terça-feira, 27 de outubro de 2015

Gabarito do Exame Nacional do Ensino Médio deve ser divulgado até quarta


Enem


Olívia de Cássia\ Tribuna Independente
O gabarito oficial do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) vai ser divulgado até quarta-feira (28), segundo informações do Ministério da Educação (MEC). Segundo a instituição, Alagoas teve 23,3% de abstenções nas provas.
O Enem deste ano registrou o menor índice de abstenção desde 2009: 25,5%, de acordo com o balanço apresentado pelo ministro da Educação Aloizio Mercadante. Na edição do ano passado, o índice de faltas ficou em 28,9%. As provas foram realizadas em todo o país neste sábado (24) e domingo (25) e o Exame foi considerado tranquilo e dentro da normalidade.
Além da seleção de vagas em universidades públicas, é obrigatório para estudantes de escolas públicas interessados em bolsas de estudo parciais ou integrais em universidades particulares por meio do Programa Universidade para Todos (Prouni), bolsas de intercâmbio pelo Programa Ciência sem Fronteiras e para universitários que querem financiar um curso superior por meio do Fies.
Também não foram divulgadas estimativas de datas para apresentação das notas ou para abertura do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que considera as notas do Enem para distribuição de vagas em universidades públicas.
REDAÇÃO
O Enem deste ano teve como tema da redação “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira” e desde que foi anunciado pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), o assunto virou polêmica nas redes sociais.
De um lado os setores sociais, sindicatos e entidades de classe, alunos e movimentos progressistas que aprovaram o tema e avaliaram como atual. De outro os chamados conservadores e fundamentalistas do Congresso Nacional, que protestaram contra o Enem e acusaram MEC de ‘esquerdista’.
A professora Consuelo Correia, presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Alagoas (Sinteal), disse que o tema da redação do Enem veio num momento propício e parabenizou o MEC por ter esse olhar diferenciado a respeito da questão da violência contra a mulher, estampada todos os dias nos meios de comunicação.
“Infelizmente a violência está arraigada na sociedade. No Estado, Arapiraca é um dos municípios com os maiores índices de violência. Para Alagoas ver o tema na redação do Enem foi muito importante; deu mais visibilidade a essa temática”, disse a presidente do Sinteal.
Sobre a reação dos parlamentares evangélicos no Congresso Nacional, que criticaram o MEC pela escolha do tema, a professora disse que esse setor não respeita a questão de gênero “e essa questão tem que começar a ser descontruída na escola”, segundo ela avalia.
A professora e publicitária Arísia Barros, militante do movimento negro, disse que o tema da redação do Enem este ano foi um avanço para o movimento de mulheres, mas o universo ainda é branco.
“Quando se fala nessa violência, ela está voltada estritamente para a mulher que não é negra; agora você imagina que muitas pessoas acharam bem difícil o tema: já pensou se fosse “A violência secular contra a mulher negra?, muitos estudantes não fariam”, avalia.
O professor Daniel Matos, que ensina Literatura e Línguas Estrangeiras em um cursinho de Maceió disse que trabalhou muitos temas atuais com seus alunos entre eles os de responsabilidade social. Segundo o professor,  a violência cotidiana contra a mulher, jovens e negros foi um dos que ele abordou na sala de aula.
“É muito importante que o professor-educador não se feche às discussões que estão sendo colocadas na sociedade. Existem muitos tabus que são repassados pelas famílias e o próprio meio onde o aluno vive; é de fundamental importância que a escola vá quebrando isso, para que possa transformar a realidade em que vivemos”, disse ele.
ESTUDANTES
O estudante João Pedro Magnani, que fez o exame pela segunda vez, para Engenharia Civil, disse que gostou do tema, porque foi atual. “Foi legal; achei um bom tema na redação”, disse ele, acrescentando que durante o ano todo se preparou para o exame.
Jonas Alves, de 21 anos, foi um dos estudantes alagoanos que também fizeram o Enem em Maceió e disse que se saiu bem nas provas e que saiu animado do local. “Achei um ótimo tema. Fácil e muito comentado na atualidade. O segredo é estar sempre informado”, disse o estudante. 
Cíntia Matos tem 20 anos e fez o Enem pela primeira vez. Ela disse que se sentiu muito feliz com o tema da redação. “Devo admitir que como mulher e defensora do feminismo e das causas sociais, eu me senti orgulhosa em fazer essa redação, que trata de um tema tão atual. Me empolguei e acho até que escrevi demais. Estou tentando a faculdade de Direito e acho que vou conseguir”, avalia.
Postar um comentário

Ainda tenho esperança

Por Olívia de Cássia Cerqueira O dia amanheceu com mais uma promessa de vida. É sexta-feira, dia de alegria, como todos devem ser: de agr...