olívia de Cássia - jornalista

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro (SJPRJ) e a Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira) abriram inscrições para o 1º Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento 2011, dividido em sete categorias.

Serão premiadas reportagens classificadas como: Mídia Impressa, Televisão, Rádio, Mídia Alternativa ou Comunitária, Fotografias, Internet e Categoria Especial de Gênero.

Poderão se inscrever o autor de matérias em língua portuguesa divulgadas, em primeira edição , em veículos localizados em todas as regiões do País, no período de 1º/1º/2009 a 30/4/2011.

As inscrições acontecem entre o dia 11 de maio a 19 de agosto de 2011. Só poderão participar jornalistas que possuam registro profissional com diploma do curso de jornalismo, em nível superior, cursado em instituição reconhecida pelo MEC.

Também deverão ser feitas pelo próprio autor da matéria. Cada autor poderá participar em uma ou mais categorias, cm limite de até três trabalhos inscritos por categoria, desde que não seja a mesma reportagem inscrita em outra.

Será permitida a inclusão de uma mesma reportagem em até duas categorias, desde que uma delas seja inscrita na categoria Especial de Gênero, e somente os trabalhos com este recorte.

O vencedor ou vencedora de cada categoria receberá um prêmio no valor de cinco mil reais. Para acessar o regulamento completo visite o site WWW.premioabdiasnascimento.org.br.

Na berlinda

Olívia de Cássia - jornalista

Crédito da foto: Olívia de Cássia (arquivo)

O ex-superintendente da Polícia Federal e atual superintendente da SMTT (Superintendência de Transportes e Trânsito) de Maceió, José Pinto de Luna, não está numa boa fase por esses dias. Anda recebendo muitas críticas de todos os lados, por conta da situação do trânsito de Maceió, que cada dia se complica.

Na Avenida Fernandes Lima, no Jacintinho, no Barro Duro e na Via Expressa, no horário de rush, a situação é caótica mesmo. Mas vale salientar que essa situação não é de agora. Tomara que Luna consiga fazer algo que possa estabilizar a crise.

Santana do Mundaú

A juíza Lorena Carla Santos Vasconcelos Sotto-Mayor anulou a eleição da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Santana do Mundaú realizada no dia 15 de fevereiro deste ano, que elegeu a vereadora Ana Correia presidente.

O pedido de anulação foi solicitado em ação movida pelo vereador Ju Pantaleão, também concorrente ao cargo, alegando descumprimento do regimento interno da Casa no tocante à quebra do sigilo da votação pelos vereadores ao declararem em quem estavam votando.

Na decisão, a Magistrada determina que o vereador mais velho assuma e num prazo de 30 dias proceda nova eleição. A informação está no site O Relampago de União dos Palmares.

Homicídios

Um painel do ‘Programa Ufal em Defesa da Vida’ foi colocado na reitoria da instituição indicando que este ano, até o dia 30 de junho, aconteceram 1.304 homicídios, o que representa 60% do número total de homicídios contabilizados no ano passado.

As informações são resultado de uma pesquisa feita com dados do DataSus e Forum Brasileiro de Segurança Pública.

Demissões


Dados oficiais do Ministério do Trabalho revelam que Alagoas tem quatro cidades entre as dez com maior número de demissões no Brasil. Coruripe lidera o ranking nacional, com menos 7.260 empregos formais no primeiro semestre de 2011.

Na terceira e quarta colocações, aparecem as cidades de São Miguel dos Campos e Rio Largo. Em oitavo lugar, aparece Campo Alegre.


Conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, 3.522 postos de trabalho foram fechados em São Miguel dos Campos; 3.238 foram fechados em Rio Largo; e 2.097 em Campo Alegre.

Ainda aparecem na lista das 50 cidades com maior número de demissões Penedo, com 1.764 demissões; Teotônio Vilela, com 1.322 demissões; Atalaia, com 1.268 demissões; e União dos Palmares, com 487 demissões.

