segunda-feira, 16 de junho de 2014

Locadoras de vídeos resistem à tecnologia, à pirataria e download de graça na internet

Para sobreviver oferecem serviços
diferenciados e de qualidade ao cliente
(Foto: Sandro Lima)
Olívia de Cássia – Repórter

Em meio à gradual extinção, asfixiadas pela concorrência de novas tecnologias como TV a cabo, troca de arquivos pela internet, pirataria e o Netflix,  algumas locadoras de vídeo de bairros de Maceió ainda resistem: estão se adaptando e procurando inovar nos produtos oferecidos,  apresentando um produto diferenciado e de qualidade para cinéfilos e clientes que gostam de produtos de boa qualidade. 

O que se percebe, vendo a história das novas mídias é que a vida útil das tecnologias vai se abreviando a cada dia, segundo pesquisadores. Aos poucos o videocassete, que chegou ao país em meados da década de 1980, foi sendo substituído pelo DVD, que teve uma existência menor e está sendo substituído pelo Blu-Ray, a mídia do momento.

A reportagem da Tribuna Independente foi conversar com proprietário de locadoras e gerentes  que convivem  no dia a dia com a expansão das novas tecnologias, para entender  como fazem para sobreviver no mercado que vai se estreitando com o passar do tempo e o surgimento de novas mídias.

CONCORRÊNCIA

Na CM Vídeo, no bairro do Farol, o gerente Carlistenes Pedro Ducarmo observa que o maior problema para as videolocadoras são os filmes baixados gratuitamente na internet e a pirataria. “A TV a cabo nunca foi concorrência para as locadoras; pelo contrário; indiretamente eles ajudavam. Nosso maior problema é a falta de educação do povo, que compra filme pirata e baixa filme de graça na internet; o nosso grande vilão hoje é o download de graça: grátis, não, roubado”, reclama.

Segundo  Carlistenes  Ducarmo, a locadora sobrevive porque tem um estoque de bons filmes. “Temos um acervo considerável de filmes clássicos, que são os mais procurados: temos cadastrados, desde o início, 13 mil clientes e destes estão ativos mil e poucos”, observa. 

O gerente pontua que desde que abriu a loja tem 34 mil títulos cadastrados: isso não quer dizer que todos estão lá agora. “No acervo temos cerca de dezesseis mil filmes que não são encontrados na pirataria; são os clássicos”.

Carlistenes  Ducarmo explica que os DVDs estão sendo substituídos aos poucos por uma nova mídia chamada Blu-Ray, que tem várias camadas de proteção bem maior e uma capacidade de armazenamento de dados muito maior e em 3D. Segundo ele, o período de maior procura na sua locadora ainda é o carnaval, mas também nas férias escolares a locação de filme aumenta.

“Nosso produto principal são os clássicos, porque nossa clientela maior é o pessoal da velha guarda, mas também disponibilizamos filmes infantis”, destaca. O gerente mostra a diversidade de produtos oferecidos para seus clientes: filmes europeus;  clássicos; heróis dos quadrinhos  e os Blu-Ray, que são filmes em alta definição HD.

100%
Segundo Robson Rodrigues,
a empresa trabalha muito com promoções


Robson Luiz Rodrigues, da locadora 100% Vídeo, na Ponta Verde, explica que a loja oferece à clientela um produto diferenciado: além de DVS, Blu-Ray, videogames, livros e bonecos, a locadora também oferece produtos de lojas de conveniência como refrigerantes e bombonière.

“Estamos sempre inovando e nos modernizando para oferecer o melhor produto aos nossos clientes”, observa Robson Rodrigues. A diversidade de produtos é um dos diferenciais da locadora: além dos filmes, livros infantis, literatura com temas variados e aluguel de jogos faz com que a locadora tenha uma boa procura num dos bairros de classe média alta da capital.

Segundo Robson Rodrigues, as locadoras precisam se modernizar e oferecer produtos diferenciados para os clientes, para não correrem o risco de ficarem para traz. A 100% Vídeo  tem cerca de 20 clientes por dia e no final de semana a procura é maior. “O pessoal também procura filmes para pesquisa; trabalhamos com filmes novos e antigos, mas os filmes mais novos estão sendo mais procurados”, destaca.

Segundo Robson Rodrigues, a empresa trabalha muito com promoções: “Cinco filmes aqui o locador passa uma semana, no valor de R$ 3,90 a R$ 5,40. Também temos a promoção levando três o quarto é grátis. Na terça-feira, a partir do segundo filme o cliente tem 50% de desconto na locação”, destaca.

Robson Rodrigues observa que hoje ele assiste mais o blu-ray, por conta da qualidade, mas o produto só funciona em aparelho específico e mais moderno. “Para se ter uma qualidade boa tem que ter um aparelho blu-ray, um cabo HDMI e uma televisão HD Full”, destaca. 

ORIGINAIS

O publicitário Salvador Henrique é cinéfilo de carteirinha, mas conta que hoje em dia não loca mais filmes: costuma comprar filmes originais, mas espera que entrem em promoção nas lojas, por conta do preço que ainda é muito alto, segundo ele.

“O disco original é muito caro, o preço é abusivo, reconheço o trabalho de quem faz; um filme sai muito caro, mas como gosto de comprar  o original, espero as promoções. Tenho mais de 200 filmes e os temas são variados: épicos, clássicos, entre outros”, observa.

Salvador Henrique diz que é daqueles que só sai do cinema quando passa o último caracter da ficha técnica. “Fico até a última letrinha e sei quanto eles lucram nas bilheterias do cinema”, ressalta.

Netflix

A jornalista Mariana Vasconcelos conta que a família já não loca filmes e tem assinatura da Netflix. “Ele é um serviço que permite ver filmes e programas de TV via streaming”, observa. O serviço tem 25 milhões de assinantes nos Estados Unidos e lá é tão popular que, no horário nobre, chega a responder por 30% de todo o tráfego da internet por lá, segundo informações do site Super Abril.

Mariana destaca que paga R$ 17, 90, atualmente pela assinatura e que todos da família têm uma senha para acessar os filmes. A assinatura dá direito a uso ilimitado do serviço, que funciona nos consoles Wii, PS3 e Xbox 360, no Apple TV e no computador.

Além disso, alguns tocadores de Blu-ray e TVs mais modernas já vêm com Netflix onboard; mas segundo o site Super Abril, o Netflix não substitui a TV paga e todos os vídeos têm de oferecer as opções legendado e dublado.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...