sexta-feira, 13 de junho de 2014

Jornalista José Árabes Filho é sepultado com aplausos no Parque das Flores

Foto: Sandro Lima
Olívia de Cássia – Repórter
Com muitos aplausos dos amigos, políticos, familiares e profissionais da imprensa alagoana o jornalista José Árabes Dias Filho, 34 anos, foi sepultado na tarde desta sexta-feira, 13, no cemitério Parque das Flores, no Tabuleiro do Martins.  Árabes, como era mais conhecido, faleceu na manhã de hoje, vítima de complicações decorrentes de uma leucemia.
O jornalista estava internado na UTI do Hospital Arthur Ramos e lutou contra a doença por um período de 29 dias. Durante o internamento ele também sofreu uma trombose e teve uma infecção pulmonar. Nas redes sociais no tempo em que passou hospitalizado, amigos, familiares e o Sindicato dos Jornalistas fizeram uma campanha de doação de sangue. Assim que foi noticiado o falecimento do jornalista, amigos lamentaram a morte nas redes sociais.
Foto: Olívia de Cássia\Arquivo
A jornalista Flávia Farias, emocionada com a doença do marido, todos os dias postava no Faceboook o quadro de saúde de Árabes pedindo orações aos amigos e falava com muita esperança na possibilidade da cura. A emoção tomou conta de todos quando iam conversar com ela no velório, que o tempo todo esteve ao lado do marido e, inconformada, falava da sua dor.
Também no velório, muitos amigos choraram a perda do profissional e falaram sobre suas qualidades como homem de bem e profissional ético, solidário e conciliador. O diretor de redação da Tribuna Independente, Antonio Pereira, disse que a dor pela morte de José Árabes é dupla.
 “Eu tive a hora de ter sido editor e trabalhar com ele na Tribuna e sempre digo que são duas perdas que tivemos: pessoal, porque ele era uma excelente pessoa e profissional porque ele era um jornalista íntegro e competente. Para mim é devastador: Árabes vai fazer uma falta enorme para quem vive o jornalismo em Alagoas; mais um colega que se vai nessa profissão maluca da gente”, ressaltou.
O jornalista  Odilon Rios, do site Repórter Alagoas, também falou das qualidades de José Árabes Filho e disse que ele era um dos melhores textos do Estado. “O Árabes é uma personalidade maravilhosa, tem um texto maravilhoso, um editor fantástico e não consigo tratar (a morte) como uma perda: consigo tratar como uma pessoa que foi embora mais cedo e um dia a gente vai se encontrar. O exemplo dele vai continuar e vai sempre fazer parte das nossas vidas”, observou.
O diretor do Sindicato e próximo presidente do Sindicato dos Jornalistas, Flávio Peixoto, disse que Árabes era “um grande companheiro; um dirigente sindical e profissional exemplar e infelizmente essa batalha contra esse mal terrível que é a leucemia foi perdida. Fizemos campanha de doação de sangue, mas infelizmente veio essa notícia ruim,  mas fica o exemplo dele como amigo e companheiro que vai ficar para sempre na lembrança dos colegas que o conheceram”, argumentou.
Presidente do Sindijornal, Valdice Gomes.
Foto: Sandro Lima
Sindjornal  fará homenagem ao jornalista neste sábado, mas festa foi cancelada
A presidente do Sindicato dos Jornalistas, Valdice Gomes, contou que a entidade fará uma homenagem para o jornalista José  Árabes Dias Filho neste sábado, 14, quando acontece a entrega do Prêmio de Jornalismo Ambiental, que vai acontecer sem a parte festiva.
“Não podemos cancelar a entrega do prêmio, mas vamos transformar a entrega numa homenagem mais do que justa e merecida ao nosso colega: estamos cancelando a parte festiva, pois não há motivos para alegria e nem comemorações, mas o prêmio é também de valorização à profissão e certamente Árabes estaria presente como esteve em tantos outros e vamos manter a entrega do prêmio, sem comemorações”, explicou.
A presidente do Sindjornal também disse que a morte do jornalista José Árabes, foi uma perda irreparável para o jornalismo de Alagoas, para a entidade, para os amigos e colegas de profissão e familiares.
 “Árabes é aquela pessoa que não tem ninguém que o conheça que tenha alguma coisa negativa para falar dele; uma pessoa muito solidária, que pensava muito no coletivo, calmo tranquilo e de uma generosidade impressionante, além de ser uma pessoa conciliadora”, destacou.
GUERREIRO
“A morte de Árabes é uma tristeza muito grande, principalmente na idade produtiva, iniciando praticamente a vida profissional, com um filho para criar; é um momento muito triste. A gente sabe o quanto ele estava sofrendo e sabe o quanto ele lutou pela vida e pelo o que ele passou poderia não ter aguentado até hoje; isso prova o quanto ele estava lutando contra a doença, que foi muito rápida”, disse.
Segundo Valdice Gomes, o que tem que ser feito agora é: “A gente tem que pensar no exemplo que ele foi de colega, de profissional que tinha muita responsabilidade nas coisas que fazia e seguir em frente; dar apoio à família, a esposa, ao filho que está crescendo e sempre mostrar para ele o homem digno, competente, responsável, companheiro  e profissional que foi o pai dele”, pontuou.
ADIAMENTO
Por conta do falecimento do jornalista José Árabes, o Sindicato também está adiando e transferiu para data ainda não informada o forró da categoria e a posse festiva da nova diretoria da entidade, que aconteceria no sábado, 21.
Árabes atuou nas editorias de Política dos jornais Extra Alagoas, Tribuna Independente e O Jornal, no suplemento de Automóveis do jornal Gazeta de Alagoas, no portal Gazetaweb e foi assessor de imprensa da Secretaria Municipal de Economia Solidária, Trabalho e Abastecimento e da seccional alagoana da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB-AL).
Postar um comentário

E agora, o que fazer?

Por Olívia de Cássia E agora, o que fazer? Essa pergunta me veio à baila, antes e depois da aposentadoria por invalidez e em alguns dias q...