O que fazer?


Olívia de Cássia – jornalista

A esperança é um sentimento que alimenta a nossa alma. Dizem que temos que encontrar criatividade para continuar alimentando-a. O mundo continua lá fora, mesmo que seja madrugada e a maioria esteja adormecida.

Já é tarde quando escrevo este texto. Estou sufocada de asma alérgica, secreções no peito e insônia. Não consigo adormecer em paz, sem ansiedade e a respiração difícil. Entre um espirro desesperado e outro levanto e faço um chá quente, na esperança de um alívio imediato.

As preocupações aumentam. Não deu em nada o meu exame, ou pelo menos penso que não adiantou o resultado, para a finalidade que eu estava aguardando. Terei que começar do zero nas pesquisas para o problema médico familiar.

Em contato com colegas do grupo Ataxianet, fui informada que esse exame de ressonância magnética que eu fiz nem sempre acusa o problema e às vezes o mascara. Muitas vezes e cotidianamente, quem tem o problema sabe mais das inconveniências da ataxia do que alguns médicos.

Diante desse exame, procuro respostas para minhas quedas, meus tombos, meus engasgos de vez em quando, meu cansaço, fraqueza nas pernas e meu jeito atabalhoado diante das coisas práticas da vida, entre outros problemas mais.

Além de tudo, o laudo do exame diz que “os achados de imagem devem ser correlacionados com história clínica, cirúrgica e terapêutica para valorização”.

Nunca fiz nenhuma cirurgia, muito menos na minha cabeça, nunca vi um exame médico usar a expressão “deve ser”, sem exatidão nenhuma.

Não sou médica, mas qualquer leigo alfabetizado que entende um mínimo de português sabe disso. A linguagem utilizada no laudo é uma linguagem técnica que não é para leigos como eu, mas eu não entendi esse enunciado.

Em 2006 eu tive uma crise forte, meu corpo se recusava a atender os comandos do meu cérebro e só conseguia levantar no horário da tarde. Procurei um psiquiatra que tem formação em neurologia e ele me prescreveu um eletroencefalograma, cujo diagnóstico o médico deduziu que eu teria epilepsia e esclerose múltipla.

Esse laudo foi contestado por um dos melhores neurologistas do Estado. À época desse resultado primeiro minha reação foi convidar amigos para ir num restaurante ‘comemorar’ a notícia. Comemos e bebemos até tarde da noite.

O outro neuro, o mais gabaritado do Estado, fazendo os exames clínicos preliminares e conhecendo já a história da minha família, descartou os dois diagnósticos e me disse que havia a possibilidade de ser mesmo ataxia, o problema hereditário da minha família.

Uma informação que eu já conhecia por conta da convivência com os sintomas do meu pai, do meu irmão e de muitos familiares.

Amigos médicos e familiares meus me aconselharam a procurar um médico para que eu pudesse, por meio de indicação, comprovar o problema, procurar a Previdência Social e dar entrada no benefício, já que estou andando sem equilíbrio, tombando muito e de vez em quando levando quedas.

Mas com um diagnóstico desses que eu tive no exame, até eu, que sou leiga, sei que vai ser negado pela Previdência. Agora mais do que nunca sei que essa luta está só começando. Não vai ser fácil.

Sinto-me cansada, mas não posso parar. Além de tudo preciso continuar trabalhando, já que não tenho como me manter sem isso e conseguir mais outra atividade que melhore a minha renda, enquanto puder me locomover. Não vai ser fácil, eu sei .

Uma prima que mora fora do Estado e que é evangélica, por meio do Orkut, me perguntou se eu já não pensei na possibilidade de ter sido curada do problema, porque Deus é maior. E disse que eu tivesse fé.

Respondi para a doce Dulcinha que fé eu tenho, mas cá comigo, por que eu, entre quase uma centena de pessoas da minha família e outras tantas ia ser uma privilegiada por Deus para ter sido alvo da cura?

