quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

O que esperar do Ano-Novo?


Por Olívia de Cássia

A dois dias para terminar o ano de 2016 dá um frio na barriga em pensar o que nos aguarda para 2017. É tanta safadeza, tanta desmoralização das instituições concebidas para proteger o cidadão e dos nossos representantes, que a gente se pergunta se ainda sobrará alguém para nos defender, quando precisarmos.

Acabei de chegar de um salão de beleza, onde fui retocar o tingimento do meu cabelo vermelho e ouvi uns diálogos de uma cliente e o dono do salão. A revolta da população é geral, apesar da confusão de ideias que fazem do que se passa no país.

Confusão proporcionada pelos meios de comunicação parciais e apoiadores do golpe, que, guardadas as devidas proporções, criminalizaram a política levando todos à mesma vala comum. Todos bem familiarizados com o que diz a grande mídia golpista e sem escrúpulo.

A mesma mídia que faz um tsunami quando se trata de acusações contra petistas e acusações sem comprovações ao ex-presidente Lula e marolinhas quando se trata de parlamentares do PSDB.

Nem um pio contra um tal senador perdedor nas eleições de 2014, que desde o dia seguinte às eleições prometeu que iria infernizar a vida da presidente Dilma e conseguiu fomentar toda essa crise institucional. Mas a mídia calou diante do depoimento que Aécio Neves foi dar esta semana à Polícia Federal. É vergonhoso esse comportamento parcial da imprensa brasileira.

O que esperar do Brasil em 2017 diante da total destruição que está sendo feita no país por um vice golpista que se apoderou sem voto do Palácio do Planalto e está tomando as piores medidas para o povo brasileiro, com seu pacote de maldades?

Li em um site hoje de madrugada que o urubu vai cortar muitas aposentadorias e benefícios de quem está nessa situação. Minhas preocupações aumentaram, já que estou em benefício desde abril e terei nova perícia em 12 de janeiro.

Diante do meu problema genético e progressivo não tenho condições de voltar ao batente e se cortarem o benefício, como vou sobreviver? Não fiz planos para o Ano-Novo e nem vou fazer. Estou preocupada com a situação de todos nós, brasileiros, simples mortais, porque os aquinhoados não estão nem aí para nada.

Aumentaram seus salários na calada da noite, aprovaram uma série de medidas antipopulares, querem privatizar tudo com a proposta do Estado mínimo, estão destruindo ainda mais a educação e a saúde com esse congelamento de recursos por 20 anos e estabeleceram a censura dos meios de comunicação, sutilmente.

O que diziam ser irregular no governo da presidente Dilma, com o propósito de tirá-la da Presidência, passou a ser encarado como legal, depois do escarcéu que fizeram para dar o golpe. E aqueles que alardeavam as tais pedaladas fiscais para gritarem Fora Dilma, agora estão caladinhos, ‘pianinho’, como diz um amigo meu.

Segundo matéria do portal Brasil 247, para tentar agradar a base aliada, a dois dias do fim do ano, Michel Temer vai anunciar a liberação de emendas parlamentares. “Interlocutores de Temer afirmam que o total a ser anunciado nesta quinta-feira, 29, será de R$ 7,29 bilhões.

Deste total, R$ 6,45 bilhões correspondem a emendas impositivas e restos a pagar desde 2007 e outros R$ 840 milhões àquelas de bancada; os valores foram fechados nesta quarta-feira, 28, mas podem sofrer alterações; as emendas são consideradas fundamentais na relação do Palácio do Planalto com o Congresso e, historicamente, o governo usa esse pagamento para facilitar a aprovação de projetos de seu interesse”.

Em resumo: é a famosa propina que será concedida a cada meliante que aprovar o projeto do vampiro. O que esperar de 2017? Pense nisso.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Considerações sobre o Natal

Por Olívia de Cássia

E no próximo sábado, novamente é Natal. O tempo passa tão depressa e como diz o poeta, quando percebemos não cumprimos as promessas do ano anterior. Eu já não faço lista de metas tem muito tempo e o que vier de positivo para mim será lucro.

