sábado, 28 de setembro de 2013

Aprendiz

Olívia de Cássia – jornalista

Felicidade é um estado de espírito, que pode se manifestar diante das coisas mais simples do nosso cotidiano, de situações inusitadas.  É um aprendizado constante da alma. De repente vem aquela certeza de que a gente tem que aprender que nessa vida a felicidade e o bem-estar não dependem dos outros; depende só de nós mesmos.

Depende de a gente perceber que não pode gerar nenhuma expectativa com relação aos outros. Isso acontece quando nos damos conta de que só tem a si mesmo, naquele momento único e precisamos nos encher de coragem para não esmorecer, não capitular diante daquele sentimento que é invasivo; diante da solidão.

Um sentimento profundo que te faz pensar em tudo: sensações tão parecidas e que te levam a lugares tão diferentes. São as estradas da vida que se apresentam e se aprofundam cada dia mais: ora de flores, ora cercados de espinhos que muito incomodam.

Dizem os estudiosos que a gente prefere escolher o caminho mais fácil, sem se preocupar, muitas vezes, com o que vamos encontrar pela estrada até chegar ao seu final. Queremos o melhor para nós: sucesso na carreia, vida confortável, sem tanta preocupação, saúde e disposição: mas nem sempre aquilo que almejamos a vida nos concede, e isso muitas vezes é para o nosso próprio bem.

A vida nos cobra muito alto por aquilo que sonhamos e nem nos damos conta disso, não entendemos o motivo. Eu não quero mais remoer aquilo que não me faz bem. Quero viver ainda o que me for permitido: ter diversão, arte, ter paz, harmonia e tranquilidade.

Estou viva: que venham no meu caminho as boas novas, os bons ensinamentos e as atitudes positivas. Quero estar ao lado daquilo que me leva à construção de um mundo melhor. É difícil isso, mas peço a Deus, todos os dias, para não me deixe impregnar por sentimentos negativos.

Quero evoluir interiormente, quero ser melhor a cada dia, perseguir caminhos de paz, de bem-querer. Talvez o que a gente viva aqui na terra é o resultado de outro conjunto de fatores que nós desconhecemos em outra  situação, em outro plano.

Quero acreditar que posso melhorar e me redimir de todas as minhas culpas, de todos os meus erros e grandes pecados. Preciso evoluir e para isso é preciso aprender a cada dia como os ensinamentos que a vida nos dá a toda hora.

Preciso ampliar meus pensamentos, cultivar o carinho, estar aberta para novos ensinamentos e ter a cultura da paz dentro de mim, sempre. Às vezes é necessário ficar em silêncio para que a gente entenda o nosso próprio eu, para a gente se despoje de tudo, ficar esvaziada e depois se reconstruir.

Na maioria das vezes, precisamos nos confessar conosco mesmo e reconhecer todos os nossos erros, ao invés de ficar olhando os maus passos dos outros. Só assim podemos crescer; eu aprendi isso a duras penas.

Quando eu fui fazer a minha primeira terapia, eu estava com a mente obstruída, era um ser em estado de alienação interior total que me impedia de crescer. Eu só via o que queria e o que achava que estava à  minha frente, feio burro de carroça quando está com uma canga.

É preciso muita leitura para a gente chegar a um entendimento de que nós precisamos, em primeiro lugar, gostar da gente, ter autoestima elevada e deixar que a vida proporcione o aprendizado.  Aprender que é urgente nos libertar daquelas correntes que nos aprisionam  a alma e ser um aprendiz diário. Cada dia é um novo aprendizado diferente.  Bom dia!

Nenhum comentário:

Canto escuro

Por Olívia de Cássia Cerqueira Mais uma vez, o autor Daniel Barros leva o leitor/leitora até a última página, sem nem sequer pensarmos em ...