terça-feira, 3 de junho de 2014

Comissão conclui em relatório que Brasil Mais Seguro não funciona em Alagoas

O relator do documento, deputado Ricardo Nezinho (PMDB)
disse que o Brasil Mais Seguro não cumpriu o que foi pactuado
entre o Governo Federal e o Governo do Estado. (Foto: Olívia de Cássia)

Falta de fiscalização do Governo Federal 
contribuiu com inoperância das ações, segundo o relatório (Foto: Olívia de Cássia)

Olívia de Cássia – Repórter

A Comissão Especial que Acompanha o Programa Brasil Mais Seguro no Estado apresentou o relatório final de 280 páginas da primeira fase da comissão à imprensa, na manhã desta terça-feira, 3, no auditório térreo da Casa de Tavares Bastos  e concluiu que o Plano não cumpriu as metas previamente definidas de atuação no Estado. 

Cerca de 210 milhões foram destinados para a segurança pública de Alagoas, entre o Governo Federal e o Estadual, mas segundo o documento, a única meta cumprida foi a aquisição de uma aeronave e o funcionamento parcial de uma das 20 bases comunitárias que estavam previstas no Programa.

Segundo o relatório, as verbas destinadas para a execução do Programa não foram fiscalizadas no Estado. O Programa também não disponibilizou equipe e veículo para atuar junto com a Delegacia de Homicídios em local de crime 24 horas; não foi construído o novo prédio do Instituto de criminalística e do Médico Legal; não foi feita a destinação do prédio do antigo Hotel Beiriz integralmente para a Perícia Oficial, entre outras ações previstas, segundo Ricardo Nezinho.

O Programa também não conseguiu diminuir os índices de violência, segundo os dados apurados pela comissão, que não batem com os números divulgados pelo governo. Para chegar à conclusão do relatório, o presidente da Comissão Especial, deputado Ronaldo Medeiros (PT), disse que foram visitadas todas as bases comunitárias; de Maceió e Arapiraca, “mas apenas uma funciona como tal”.

“Também foram feitas visitas aos Institutos Médicos Legais (IMLs) de Maceió e Arapiraca e o Instituto de Criminalística. A comissão também analisou diversos documentos, relatórios que foram disponibilizados pelo Ministério da Justiça; Ministério da Saúde e Secretaria de Desenvolvimento Social (SDS) do Estado”, explicou Medeiros.

O relator do documento, deputado Ricardo Nezinho (PMDB) disse que o Brasil Mais Seguro não cumpriu o que foi pactuado entre o Governo Federal e o Governo do Estado.

“Não foi realizada a elaboração do Programa ou Projeto Estadual de Segurança Pública com ações estruturantes de curto, médio e longo prazos, focado nos municípios com maiores índices de violência do Estado, tendo como metas a qualificação da investigação criminal e o fortalecimento da presença ostensiva da polícia na proximidade”, observou.

Entre 2013 e 2014, o foram destinados 160 milhões para a segurança no Estado, pelo governo federal, mas na avaliação do deputado Ronaldo Medeiros, “se não investir em políticas públicas, eu não acredito em plano nenhum”, observou.

O relatório também concluiu por alguns encaminhamentos como: enviar uma cópia para a Presidência da República; ao Ministério da Justiça, ao Governo do Estado; Tribunal de Justiça do Estado; à Procuradoria da República em Alagoas; às Comissões de Direitos Humanos e de Segurança Pública da Câmara de Deputados e do Senado Federal; aos Conselhos Nacional e Estadual de Segurança Pública, ao Conselho Nacional de Justiça e ao Conselho Nacional do Ministério Público.

O deputado Ronaldo Medeiros, observou que durante o período de 2011 até 2013, a Comissão realizou três reuniões públicas no plenário da Assembleia Legislativa, que tiveram a presença de várias autoridades ligadas à segurança pública do Estado e também o Judiciário e o Ministério Público Estadual (MP).

A comissão tem o deputado Ronaldo Medeiros (PT) como presidente, Ricardo Nezinho (PMDB) como relator; Gilvan Barros (PSDB), Joãozinho Pereira (PSDB) e Jeferson Morais como demais membros.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...