Não farei planos e não prometerei nada a ninguém, nem a mim mesma. O que der para fazer e eu tiver condições, será feito. Só quero me organizar mais e ocupar o meu tempo, para não cair na ociosidade e mesmice. Peço a Deus só um pouco mais de tolerância.

Apesar de saber que estarei ficando mais velha logo nos primeiros dias do ano e que não sei o que me espera com relação às minhas limitações, torço para que acabe logo este ano. Que não haja mais nenhuma tragédia e que Deus tenha condescendência com nosso Brasil. Só ele poderá nos salvar.

Este ano não vai deixar nem um pingo de saudade para a maioria da população. Um ano difícil para a nossa Nação. O país está vivendo uma crise sem tamanho e tenho dito e repetido, ‘primeiramente e segundamente: Fora Temer golpista’, sempre que tenho oportunidade.

Infelizmente estamos vivendo um momento em que as instituições brasileiras perderam toda a credibilidade, há corrupção por toda a parte e roubalheira são parte da nossa realidade. A violência urbana se acentua, jovens pobres e negros de 14 aos 23 anos morrendo por causa do vício do crack.

Mas voltando ao nosso assunto em tela, em Maceió, o clima natalino está nas ruas da parte nobre da cidade, com turistas de tudo quando é lugar. Os maceioenses já se anteciparam às compras e os shoppings estão lotados desde o começo do mês.

As pessoas correm para as compras com vistas à festa que comemora o nascimento do Menino Jesus. Ainda na parte nobre da cidade, ruas, prédios residenciais e hotéis estão iluminados lindamente, com árvores de Natal e outras simbologias do mundo de lá, mas nada lembra a nossa região, nem o principal aniversariante.

O padre João César, da capela D. Bosco, no bairro do Prado, tem feito muitas críticas em suas pregações a respeito disso. A decoração natalina não tem nada a ver com nossa região e nem tem a lapinha.

Já o padre Alex Sandro Silva, em entrevista que me deu ano passado, lembrou que o Papai Noel é um símbolo capitalista e uma figura desvirtuada do Natal e que a Igreja alerta os católicos para essa confusão. Substituíram o menino Jesus pelo Papai Noel.

A igreja também lembra aos cristãos que “Cristo é a nossa esperança; esperança na renovação de todas as coisas, na libertação das nossas misérias, pecados, fraquezas”, mas tudo isso é esquecido por muita gente quando sai da igreja.

Nessa época do ano – atitude que deveria acontecer durante todo o tempo -, o mundo cristão prega a humildade, a caridade, a fraternidade e a paz, mas isso está muito longe dessa realidade.

Há pouca fraternidade, a intolerância e o preconceito tem se revelado como verdadeiramente é e a paz tão sonhada muito longe de acontecer. Alguns países pelo mundo a fora em guerra brigando por questões religiosas e inocentes morrendo, sem piedade.

Que neste Natal saibamos ser melhor, que a paz e o verdadeiro espírito natalino esteja presente em cada coração. Que haja justiça, tolerância e amor fraternal. Boa noite e Feliz Natal. Que o Ano-Novo nos traga esperança.

domingo, 18 de dezembro de 2016

Venho de andanças

Olívia de Cássia Cerqueira

Venho de andanças.
Algumas valeram a pena,
Como lições de vida.
Sou sobrevivente
Da minha agonia.
Não posso reclamar da vida.
Não posso reclamar da sorte.
Venho de andanças...

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

A insônia me pegou

Por Olívia de Cássia

Da mesma forma que agora deito-me logo cedo, a insônia me pegou. Inquieto-me. Os pensamentos voam longe. Vou para a cama na esperança que o sono chegue, mas tudo em vão.