Eu tenho fé e creio no poder de Deus, mas talvez esta fé que já não é tão intensa, não seja suficiente para que eu seja contemplada com isso. Como diz meu irmão Petrônio, “cada um tem uma cruz para carregar na vida e essa talvez também seja a minha, apesar da inconformação que às vezes me dá.

Tenho muitos planos ainda, na profissão, na vida doméstica, na vida prática e no lazer. Não consigo, às vezes, me desapegar disso tudo para pensar que um dia poderei ficar inerte ou impossibilitada de fazer tanta coisa, vendo a vida passar, até que Deus tenha piedade de mim.

Não vou me dar por vencida, sou persistente, embora muitas vezes pareça pessimista . A realidade às vezes fala mais alto, mas eu vou encontrar o caminho. Eu acredito.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Rádio Zumbi FM estreia novo programa nesta quinta



Foto: João Paulo Farias
Fonte: Blog A Terra da Liberdade

A Rádio Zumbi FM (87.9 MHz, de União dos Palmares, apresenta nesta quinta-feira (21) mais uma novidade na programação. A partir das 12h, os ouvintes poderão conferir o "Mesa Z Educação".

O programa terá como âncora o Professor Reinaldo Sousa, Diretor do Campus V, da Universidade Estadual de Alagoas (Uneal) e contrará com a presença de Fernando Antônio, estudante de Geografia e membro do Núcleo de Estudos Miltonianos; José Minervino, estudante de Letras e Graduado em História; Sérgio Rogério, graduado em Letras; Professor Claudionor Oliveira; e Professor Petrúcio. Para quem estiver na cidade e na região é uma boa.Não perca!

Os sem-cidadania

Foto de Genisete Lucena
Olívia de Cássia – jornalista

Apesar de o Governo Federal ter liberado verba suficiente para o socorro às vítimas das enchentes de junho do ano passado, o drama daquelas pessoas, abandonadas à própria sorte, só aumenta a cada dia.

Com as obras da construção das casas quase paradas, muito mais agora, por conta do período chuvoso, é de cortar o coração o modo como estão vivendo aquelas pessoas, em quase todas as cidades atingidas pelas águas dos rios Mundaú e Paraíba.

A imprensa tem denunciado a falta de estrutura das barracas, o alagamento dos terrenos onde foram armadas e a sujeira desses locais, sem contar com os casos de prostituição, violência e drogas.

Em algumas cidades banhadas pelo Rio Paraíba, os prefeitos adotaram o aluguel social, mais indicado nesses casos.

Na terça-feira, o O Jornal mostrou em reportagem a situação dos desabrigados de Rio Largo, onde até fezes saem das pias. Em outra oportunidade já foram mostradas as condições em que estão vivendo os desabrigados as cidades de Branquinha, Murici, União e Santana do Mundaú.

Em União, as obras também estão em atraso. Até agora nenhuma casa foi entregue na cidade. Em Santana do Mundaú, caso mais grave, nada foi feito, pois o terreno escolhido, segundo as lideranças locais, não é apropriado porque é muito alto, em cima de um morro, que corre o risco de despencar com as casas que forem construídas..

No primeiro semestre, A Assembleia Legislativa (ALE) criou uma comissão para acompanhar os trabalhos de reconstrução que tem como presidente o deputado João Henrique Caldas (JHC).

Para discutir a questão Já foi feita uma audiência pública, no plenário da Casa de Tavares Bastos, com a presença de vários prefeitos das cidades atingidas.

O deputado JHC também concedeu várias entrevistas na Rádio Zumbi, em União, criticando a morosidade das obras e a situação das barracas, fazendo a sua avaliação sobre a situação dos desabrigados. Segundo ele, não é das melhores.

Há muita insegurança para as famílias que estão alojadas naqueles locais. É preciso que o poder público convoque ONGs, sociedade civil organizada (sindicatos, OAB e outros), para que encontrem soluções emergenciais que diminuam o sofrimento das pessoas que estão sobrevivendo nesses locais, sem dignidade e sem cidadania.

