segunda-feira, 16 de junho de 2014

Locadoras de vídeos resistem à tecnologia, à pirataria e download de graça na internet

Para sobreviver oferecem serviços
diferenciados e de qualidade ao cliente
(Foto: Sandro Lima)
Olívia de Cássia – Repórter

Em meio à gradual extinção, asfixiadas pela concorrência de novas tecnologias como TV a cabo, troca de arquivos pela internet, pirataria e o Netflix,  algumas locadoras de vídeo de bairros de Maceió ainda resistem: estão se adaptando e procurando inovar nos produtos oferecidos,  apresentando um produto diferenciado e de qualidade para cinéfilos e clientes que gostam de produtos de boa qualidade. 

O que se percebe, vendo a história das novas mídias é que a vida útil das tecnologias vai se abreviando a cada dia, segundo pesquisadores. Aos poucos o videocassete, que chegou ao país em meados da década de 1980, foi sendo substituído pelo DVD, que teve uma existência menor e está sendo substituído pelo Blu-Ray, a mídia do momento.

A reportagem da Tribuna Independente foi conversar com proprietário de locadoras e gerentes  que convivem  no dia a dia com a expansão das novas tecnologias, para entender  como fazem para sobreviver no mercado que vai se estreitando com o passar do tempo e o surgimento de novas mídias.

CONCORRÊNCIA

Na CM Vídeo, no bairro do Farol, o gerente Carlistenes Pedro Ducarmo observa que o maior problema para as videolocadoras são os filmes baixados gratuitamente na internet e a pirataria. “A TV a cabo nunca foi concorrência para as locadoras; pelo contrário; indiretamente eles ajudavam. Nosso maior problema é a falta de educação do povo, que compra filme pirata e baixa filme de graça na internet; o nosso grande vilão hoje é o download de graça: grátis, não, roubado”, reclama.

Segundo  Carlistenes  Ducarmo, a locadora sobrevive porque tem um estoque de bons filmes. “Temos um acervo considerável de filmes clássicos, que são os mais procurados: temos cadastrados, desde o início, 13 mil clientes e destes estão ativos mil e poucos”, observa. 

O gerente pontua que desde que abriu a loja tem 34 mil títulos cadastrados: isso não quer dizer que todos estão lá agora. “No acervo temos cerca de dezesseis mil filmes que não são encontrados na pirataria; são os clássicos”.

Carlistenes  Ducarmo explica que os DVDs estão sendo substituídos aos poucos por uma nova mídia chamada Blu-Ray, que tem várias camadas de proteção bem maior e uma capacidade de armazenamento de dados muito maior e em 3D. Segundo ele, o período de maior procura na sua locadora ainda é o carnaval, mas também nas férias escolares a locação de filme aumenta.

“Nosso produto principal são os clássicos, porque nossa clientela maior é o pessoal da velha guarda, mas também disponibilizamos filmes infantis”, destaca. O gerente mostra a diversidade de produtos oferecidos para seus clientes: filmes europeus;  clássicos; heróis dos quadrinhos  e os Blu-Ray, que são filmes em alta definição HD.

100%
Segundo Robson Rodrigues,
a empresa trabalha muito com promoções


Robson Luiz Rodrigues, da locadora 100% Vídeo, na Ponta Verde, explica que a loja oferece à clientela um produto diferenciado: além de DVS, Blu-Ray, videogames, livros e bonecos, a locadora também oferece produtos de lojas de conveniência como refrigerantes e bombonière.

“Estamos sempre inovando e nos modernizando para oferecer o melhor produto aos nossos clientes”, observa Robson Rodrigues. A diversidade de produtos é um dos diferenciais da locadora: além dos filmes, livros infantis, literatura com temas variados e aluguel de jogos faz com que a locadora tenha uma boa procura num dos bairros de classe média alta da capital.

Segundo Robson Rodrigues, as locadoras precisam se modernizar e oferecer produtos diferenciados para os clientes, para não correrem o risco de ficarem para traz. A 100% Vídeo  tem cerca de 20 clientes por dia e no final de semana a procura é maior. “O pessoal também procura filmes para pesquisa; trabalhamos com filmes novos e antigos, mas os filmes mais novos estão sendo mais procurados”, destaca.

Segundo Robson Rodrigues, a empresa trabalha muito com promoções: “Cinco filmes aqui o locador passa uma semana, no valor de R$ 3,90 a R$ 5,40. Também temos a promoção levando três o quarto é grátis. Na terça-feira, a partir do segundo filme o cliente tem 50% de desconto na locação”, destaca.

Robson Rodrigues observa que hoje ele assiste mais o blu-ray, por conta da qualidade, mas o produto só funciona em aparelho específico e mais moderno. “Para se ter uma qualidade boa tem que ter um aparelho blu-ray, um cabo HDMI e uma televisão HD Full”, destaca. 

ORIGINAIS

O publicitário Salvador Henrique é cinéfilo de carteirinha, mas conta que hoje em dia não loca mais filmes: costuma comprar filmes originais, mas espera que entrem em promoção nas lojas, por conta do preço que ainda é muito alto, segundo ele.

“O disco original é muito caro, o preço é abusivo, reconheço o trabalho de quem faz; um filme sai muito caro, mas como gosto de comprar  o original, espero as promoções. Tenho mais de 200 filmes e os temas são variados: épicos, clássicos, entre outros”, observa.

Salvador Henrique diz que é daqueles que só sai do cinema quando passa o último caracter da ficha técnica. “Fico até a última letrinha e sei quanto eles lucram nas bilheterias do cinema”, ressalta.

Netflix

A jornalista Mariana Vasconcelos conta que a família já não loca filmes e tem assinatura da Netflix. “Ele é um serviço que permite ver filmes e programas de TV via streaming”, observa. O serviço tem 25 milhões de assinantes nos Estados Unidos e lá é tão popular que, no horário nobre, chega a responder por 30% de todo o tráfego da internet por lá, segundo informações do site Super Abril.

Mariana destaca que paga R$ 17, 90, atualmente pela assinatura e que todos da família têm uma senha para acessar os filmes. A assinatura dá direito a uso ilimitado do serviço, que funciona nos consoles Wii, PS3 e Xbox 360, no Apple TV e no computador.

Além disso, alguns tocadores de Blu-ray e TVs mais modernas já vêm com Netflix onboard; mas segundo o site Super Abril, o Netflix não substitui a TV paga e todos os vídeos têm de oferecer as opções legendado e dublado.
Postar um comentário

E agora, o que fazer?

Por Olívia de Cássia E agora, o que fazer? Essa pergunta me veio à baila, antes e depois da aposentadoria por invalidez e em alguns dias q...