quinta-feira, 2 de abril de 2015

Encontro de falcoeiros em Satuba terá lançamento do 1º Guia Brasileiro sobre o tema

Olívia de Cássia – Repórter
Nos dias 3, 4 e 5 de abril de 2015, estarão reunidos em Satuba falcoeiros de todo o Nordeste; a ocasião marcará o lançamento do livro "A Arte da Falcoaria - 1º Guia Brasileiro" e até o momento está confirmada a presença de falcoeiros e estudiosos das aves de rapina dos seguintes estados: Alagoas, Pernambuco, Bahia, Sergipe, Paraíba e Rio Grande do Norte. Na ocasião haverá uma troca de experiência entre os falcoeiros e eles colocarão as aves para voar.
O livro
A Arte da Falcoaria – 1º Guia Brasileiro Escrito pelos diretores da Associação Nordeste de Falcoaria e Conservação de aves de rapina (ANF), que tem como presidente o falcoeiro alagoano Dorival Lima, será lançado no próximo dia 6 de abril, quando iniciarão as vendas na loja virtual do site www.anfalcoaria.com.
O público-alvo são falcoeiros, apreciadores e interessados em obter informações sobre a arte de falcoaria e sobre a biologia das aves de rapina. O livro tem  208 páginas, colorido e com ilustrações. O valor de cada exemplar é de R$ 100, para sócios, e R$ 150 para não-sócios.
A arte da Falcoaria - 1º Guia brasileiro" tem como principais objetivos: ensinar as técnicas de falcoaria (treinamento de falcões, gaviões e águias para a caça); reunir informações acerca das aves de rapina; reunir informações acerca da falcoaria; democratizar o acesso as informações sobre a Falcoaria, através da literatura em Português do Brasil; servir de referência bibliográfica para outras obras a respeito da falcoaria.
“No Brasil não existe literatura em nossa língua pátria disponível a respeito da falcoaria;  os antigos, novos falcoeiros e amantes de aves de rapina utilizam-se de fóruns, sites e livros principalmente em Inglês ou espanhol para terem conhecimento sobre o tema”, observa Dorival Lima, presidente da ANF.
A falcoaria ou cetraria é a arte de criar, treinar e cuidar de falcões e outras aves de rapina para a caça. Tradicionalmente, tanto na Europa como na Ásia, a falcoaria sempre esteve ligada à nobreza, à arte de caçar com auxílio de aves.
Em Maceió, Dorival Lima e outros falcoeiros são adestradores de gaviões de uma empresa especializada no ramo, que está nesse mercado alagoano desde 2011. Segundo ele, existem poucos adestradores em todo o Estado.
Autodidata, ele explica que há 15 anos faz esse tipo de treinamento em Maceió. “Aprendi a treinar lendo livros e em sites, tudo em espanhol, porque não existe literatura nacional sobre o assunto”, observa.
 Segundo Dorinho, como é mais conhecido o empresário, também em Alagoas, os gaviões são treinados para fazer o controle de fauna nociva (pombos). As aves capturam pombos e pardais e qualquer outro animal que sejam treinados para caçar e cada animal capturado por eles são resgatados pelo treinador, que dá uma recompensa ao animal (comida).
UNESCO
Em 2010 a Unesco  reconheceu a importância da Falcoaria e conferiu a ela o titulo de Patrimônio cultural imaterial da humanidade. A falcoaria, técnica de adestramento de aves de rapina para a captura de presas, tem ganhado cada vez mais popularidade no Brasil devido à adesão de grandes empresas privadas e públicas de serviços que utilizam a atividade para o controle de fauna.
“Estamos caminhando para que esta arte seja transformada em uma cultura forte em nosso pais, pensando nisso o corpo diretor da ANF decidiu escrever este livro,. O presente projeto já pode ser considerado uma relevante contribuição à construção do conhecimento sobre a Falcoaria Brasileira”, observa.
SOBRE OS AUTORES
Dorival Lima é  biólogo e falcoeiro, presidente da ANF, proprietário de uma empresa de controle de fauna que utiliza falcoaria chamada: Falcontrol Serviços Ambientais.  Alessandra Oliveto, gestora Ambiental, é falcoeira e diretora tesoureira da ANF, gestora ambiental/ falcoeira da Falcontrol Serviços Ambientais.
Eduardson Soares é graduando em Medicina Veterinária; é falcoeiro e diretor de Marketing da ANF, falcoeiro da Falcontrol Serviços Ambientais.  Duílio Lobo, graduando em biologia, é falcoeiro e diretor cientifico da ANF, falcoeiro da Hawk Service Serviços Ambientais.
 Roberto Citelli, graduado em Medicina Veterinária, é falcoeiro e Diretor Técnico da ANF, médico-veterinário do Parque Zoobotanico Arruda Câmara - PB. Dorival Lima (presidente),
Alessandra Oliveto (diretora tesoureira), Duílio Lobo (Diretor Científico), Eduardson Elias (Diretor de Marketing) e Roberto Citelli (diretor técnico).
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...