Juca, meu filhote caçula de quatro patas requer atenção da ‘mamãe’. Desligo a TV à hora de novelas chatas, que não me dizem nada e só ligo num programa musical. Única coisa na semana que vale a pena assistir, para quem não tem TV a cabo.

O noticiário não vale mais a pena ver. Não traz notícias novas e nem interessantes e só repete a cantilena enfadonha de corrução na política brasileira. Não dá para confiar na tendenciosidade do que se relata na mídia. Estamos pobres de jornalismo.

Ouço Nirvana na voz de uma das concorrentes e me arrepio. Não há nada melhor do que uma boa música, interpretada por uma voz bonita. O que não dá para engolir são os comentários de certa técnica do programa, mas continuo assistindo.

Juca dorme aos meus pés na cama e Malu no chão; parece molinha com a idade. Os gatos ficam sempre por perto, de vigília, na escada, perto do quarto. Sinto-me confortada pelo amor que me dedicam. Sigo minha história pensando inquietamente e ansiosa. Já tomei um remedinho, mas não fez efeito ainda.

Preciso relaxar, pois amanhã tenho confraternização importante para ir, rever colegas de trabalho, agradecer e abraçar a todos pela lembrança de me convidarem apesar do meu afastamento e pelo carinho.

No Natal, depois de mais de 30 anos, não passarei aqui em Maceió: irei virar a noite em União, com meu irmão e sua família. Será um encontro carinhoso e afetivo, mas no ano novo estarei aqui, vendo os fogos na praia.

Maceió é o lugar que escolhi para viver, apesar de amar minha terra natal. A cidade está cheia de turistas e a parte privilegiada da orla está toda iluminada lindamente. A cidade do sol o ano inteiro está fazendo a alegria dos hoteleiros que estão com seus estabelecimentos lotados, com alta taxa de ocupação.

Juca e Malu despertam e os gatos estão atentos para qualquer movimento estranho na rua. Não consigo gostar de alguns gêneros musicais de agora, que a nova safra de músicos apresenta. As músicas não têm conteúdo e falam de futilidades; avalio que refletem muito a conjuntura social da atual sociedade brasileira e tudo isso que estamos vivendo.

Estou fazendo esta incursão e digressão pessoal de pensamentos, para não voltar no momento ao tema árido da política brasileira, cada dia mais pobre de debates construtivos e de credibilidade. Boa noite; vou tentar dormir.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

É o fim de tudo?

Por Olívia de Cássia

A vida tem sido generosa comigo, em comparação a outras pessoas que têm situações complicadas na vida, com problemas diversos e de difícil solução. Apesar do diagnóstico no começo do ano da Doença de Machado Joseph, venho perseverando para que meus dias sejam leves e de esperança.

Tenho procurado não pensar nas limitações que já se apresentam e naquelas que o problema pode me trazer. Preciso continuar acreditando que comigo poderá ser diferente do que aconteceu e acontece a muitos dos meus familiares e antepassados.

Apesar de tudo, procuro ser otimista, pois não custa nada. Mas no que diz respeito à atual conjuntura política do País, está difícil ser otimista diante de tanta injustiça, retrocesso, golpes; e da atual conjuntura imoral.

Este ano de 2016 - ainda bem está terminando-, trouxe muitas tragédias, mortes de pessoas queridas, outras pessoas importantes para a história, que lutam por um mundo melhor e mais justo, e isso tem me entristecido e desejado que o ano termine logo.

Diante de tudo, não vejo perspectivas alvissareiras no que diz respeito a nossa política e a nossos representantes e governantes. Estou desacreditada, cética e sem ânimo algum.

Eu já postei em uma rede social, que gostaria de ter saúde e força nas pernas para estar na rua protestando da mesma forma que fazia antigamente. Não consigo deixar de me indignar com tanta indecência, imoralidade, roubalheira, desonestidade e falta de caráter, daqueles que o povo escolheu para ser seus representantes.