Ano que vem tem eleições municipais. Será que vão deixar para intervir na questão quando estiver mais perto do pleito? Fica a reflexão.

terça-feira, 19 de julho de 2011

Curso para jornalistas vai preparar profissionais para a cobertura de gênero, raça e etnia

Inscrições são gratuitas e começam no dia 20/7. Curso vai acontecer em oito cidades: Belém, Fortaleza, Maceió, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo

Fonte: Sindjornal

De 20 de julho a 3 de agosto, profissionais e estudantes de Jornalismo podem se inscrever no Curso de Gênero, Raça e Etnia para Jornalistas, promovido pela Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas e a ONU Mulheres – Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres, com apoio da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – SEPPIR e da Secretaria de Políticas para as Mulheres - SPM.

O curso é gratuito, tem certificação da FENAJ e da ONU Mulheres e vai acontecer em oito cidades: Belém (PA), Fortaleza (CE), Maceió (AL), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).

Segundo a coordenação do curso, profissionais e estudantes de regiões metropolitanas, do interior e de regiões próximas aos oito estados podem fazer a inscrição diretamente no sindicato local de jornalistas ou solicitar informação por e-mail.

Cada localidade terá o total de 50 vagas a serem preenchidas por jornalistas, repórteres, produtores, pauteiros, redatores, editores, fotógrafos, repórteres cinematográficos de veículos impresso, on-line e eletrônicos e estudantes de Jornalismo a partir do 6º período.

O Curso de Gênero, Raça e Etnia para Jornalistas será realizado no período de 8 de agosto a 1º de setembro de 2011, tendo carga horária de 8 horas/aula, das 18h às 22h.

O programa está baseado em dois módulos e duas atividades pedagógicas: Gênero, Raça e Etnia em Sociedade; Jornalismo, Ética e Diversidade; Leitura Crítica da Mídia; e Experiências e Trajetórias Locais: Identificando Novas Fontes.

O curso tem como objetivo preparar jornalistas, profissionais da imprensa e estudantes de Jornalismo para a cobertura de pautas relacionadas a gênero, raça e etnia.

A iniciativa faz parte da cooperação estabelecida entre a FENAJ e a ONU Mulheres, celebrada no 34º Congresso Nacional dos Jornalistas, para o pleno cumprimento dos princípios dos direitos humanos e marcos internacionais referentes ao gênero, raça e etnia no Brasil e no mundo à luz da liberdade de imprensa.

Conta com o apoio da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e da Secretaria de Políticas para as Mulheres.

O curso é desenvolvido com assessoria técnica e financeira do Programa Regional de Incorporação das Dimensões de Gênero, Raça e Etnia nos Programas de Combate à Pobreza da Bolívia, Brasil, Guatemala e Paraguai e do Programa Interagencial de Gênero, Raça e Etnia do Sistema ONU no Brasil, financiado pelo Fundo para o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

O curso ocorre no âmbito das atividades do Ano Internacional das e dos Afrodescendentes, estabelecido pelas Nações Unidas, e da Campanha do Secretário-Geral da ONU “Brasil: Una-se pelo fim da violência contra as mulheres”.

- Curso de Gênero, Raça e Etnia para Jornalistas
- Inscrições: 20/7 a 3/8/2011.
- Investimento: gratuito, com certificado de 8h/aula emitido pela FENAJ e ONU Mulheres.
- Período do curso: 8/8 a 1/9/2011.
- Locais: Belém (PA), Fortaleza (CE), Maceió (AL), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).


