quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Depois de oito anos ...

Olívia de Cássia – jornalista

Oito anos se passaram desde a criação da Lei Maria da Penha. Sancionada em 7 de agosto de 2006, a Lei n. 11.340 ganhou esse nome em homenagem à farmacêutica cearense cujo marido tentou matar duas vezes e que desde então se dedica à causa do combate à violência contra as mulheres.

De lá para cá as denúncias têm aumentado consideravelmente. Segundo o Mapa da Violência, a cada quatro minutos uma mulher é vitima de violência no Brasil, mas quando ela denuncia o agressor, a vida dela costuma mudar para melhor.

Segundo os especialistas, em oito anos de existência, a Lei Maria da Penha deu mais garantias às mulheres contra a violência doméstica, os serviços de proteção foram ampliados em todo o país e elas tomaram coragem de denunciar seus agressores.

A secretária executiva da Secretaria Nacional de Política para mulheres, Lourdes Maria Bandeira, explicou na imprensa que depois da criação da lei houve a emissão de 370 mil mandados de medidas protetivas. A Maria da Penha não acabou com a violência doméstica, mas garantiu várias conquistas importantes para o universo feminino.

De acordo com os dados oficiais, os índices a respeito da violência contra a mulher em Alagoas são alarmantes. Mais de cinco mil denúncias de novos casos nos últimos seis anos, cerca de 800 homicídios contabilizados entre 2008 e 2014 e uma média de sete mil processos para serem julgados pelo Juizado da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher.

Em nível nacional, o  número de centros especializados subiu de 92 para 231; o de casas de abrigo cresceu de 62 para 78; as delegacias da mulher e os núcleos de atendimento aumentaram de 328 para 500 e o de juizados e varas subiu de 19 para 100”, de acordo com informações publicadas na imprensa.

Segundo especialistas da área de Justiça, a Maria da Penha é uma lei que veio para transformar a sociedade, a forma de pensar de homens e mulheres. “Hoje, a mulher não tem mais medo de procurar a Justiça quando em casos de violência dentro de casa, pois ela sabe que vai ter uma resposta efetiva, como por exemplo, as medidas protetivas”, observam.

Mas muito se tem a caminhar ainda, segundo representantes dos movimentos femininos. É necessário um melhor aparelhamento e treinamento dos órgãos de segurança pública, pois muitos inquéritos e processos prescrevem por falta de servidores e recursos operacionais. Com exceção do crime de lesão corporal, as penas dos crimes não mudaram, o que torna mais rápida sua prescrição e também impede que o acusado fique preso por um tempo maior.

Muitos inquéritos policiais ainda tramitam nas Varas e mesmo com toda a divulgação ainda falta conscientização por parte das vítimas, apesar de muitas terem perdido o medo de denunciarem seus agressores.

Também diminuiu, segundo especialistas, o número de mulheres que desistem da ocorrência, depois da decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que entendeu que não é necessária a representação nos casos de crime de lesão corporal.

Nesses casos, a vítima querendo ou não, o Estado tem que agir. Mas ainda há muitas desistências e também há muitas vítimas que não procuram a delegacia para dar andamento aos boletins de ocorrência lavrados nos crimes que ainda exigem a representação.

Ainda segundo o Mapa da Violência, o perfil das vítimas de violência doméstica, a maior parte é de classe média ou baixa, mas há uma parcela expressiva de vítimas de classe média/alta. Os agressores também tem o mesmo perfil.

Ainda segundo os especialistas, há três tipos mais comuns de agressores: a) o criminoso, que já responde por muitos crimes como tráfico de drogas, roubos e homicídios e nesse caso há um medo maior em denunciar devido à periculosidade do agressor; b) o doente psiquiátrico, que sofre de doenças como transtorno bipolar, depressão e vício em drogas e álcool e  c) o machista, que não é criminoso e nem é doente, mas sente-se superior à mulher e por conta disso entende a violência doméstica como algo comum e aceitável. Trata-se da grande parte dos agressores e para estes a Lei é muito eficaz. Fica a reflexão.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...