domingo, 9 de fevereiro de 2014

Sindgráficos comemora dia da categoria com atividades recreativas

 Foto: Tribuna Hoje
José Paulo Gabriel, presidente da entidade, diz que setor vem tendo ganhos significativos e contribui com desenvolvimento do país

Olívia de Cássia – Repórter


O Dia do Gráfico, comemorado no dia 7 último, será lembrado neste sábado, 8, a partir das 10h, com uma confraternização no clube da categoria, em Coqueiro Seco. O evento reunirá os gráficos e familiares e segundo o presidente do Sindicato dos Gráficos de Alagoas (Sindgráficos), José Paul Gabriel dos Santos, a data será comemorada em grande estilo, com muitas conquistas como a evolução do setor no Estado.

Ele observa que os gráficos pautaram todas as outras profissões brasileiras, como ferroviários, tecelões e cafeicultores e que são referência em prol dos direitos trabalhistas, determinando  as grandes lutas.  “Por isto teve o seu reconhecimento como categoria profissional em 7 de fevereiro de 1923”, pontua.

Paulo Gabriel destaca que depois disso, outros profissionais perceberam a evolução da categoria e começaram a seguir o exemplo, a se organizaram em suas categorias formando associações e sindicatos pelo país.

Segundo ele, a categoria em Alagoas tem uma peculiaridade diferente das demais: “O dia 7 de fevereiro, apesar de ser sagrado pela importância histórica, é um dia de confraternização, reencontro de velhos amigo e muitos empresários considerados patrões para outras categorias, para a nossa, são amigos, porque também foram gráficos ou filhos deles”, observa.

O presidente do Sindgráficos e diretor financeiro da Jorgraf (Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos de Alagoas) argumenta que o trabalhador gráfico precisa acompanhar os avanços da tecnologia e as novas tendências que se destacam na área. Mesmo diante de algumas dificuldades ele diz que nos últimos cinco anos a categoria teve ganhos reais em uma média de 30%.

A outra conquista da categoria, segundo ele, é a Escola Gráfica do Senai, que tem todos os equipamentos de última geração, no sentido de atender a reciclagem dos gráficos alagoanos, preparando-os para acompanhar e manusear as novas ferramentas tecnológicas do setor.

“Desde a impressão da primeira Bíblia, em 1453, impressa por meio dos tipos de Gutemberg, passando pela impressão em caldeiras a vapor, impressora litográfica à base da pedra, impressora tipográfica apoiada pelas máquinas de linotipo e intertaipe até as nossas rotativas com impressão em off-sett,  os nossos gráficos sempre foram protagonistas e no Estado não é diferente”, explica.

SALÁRIO

A média salarial de um gráfico no Estado é de R$ 1.200, segundo Paulo Gabriel. O setor é muito diversificado e vai de profissionais da embalagem (bolsas, caixas), jornais e revistas, outdoor, comunicação visual, xerografia, designers até o setor tradicional.

Singal observa que categoria vem contribuindo com geração de emprego

Foto de Olívia de Cássia-arquivo
O presidente do Sindicato das Indústrias Gráficas – Singal, Floriano Alves, disse que a categoria vem contribuindo fortemente na geração de emprego e renda e na formação da mão de obra, fazendo o desemprego diminuir. Isso se deve, segundo observa, graças à parceria entre os dois sindicatos.

“Com diálogo aberto, ético e transparente, permitindo avanços inquestionáveis para ambos os sindicatos como: ganhos reais nos índices de reajustes nas convenções; com isso proporcionando aumento significativo nos salários dos profissionais gráficos, como também avanços na confiança, respeito e parcerias, que resultam em ganhos  visíveis na qualidade de vida dos trabalhadores”, ressalta.

Floriano Alves argumenta que outros fatores também contribuem para o crescimento do setor, como a modernização da Escola Senai, que conta, segundo ele,  com o apoio da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas – Fiea, “dotando-a de equipamentos de primeira geração, permitindo assim, uma melhor qualificação dos alunos, assegurando colocação imediata no mercado de trabalho, após a conclusão do curso”, ressalta.

Ele observa que o setor gera riquezas, “no momento em que estamos adequadamente preparados para atender as demandas dentro das nossas fronteiras, com qualidade, agilidade e preços competitivos, devido à modernização do nosso parque gráfico, que está apto a concorrer de igual para igual, com qualidade, prazo de entrega e preços competitivos, com todo o segmento gráfico nacional”, observa.

Floriano Alves destaca que a indústria gráfica comemorou uma importante conquista que foi o Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias – Procompi, do Estado de Alagoas, que foi aprovado pelo Conselho Nacional da CNI (Confederação Nacional da Indústria) do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas).


Ele ressalta que o Programa será um divisor de águas no setor, fortalecendo o segmento em sua totalidade. “Iniciando com um diagnóstico e finalizando com a qualificação na ISO, passando por: visão de mercado, gestão, custos, estoque, processos e capacitação dos dirigentes, orientando o melhor caminho para cada empresa alcançar o crescimento sustentável”, finaliza.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...