Informações:
generoracaetniaparajornalistas.wordpress.com| grejornalistas@gmail.com
Participe das redes sociais do Curso de Gênero, Raça e Etnia para Jornalistas: twitter.com/grejornalistas e facebook.com/grejornalistas

Deputado Rui Palmeira diz que faz oposição equilibrada

Foto de Olívia de Cássia
Olívia de Cássia – Repórter

O deputado Rui Palmeira (PSDB), vice-líder da oposição na Câmara Federal, disse hoje pela manhã, ao jornalista Jeferson Morais, no programa Fique Alerta, da TV Pajuçara, que procura fazer uma oposição equilibrada, sem gritarias, no Congresso Nacional.

Em seis meses do governo Dilma Roussef, ele criticou as obras do PAC e disse que estão atrasadas em todo o Estado, a exemplo da BR-101. Outra crítica feita por Palmeira foi com relação aos serviços prestados pela Eletrobras em Alagoas.

Ele disse o fornecimento de energia é ruim, “muito precário”. Em entrevista o ministro de Minas e Energias, Edison Lobão, defendeu a privatização da empresa. Rui observou que é preciso fiscalizar e cobrar as ações em Alagoas.

O vice-líder da oposição da bancada alagoana disse também que protocolou um projeto de lei propondo a fiscalização do Programa Bolsa Família em todos os municípios e defende que cada cidade divulgue em locais públicos os nomes dos beneficiados pelo programa, para que a comunidade possa fiscalizar. “Isso é fundamental nessa ação”, observou.

Rui Palmeira comentou sobre sua atuação no Congresso Nacional e disse que apesar de ter sorteio para falar duas vezes por semestre na Câmara, o ambiente é melhor do que o da Assembleia Legislativa. “Apesar de muitos deputados lá, é bem melhor do que na Assembleia, onde eu me sentia constrangido”, disse ele.

Governo do Estado lança Conferência da Juventude na quinta-feira

Divulgação/Internet
Objetivo é discutir políticas públicas para o segmento

A 2ª Conferência da Juventude de Alagoas será lançada nesta quinta-feira (21), às 17h30, no Palácio República dos Palmares, com a presença do governador em exercício, José Thomaz Nonô.

O evento é uma preparação para a conferência nacional de políticas públicas de juventude, organizada pelo governo federal, marcada para dezembro deste ano, em Brasília, e tem como tema “Conquistar direitos, desenvolver o Brasil!”.

A conferência estadual está sendo organizada pelas Secretarias de Estado da Articulação Social (Seas) e da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos e ocorrerá nos dias 23 e 24 de setembro de 2011.

Em Alagoas, a juventude começa a se organizar para discutir o texto base, formulado há três anos durante a primeira conferência, que deu origem ao Plano Nacional e ao Estatuto da Juventude, em tramitação no Congresso Nacional.

“Com base no texto já existente, os jovens alagoanos farão uma reeleitura visando readequá-lo às mudanças vivenciadas hoje”, afirma o superintendente de Articulação da Juventude da Seas, Jamison Rodrigues, ao informar que no decorrer do ano os jovens estão participando de discussões sobre suas necessidades e sobre o presente e futuro do País.

Para isso, ficaram definidas etapas a serem realizadas por todos os Estados, até chegar na etapa nacional. “Por isso, a importância da mobilização da juventude para a participação nas conferências”, observa a superintendente de Políticas para a Juventude da Secretaria da Mulher, Ana Maria.

São três temas centrais a nortearem a conferência: juventude – democracia, participação e desenvolvimento nacional; plano nacional de juventude: prioridades 2011-2015; e articulação e integração das políticas públicas de juventude.

Inseridos nesses temas, estão os eixos a serem trabalhados visando atingir os objetivos que devem organizar as políticas de emancipação e do desenvolvimento integral dos jovens, passando pela afirmação de novos direitos específicos, segundo define o texto da conferência nacional.

“Direito ao desenvolvimento integral, tais como educação, trabalho, cultura, comunicação”; direito ao território – cidade, campo, transporte, meio ambiente e comunidades tradicionais; direito à experimentação e qualidade de vida – saúde, esporte, lazer e tempo livre; direito à diversidade e à vida segura – segurança, valorização e respeito à diversidade e direitos humanos e direitos à participação.