Nos meus anos calejados de profissão, aprendi que em política não existem santos nem pureza de sentimentos: existem projetos e muita ânsia de realizá-los, muitas das vezes a qualquer preço.

Alguns seguem o caminho da retidão, São poucos, mas ainda existe. No entanto, a maioria envergonha quem tem ética e vergonha na cara. A direita brasileira, capitaneada pela grande mídia e seus coronéis, tiraram uma presidente eleita democraticamente pela maioria da população, para deixar no lugar um vice sem caráter, golpista e desonesto.

Dilma não aceitou o jogo deles e por isso foi posta pra fora da Presidência. Garanto que muitos enganados que foram às ruas com a camisa da CBF gritando contra a corrupção e pedindo a saída dela, hoje estão arrependidos e envergonhados.

O jogo na política é muito sujo e quem não tem envergadura se quebra. A mídia brasileira e a direita, há décadas tentam incriminar o ex-presidente Lula, desde o começo da sua liderança no ABC paulista.

São esses mesmos que agora estão no poder e que continuam tentando incriminar o ex-operário e a maior liderança que esse país já teve, doa a quem doer. Tentam envolvê-lo em tramoias sem comprovação e deixam parecer à população que ele é o líder da maior quadrilha de desordeiros.

Não sou ingênua, sei que foram feitos acordos para que Lula chegasse à Presidência do País e governasse por duas vezes, fazendo sua candidata se eleger e reeleger. E isso desagradou a corja, que agora está claro mais que nunca, armou para tirar Dilma pelo fato de ser mulher e de não ter aceito o que eles queriam.

Querem inviabilizar a possível candidatura de Luiz Inácio à Presidência em 2018. Estão desesperados, porque em todas as pesquisas ele aparece em primeiro lugar como o preferido da população mais pobre, como resultado das políticas públicas de seu governo, voltadas para a maioria carente.

Queiram ou não aceitar os opositores ao Partido dos Trabalhadores, foi nos governos Lula-Dilma que aconteceram os avanços no campo social, Foram consideráveis os programas de governo que foram implementados e que agora estão sendo extintos por um pacote de maldades aprovado pelo Congresso Nacional conivente, corrupto e sem moral.

Se houve irregularidades de alguns petistas, que paguem perante a Justiça, mas sem unilateralidade. Que todos sejam punidos e não apenas alguns escolhidos. Acabaram com os programas importantes e que beneficiaram mulheres, negros, estudantes e que levaram qualidade de vida para quem não tinha nenhuma, nunca antes implementados pelos governos que antecederam Lula.

O governo impopular, golpista e sem índole e seus seguidores no Congresso Nacional tiraram tudo de positivo que os governos do PT trouxeram para o povo brasileiro. Desta forma, nós que ainda tínhamos esperança e respeito pelas instituições brasileiras as vemos chegar ao limite do cretinismo e da imbecilidade.

Eu não acredito em uma sociedade que não seja liderada e governada pelas vias democráticas. O governo que está aí em seis meses destruiu o pouco que foi dado de positivo para os brasileiros. Será o fim de tudo?

• Olívia de Cássia é jornalista e está licenciada do batente por questões de saúde.


domingo, 4 de dezembro de 2016

Lamento de um rio...


Olívia de Cássia Cerqueira.


O Mundaú está morrendo
Socorram o Rio Mundaú.
Onde antes corria água
Agora é mato que se vê,
Tomando conta do seu leito.
Até árvore pequena está nascendo.
Dá vontade de chorar...
De ver o rio da minha infância
Clamando por socorro.
O rio Mundaú chora o descaso
Desmatamento, seca, poluição
Estão matando o rio federal.
Socorram o Rio Mundaú.
Replantem sua mata ciliar,
Arborizem suas margens,
Eduquem as crianças
Para amarem nosso rio
Não deixem morrer
nossas lembranças
Não deixem secar nosso rio.
Socorram o Mundaú....



Foto: Olívia de Cássia Cerqueira.