quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Considerações sobre o Natal

Por Olívia de Cássia

E no próximo sábado, novamente é Natal. O tempo passa tão depressa e como diz o poeta, quando percebemos não cumprimos as promessas do ano anterior. Eu já não faço lista de metas tem muito tempo e o que vier de positivo para mim será lucro.

Não farei planos e não prometerei nada a ninguém, nem a mim mesma. O que der para fazer e eu tiver condições, será feito. Só quero me organizar mais e ocupar o meu tempo, para não cair na ociosidade e mesmice. Peço a Deus só um pouco mais de tolerância.

Apesar de saber que estarei ficando mais velha logo nos primeiros dias do ano e que não sei o que me espera com relação às minhas limitações, torço para que acabe logo este ano. Que não haja mais nenhuma tragédia e que Deus tenha condescendência com nosso Brasil. Só ele poderá nos salvar.

Este ano não vai deixar nem um pingo de saudade para a maioria da população. Um ano difícil para a nossa Nação. O país está vivendo uma crise sem tamanho e tenho dito e repetido, ‘primeiramente e segundamente: Fora Temer golpista’, sempre que tenho oportunidade.

Infelizmente estamos vivendo um momento em que as instituições brasileiras perderam toda a credibilidade, há corrupção por toda a parte e roubalheira são parte da nossa realidade. A violência urbana se acentua, jovens pobres e negros de 14 aos 23 anos morrendo por causa do vício do crack.

Mas voltando ao nosso assunto em tela, em Maceió, o clima natalino está nas ruas da parte nobre da cidade, com turistas de tudo quando é lugar. Os maceioenses já se anteciparam às compras e os shoppings estão lotados desde o começo do mês.

As pessoas correm para as compras com vistas à festa que comemora o nascimento do Menino Jesus. Ainda na parte nobre da cidade, ruas, prédios residenciais e hotéis estão iluminados lindamente, com árvores de Natal e outras simbologias do mundo de lá, mas nada lembra a nossa região, nem o principal aniversariante.

O padre João César, da capela D. Bosco, no bairro do Prado, tem feito muitas críticas em suas pregações a respeito disso. A decoração natalina não tem nada a ver com nossa região e nem tem a lapinha.

Já o padre Alex Sandro Silva, em entrevista que me deu ano passado, lembrou que o Papai Noel é um símbolo capitalista e uma figura desvirtuada do Natal e que a Igreja alerta os católicos para essa confusão. Substituíram o menino Jesus pelo Papai Noel.

A igreja também lembra aos cristãos que “Cristo é a nossa esperança; esperança na renovação de todas as coisas, na libertação das nossas misérias, pecados, fraquezas”, mas tudo isso é esquecido por muita gente quando sai da igreja.

Nessa época do ano – atitude que deveria acontecer durante todo o tempo -, o mundo cristão prega a humildade, a caridade, a fraternidade e a paz, mas isso está muito longe dessa realidade.

Há pouca fraternidade, a intolerância e o preconceito tem se revelado como verdadeiramente é e a paz tão sonhada muito longe de acontecer. Alguns países pelo mundo a fora em guerra brigando por questões religiosas e inocentes morrendo, sem piedade.

Que neste Natal saibamos ser melhor, que a paz e o verdadeiro espírito natalino esteja presente em cada coração. Que haja justiça, tolerância e amor fraternal. Boa noite e Feliz Natal. Que o Ano-Novo nos traga esperança.
Postar um comentário

Os quintais da minha infância ...

Olivia de Cássia As quatro casas em que morei em União dos Palmares tinham amplos quintais onde minha mãe plantava muitas fruteiras, verd...