Confira o calendário


Conferências livres:
De 1º de junho a 30 de setembro;
Conferências municipais, regionais e territoriais:
De 1º de junho a 31 de agosto;
Conferências estaduais e do Distrito Federal:
De 1º de setembro a 31 de outubro;
Consulta aos povos tradicionais:
Até 31 de agosto
Etapa nacional:
De 9 a 12 de dezembro de 2011.

Fonte: Assessoria

Revitalização da praça

Fotos http://albaalvesdelima-alagoas.flogbrasil.terra.com.br

Olívia de Cássia – jornalista

A Superintendência Municipal de Convívio Urbano (SMCCU) determinou a retirada dos barracos dos sem-terra erguidos na Praça Sinimbu. A informação é do superintendente Galvacy de Assis, em entrevista à repórter Cláudia Lins, da TV Gazeta, exibida hoje ao meio dia.

Ele argumentou que a Prefeitura de Maceió vai revitalizar a Praça Sinimbu, que atualmente está uma verdadeira bagunça, com barracos armados de sem-terra, feira de automóveis usados, usuários de drogas e toda a sorte de maus-tratos.

É naquela praça onde também está funcionando o artesanato Guerreiros, cujos artesãos foram retirados da orla da Praia da Avenida, vizinho ao Memorial da República, por conta de uma ação judicial, sob a argumentação de que aquela é uma área de marinha.

Os trabalhadores reclamam do local que, que não tem muito movimento para compra de seu material. A praça é inapropriada para esse comércio, devido à presença constante de pessoas desocupadas que vão ao local praticar pequenos roubos.

A Praça Sinimbu, bem como outras da cidade já foi considerada referência no Centro da capital alagoana. É lá que moraram o poeta Jorge de Lima, quando se mudou de União dos Palmares, dr. Antônio Gomes de Barros, pai do ex-governador Manoel Gomes de Barros, entre outras personalidades do Estado.

A Casa do Poeta foi revitalizada, inaugurada, mas pouco se divulga as atividades do local. Ali também funcionam a sede do Incra (Instituto Nacional de Reforma Agrária), o Espaço Cultural da Reitoria, uma Vara Judicial e o TER (Tribunal Regional Eleitoral).

Comerciantes da redondeza já fecharam as portas devido ao descaso com o local, a exemplo da tradicional Pizzaria Sorriso, que servia de ponto de encontro em Maceió na década de 80 e começo dos anos 90, bem com uma farmácia fechou as portas.

Atualmente está servindo de moradia para os movimentos sociais que lutam pela reforma agrária, tem muita fedentina e aspecto sujo. Os movimentos são justos, mas que a praça precisa ser retomada pelo poder público para que seja feita uma boa reforma, isso é fato.


Na Praça da Faculdade outro problema

Outra praça importante da capital alagoana que está entregue à própria sorte é a Praça Afrânio Jorge, conhecida pelos alagoanos como Praça da Faculdade. Ali foram instaladas algumas barracas de venda de lanches e bebidas, mas o descaso toma conta do local.

Moradores e comerciantes reclamam da falta de manutenção da Praça da Faculdade, lugar da festa de Natal e Ano-Novo, onde muita gente se encontrava. Era naquele local onde o professor Pedro Teixeira fazia apresentação de folclore alagoano, isso durante muitos e muitos anos.

Hoje, um dono de um circo que tinha conseguido autorização da Prefeitura para se instalar no local, foi obrigado a desarmar a lona, sob protesto. Ele disse no Programa Fique Alerta da TV Pajuçara, que tinha conseguido alvará, pago todas as taxas à prefeitura, mas mesmo assim recebeu uma terminação de Galvacy de Assis alegando que existe uma lei no município que proíbe que circo sejam armados nas praças.

