quarta-feira, 18 de junho de 2014

Mesa Diretora da Câmara de União proíbe gravações das sessões

Cópia da portaria 
Por Olívia de Cássia 

A Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de União dos Palmares, antes de ser destituída de suas funções, baixou uma portaria no mínimo estranha, no dia 6 de junho deste ano, proibindo que se coloque qualquer aparelho de gravação no setor de áudio que procede às gravações da sessão ordinária da Casa de Hermano Plesch.

Segundo a portaria, qualquer solicitação de áudio deve ser encaminhada à Mesa Diretora. A medida está sendo considerada antidemocrática e segundo alguns moradores, lembra os tempos da ditadura miliar.

Os radialistas e blogueiros que fazem cobertura das sessões públicas do Poder Legislativo de União dos Palmares estão inconformados e pedem uma providência dos poderes constituídos. Os radialistas formularam uma denúncia ao presidente do Sindicato dos Radialistas de Alagoas, Paulinho Guedes.

“Calar a imprensa é, no mínimo vergonhoso meus pêsames a essa ditadura implantada no Poder Legislativo”, escreveu em seu Facebook o radialista e secretário de Comunicação do município, Kleber Marques.

AFASTAMENTO

O juiz Ygor Figueiredo, da comarca de União dos Palmares, acatou o pedido do Ministério Público Estadual (MP) e afastou da Mesa Diretora da Câmara Municipal, no dia 10 de junho. Quatro vereadores foram afastados, mas permaneceram com seus mandatos.

Foram eles: o presidente da Casa, Benedito José dos Santos (Biu Crente, que assinou a portaria proibitiva);  Cícero Aureliano (vice-presidente); Rafael Pedroza, (primeiro secretário), e Fabian Holanda, (segundo secretário). Os vereadores já recorreram da decisão.

O argumento do Ministério Público (MP), por intermédio do promotor Carlos Eduardo Baltar Maia, foi que os vereadores cometeram atos de improbidade administrativa. Segundo o promotor, a diretoria de uma associação de taxistas, já existente e reconhecida pela Agência reguladora de Serviços de Alagoas (Arsal), entrou com uma representação no MP.

Eles questionaram a aprovação de um projeto de lei que teria sido feita sem o quórum necessário de vereadores. Segundo o MP, a Promotoria de Justiça de União dos Palmares deve instaurar um inquérito civil púbico para aprofundar a investigação do caso, que, segundo indícios, pode ter outras irregularidades ainda mais graves.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...