sexta-feira, 13 de junho de 2014

Jornalista José Árabes Filho é sepultado com aplausos no Parque das Flores

Foto: Sandro Lima
Olívia de Cássia – Repórter
Com muitos aplausos dos amigos, políticos, familiares e profissionais da imprensa alagoana o jornalista José Árabes Dias Filho, 34 anos, foi sepultado na tarde desta sexta-feira, 13, no cemitério Parque das Flores, no Tabuleiro do Martins.  Árabes, como era mais conhecido, faleceu na manhã de hoje, vítima de complicações decorrentes de uma leucemia.
O jornalista estava internado na UTI do Hospital Arthur Ramos e lutou contra a doença por um período de 29 dias. Durante o internamento ele também sofreu uma trombose e teve uma infecção pulmonar. Nas redes sociais no tempo em que passou hospitalizado, amigos, familiares e o Sindicato dos Jornalistas fizeram uma campanha de doação de sangue. Assim que foi noticiado o falecimento do jornalista, amigos lamentaram a morte nas redes sociais.
Foto: Olívia de Cássia\Arquivo
A jornalista Flávia Farias, emocionada com a doença do marido, todos os dias postava no Faceboook o quadro de saúde de Árabes pedindo orações aos amigos e falava com muita esperança na possibilidade da cura. A emoção tomou conta de todos quando iam conversar com ela no velório, que o tempo todo esteve ao lado do marido e, inconformada, falava da sua dor.
Também no velório, muitos amigos choraram a perda do profissional e falaram sobre suas qualidades como homem de bem e profissional ético, solidário e conciliador. O diretor de redação da Tribuna Independente, Antonio Pereira, disse que a dor pela morte de José Árabes é dupla.
 “Eu tive a hora de ter sido editor e trabalhar com ele na Tribuna e sempre digo que são duas perdas que tivemos: pessoal, porque ele era uma excelente pessoa e profissional porque ele era um jornalista íntegro e competente. Para mim é devastador: Árabes vai fazer uma falta enorme para quem vive o jornalismo em Alagoas; mais um colega que se vai nessa profissão maluca da gente”, ressaltou.
O jornalista  Odilon Rios, do site Repórter Alagoas, também falou das qualidades de José Árabes Filho e disse que ele era um dos melhores textos do Estado. “O Árabes é uma personalidade maravilhosa, tem um texto maravilhoso, um editor fantástico e não consigo tratar (a morte) como uma perda: consigo tratar como uma pessoa que foi embora mais cedo e um dia a gente vai se encontrar. O exemplo dele vai continuar e vai sempre fazer parte das nossas vidas”, observou.
O diretor do Sindicato e próximo presidente do Sindicato dos Jornalistas, Flávio Peixoto, disse que Árabes era “um grande companheiro; um dirigente sindical e profissional exemplar e infelizmente essa batalha contra esse mal terrível que é a leucemia foi perdida. Fizemos campanha de doação de sangue, mas infelizmente veio essa notícia ruim,  mas fica o exemplo dele como amigo e companheiro que vai ficar para sempre na lembrança dos colegas que o conheceram”, argumentou.
Presidente do Sindijornal, Valdice Gomes.
Foto: Sandro Lima
Sindjornal  fará homenagem ao jornalista neste sábado, mas festa foi cancelada
A presidente do Sindicato dos Jornalistas, Valdice Gomes, contou que a entidade fará uma homenagem para o jornalista José  Árabes Dias Filho neste sábado, 14, quando acontece a entrega do Prêmio de Jornalismo Ambiental, que vai acontecer sem a parte festiva.
“Não podemos cancelar a entrega do prêmio, mas vamos transformar a entrega numa homenagem mais do que justa e merecida ao nosso colega: estamos cancelando a parte festiva, pois não há motivos para alegria e nem comemorações, mas o prêmio é também de valorização à profissão e certamente Árabes estaria presente como esteve em tantos outros e vamos manter a entrega do prêmio, sem comemorações”, explicou.
A presidente do Sindjornal também disse que a morte do jornalista José Árabes, foi uma perda irreparável para o jornalismo de Alagoas, para a entidade, para os amigos e colegas de profissão e familiares.
 “Árabes é aquela pessoa que não tem ninguém que o conheça que tenha alguma coisa negativa para falar dele; uma pessoa muito solidária, que pensava muito no coletivo, calmo tranquilo e de uma generosidade impressionante, além de ser uma pessoa conciliadora”, destacou.
GUERREIRO
“A morte de Árabes é uma tristeza muito grande, principalmente na idade produtiva, iniciando praticamente a vida profissional, com um filho para criar; é um momento muito triste. A gente sabe o quanto ele estava sofrendo e sabe o quanto ele lutou pela vida e pelo o que ele passou poderia não ter aguentado até hoje; isso prova o quanto ele estava lutando contra a doença, que foi muito rápida”, disse.
Segundo Valdice Gomes, o que tem que ser feito agora é: “A gente tem que pensar no exemplo que ele foi de colega, de profissional que tinha muita responsabilidade nas coisas que fazia e seguir em frente; dar apoio à família, a esposa, ao filho que está crescendo e sempre mostrar para ele o homem digno, competente, responsável, companheiro  e profissional que foi o pai dele”, pontuou.
ADIAMENTO
Por conta do falecimento do jornalista José Árabes, o Sindicato também está adiando e transferiu para data ainda não informada o forró da categoria e a posse festiva da nova diretoria da entidade, que aconteceria no sábado, 21.
Árabes atuou nas editorias de Política dos jornais Extra Alagoas, Tribuna Independente e O Jornal, no suplemento de Automóveis do jornal Gazeta de Alagoas, no portal Gazetaweb e foi assessor de imprensa da Secretaria Municipal de Economia Solidária, Trabalho e Abastecimento e da seccional alagoana da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB-AL).
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...