Eu pergunto: e por que permitiram? E o prejuízo do dono do estabelecimento. O fato é que há uma desorganização total em nossa cidade e é necessário que haja um entendimento dos gestores para que as pessoas não passem por constrangimentos desse tipo.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

CPI vai investigar violência contra as mulheres

Foto Olívia de Cássia

Deputada Janete Pietá (PT-SP) coordena a bancada feminina


(Fonte: Agência Senado)


Um requerimento para a formação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) ou CPI mista), destinada a investigar a violência contra a mulher e apurar denúncias de omissão do Estado na punição desse crime, foi lido na sessão do Congresso Nacional, na quarta-feira (13).

A previsão de gasto para os trabalhos dessa comissão, que tem mais de 300 assinaturas de parlamentares, é de R$ 200 mil.

Invocando a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher, adotada pela Organização dos Estados Americanos (OEA) em 1994, a senadora Ana Rita (PT-ES), uma das autoras do requerimento, define esse crime como qualquer ato ou conduta baseada no gênero que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto no âmbito público quanto no privado.

O requerimento da CPI mista afirma que, em 1993, a Conferência das Nações Unidas sobre Direitos Humanos reconheceu formalmente a violência contra a mulher como violação aos direitos humanos.

E sustenta que, desde então, os governos dos países-membros da Organização das Nações Unidas (ONU) têm trabalhado para eliminar esse tipo de violência, já reconhecido também como problema de saúde pública.

A senadora Ana Rita aponta dados do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento, segundo os quais, de cada cinco faltas ao trabalho no mundo, uma é causada pela violência sofrida pelas mulheres dentro de suas casas.

“Não bastarão leis para proteger as mulheres se suas vozes não forem ouvidas e se houver reiterada omissão do Estado. Entendemos que existem fatores a serem investigados sobre as falhas em proteger as mulheres da violência e que uma CPMI é o
instrumento ideal para proceder a esta investigação”, argumentou ainda a senadora.

Presente à sessão, a vice-presidente da Câmara, deputada Rose de Freitas, parabenizou a bancada feminina, que é coordenada pela deputada Janete Pietá (PT-SP), por ter atuado incansavelmente para a aprovação da CPMI.

Agradável aventura

Olívia de Cássia - jornalista

No domingo, 17, voltei à Serra da Barriga, oito meses depois da última vez que estive lá, quando compareci às festividades do 20 de novembro, Dia da Consciência Negra.

Na visita deste domingo, acompanhei lideranças do Partido dos Trabalhadores que foram com a deputada federal Janete Pietá, do PT de São Paulo e seu marido, o ex-prefeito de Guarulhos e atual secretário-geral do partido, Eloy Pietá.

O tempo ontem não ajudou muito para o acesso ao local. Chegamos à sede do antigo Quilombo dos Palmares pouco mais de meio dia, com um clima frio, nublado e chuvoso. Essa foi a primeira vez que visitei a Serra da Barriga no período do inverno.

A estrada de acesso ao topo do morro alto está péssima, a partir da Fazenda Jurema. Só é possível chegar por lá em carro potente, alto e de tração. Em alguns trechos da estrada a água quase cobre o pneu de uma Hilux que ia à nossa frente.

É preciso que seja feita alguma ação, no sentido de melhorar aquela estrada que dá acesso a um dos principais referenciais históricos do País e do mundo. O reparo não pode ser feito somente nas proximidades do dia 20, quando se festeja Zumbi, no Dia da Consciência Negra.

A deputada Janete e o marido Eloy ficaram emocionados ao chegarem ao local. Em um trecho do percurso, já próximo ao platô da Serra, eles desceram da boleia e subiram na traseira da camioneta, cantando a música imortalizada por Clara Nunes, que fala da epopéia do Quilombo dos Palmares. Todos nós acompanhamos juntos, felizes, como se fôssemos crianças.

