segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Ex-prefeito de Maceió, Djalma Falcão diz que acredita na força criadora da juventude

Olívia de Cássia - Repórter \ Primeiro Momento

Presidente do Partido do Movimento Democrático Brasileiro [PMDB] durante 20 anos, o ex-deputado federal; ex-prefeito de Maceió, jornalista e advogado Djalma Marinho Muniz Falcão disse que acredita na força criadora da juventude e que torce pelo bom desempenho do governador Renan Filho [PMDB] e do prefeito Rui Palmeira [PSDB].

Djalma Falcão concedeu entrevista ao portal Primeiro Momento em seu apartamento; comentou que os partidos políticos são organismos vivos e necessitam do oxigênio da juventude, para fortalecer as células. Ele argumenta que os jovens têm esse idealismo que a vida política necessita. Foto Paulo Tourinho

 “Torço para que eles entendam os novos ventos da política e possam realizar uma boa administração no Estado e na Prefeitura de Maceió e atendam os anseios populares; se fizerem isso, receberão o meu aplauso”, destaca.
Sincero defensor da renovação dos quadros políticos dos partidos e crítico do governo federal, ele diz que a pior coisa da sociedade é a desonestidade intelectual. “O pior desonesto é aquele que é intelectual”, avalia.
Djalma Falcão concedeu entrevista ao portal Primeiro Momento em seu apartamento;  comentou que os partidos políticos são organismos vivos e necessitam do oxigênio da juventude, para fortalecer as células. Ele argumenta que os jovens têm esse idealismo que a vida política necessita.
“A política necessita do oxigênio da juventude, que tem reservas e idealismo; sempre defendi a vanguarda e acredito que a juventude atual luta realmente em favor de modificações profundas da estrutura política, econômica e social do Brasil: avalio que a juventude quer a unidade universal; é idealista, lutadora, mas é dispersiva”, pontua.
Democrata por convicção, o ex-prefeito de Maceió lembra que na época da ditadura ele abrigou em sua casa várias lideranças da política alagoana, que fugiam da polícia. “E eu dizia: o que der para vocês dá para mim, mas graças a Deus nunca ocorreu [prisões]”, explica.
 Magoado com algumas personalidades do meio político do Estado que ele diz serem incompatíveis com a política decente, Djalma Falcão destaca que não pode transferir as mágoas passadas dos desafetos para os filhos que estão atualmente na política.
“Isso contraria a minha formação jurídica. O Direito Penal diz que a pena não pode ser transferida do condenado para outro”, analisa. O ex-prefeito também falou da questão dos refugiados e disse que é preciso um olhar especial para esse povo.
“O papa Francisco, que eu considero a maior personalidade da atualidade, disse que as pessoas usam a ideologia para esconder valores. Você vai encontrar boas pessoas tanto no sistema capitalista quanto no socialista. A globalização, com a necessidade de sobrevivência das sociedades, quebrou todas as barreiras ideológicas”, analisa.

 Advogado culpa a licenciosidade pela crise no governo

 O advogado Djalma Falcão destaca que é por consta da licenciosidade que o Brasil está  vivendo essa crise no governo. “Muito grave, inquietante: era do Mensalão, Petrolão e a Operação Lava Jato, mas graças a Deus temos um magistrado jovem [juiz Sergio Moro], que está passando o Brasil a limpo e já condenou e prendeu várias autoridades”.
Para Djalma Falcão, a presidente Dilma Roussef está com 7% de aprovação, índice baixíssimo, os governos estaduais, Congresso Nacional e Assembleia Legislativa estão totalmente carentes de representatividade. Foto: Paulo Tourinho
Segundo ele, nunca se imaginava que pessoas mais ricas do Brasil como grandes empreiteiros; ex-ministros; senadores; ex-governadores, fossem para a cadeia. Um fato que é estarrecedor, segundo o ex-prefeito de Maceió, é que Alagoas não atinou ainda para um fato totalmente desabonador.

“Toda uma representação político-parlamentar do Estado está 100% comprometida com a Operação Lava Jato. Ou já denunciados formalmente, ou sob investigação; isso é uma vergonha para Alagoas. Esse é um fato que deve ser notado e que enodoa o nome de Alagoas e dos alagoanos”, reclama.

Segundo ele, o País está vivendo uma crise sem precedentes: “O dólar alcançou a barreira dos R$ 4; a inflação está aí corroendo tudo; o custo de vida sem qualquer responsabilidade, doméstica e familiar. Hoje se compra uma mercadoria por um valor e na semana seguinte já se compra por outro preço; é a corrosão do dinheiro, diante das necessidades de abastecimento”, explica.

Para Djalma Falcão, a presidente Dilma Roussef está com 7% de aprovação, índice baixíssimo, os governos estaduais, Congresso Nacional e Assembleia Legislativa estão totalmente carentes de representatividade.

“Ter voto não significa ter representatividade. Se fizer hoje uma enquete nacional séria e perguntar a opinião dos brasileiros se querem o Congresso fechado, infelizmente a maioria vai concordar que presidente, deputado e senador, todos saiam, porque eles não estão respondendo às expectativas de quem os elegeu”, descreve.

O ajuste fiscal proposto pelo governo ele diz que é uma armadilha em cima dos melhores interesses da sociedade. “Eles mexeram com a aposentadoria, com os servidores públicos, INSS, querem reduzir as pensões dos trabalhadores e meter a mão no FGTS, que pertence aos trabalhadores; querem voltar a CPMF, com o que de alguma maneira interessa à sociedade, o pobre”, explica.

O verdadeiro ajuste fiscal, necessário, na avaliação do ex-prefeito, deveria ser: todos vão contribuir, mas de maneira proporcional e seletiva. “Vamos poupar o povo brasileiro que tem pequenos salários, que já se matam para sobreviver, e vamos arranjar dinheiro de quem ganha muito”, diz ele.

Djalma avalia que quem vai lucrar com as medidas impostas pelo governo são os bancos, os banqueiros, e que esse é um ajuste fiscal para sufocar o povo e permitir a impunidade com que age o setor financeiro do país.

Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...