Lá em cima, nossos visitantes ilustres, acompanhados de lideranças do PT, percorreram cada canto do memorial, subiram no observatório e fizeram vários registros fotográficos, apesar do tempo nublado.

Descemos cuidadosamente até a lagoa onde fica a árvore sagrada, a gameleira, onde fizeram seus pedidos e orações. Há várias lendas em torno da lagoa e da árvore, uma gameleira, que está ali desde a época do antigo quilombo e que agora está com o tronco oco e ressecado.

Na volta, todos se abasteceram na Casa do Louro, um pequeno restaurante rústico que funciona na casa do próprio morador. A deputada Janete, que é vegetariana, se deliciou com tapiocas feitas na hora, abóbora cozida e frutas.

Ela falou a respeito da emoção que sentiu ao chegar ao local. Disse que foi um sonho que realizou. “O coração ficou apertado”, observou, entre a degustação de tapiocas e frutas que os donos da casa prepararam.

A deputada disse ainda que esperava mais conservação do local e que em Brasília vai lutar por melhorias na Serra da Barriga. Estar na na minha terra dá uma sensação de paz e tranquilidade e fazer esse passeio para mim é sempre gratificante e salutar, uma saborosa aventura!

Quilombolas fazem seus autorretratos

Jovens fotografaram o cotidiano da comunidade que vive resistindo às mudanças do tempo

por Waldson Costa - texto e foto

O céu não abriu e a chuva não cessou. Mesmo assim, embaixo das sombrinhas e sob a cobertura do galpão que serve de ateliê para os artesãos da comunidade Muquém, em União dos Palmares, os jovens fotografaram um pouco povoado onde vivem na oficina de fotografia digital, realizada pela equipe do projeto, no dia 16 de julho.

Na oportunidade, os adolescentes registraram atentos os trabalhos de dona Irinéia e seu Antônio, casal de artistas referência do local, que modelam no barro a vida e os costumes da comunidade. Além deles, outros elementos importantes que fazem parte do dia a dia do lugar também entraram no foco: as pequenas roças, a criação de animais, a produção do artesanato, os afazeres domésticos.

Vítimas da cheia que atingiu Alagoas e Pernambuco em junho do ano passado, a comunidade possui uma forte relação com o rio, que banha todo o povoado. Devido à intensidade das águas, o Muquém perdeu casas e teve todas as construções condenadas pela Defesa Civil. Apesar disso, muitos moradores permanecem no local, lutando contra as alterações do tempo.

A chuva arrastou tudo, mas encontrou resistência no caminho. Uma jaqueira, que embora não seja imponente no tamanho, foi forte em suas raízes, e conseguiu salvar a vida de 52 pessoas. Agarrados em seus troncos, os quilombolas atravessaram a madrugada rezando e pedindo a Deus que as águas não levassem ninguém. Como mais um símbolo de resistência da comunidade, a árvore ganhou fitas coloridas como forma de agradecimento e o respeito dos moradores.

O resultado da oficina poderá ser conferido a partir do dia 24 de julho, quando a exposição com as melhores imagens dos participantes será exposta na comunidade. O projeto Autorretrato é patrocinado pelo programa BNB de Cultura, do Banco do Nordeste, em parceria com o BNDES e o Governo Federal. Todas as etapas das oficinas, exposições e municípios visitados nessa edição podem ser conferidos no blog www.retratonordeste.blogspot.com.

Fonte: Alagoas 24 Horas

MDA distribui 830 mil mudas de frutas cítricas

A delegacia do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) em Alagoas distribuiu 830 mil mudas de frutas cítricas: limão, laranja e maracujá, na semana passada, por meio da Secretaria de Agricultura – Seagri, para o projeto de recuperação das cidades atingidas pelas enchentes.

A delegada Sandra Lira disse que também foram distribuídos 50 mil quilos de sementes de feijão e milho, com um termo de cooperação com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), que vai treinar técnicos da área para a melhor agilização dos trabalhos da delegacia do MDA no Estado.