quinta-feira, 2 de abril de 2015

Encontro de falcoeiros em Satuba terá lançamento do 1º Guia Brasileiro sobre o tema

Olívia de Cássia – Repórter
Nos dias 3, 4 e 5 de abril de 2015, estarão reunidos em Satuba falcoeiros de todo o Nordeste; a ocasião marcará o lançamento do livro "A Arte da Falcoaria - 1º Guia Brasileiro" e até o momento está confirmada a presença de falcoeiros e estudiosos das aves de rapina dos seguintes estados: Alagoas, Pernambuco, Bahia, Sergipe, Paraíba e Rio Grande do Norte. Na ocasião haverá uma troca de experiência entre os falcoeiros e eles colocarão as aves para voar.
O livro
A Arte da Falcoaria – 1º Guia Brasileiro Escrito pelos diretores da Associação Nordeste de Falcoaria e Conservação de aves de rapina (ANF), que tem como presidente o falcoeiro alagoano Dorival Lima, será lançado no próximo dia 6 de abril, quando iniciarão as vendas na loja virtual do site www.anfalcoaria.com.
O público-alvo são falcoeiros, apreciadores e interessados em obter informações sobre a arte de falcoaria e sobre a biologia das aves de rapina. O livro tem  208 páginas, colorido e com ilustrações. O valor de cada exemplar é de R$ 100, para sócios, e R$ 150 para não-sócios.
A arte da Falcoaria - 1º Guia brasileiro" tem como principais objetivos: ensinar as técnicas de falcoaria (treinamento de falcões, gaviões e águias para a caça); reunir informações acerca das aves de rapina; reunir informações acerca da falcoaria; democratizar o acesso as informações sobre a Falcoaria, através da literatura em Português do Brasil; servir de referência bibliográfica para outras obras a respeito da falcoaria.
“No Brasil não existe literatura em nossa língua pátria disponível a respeito da falcoaria;  os antigos, novos falcoeiros e amantes de aves de rapina utilizam-se de fóruns, sites e livros principalmente em Inglês ou espanhol para terem conhecimento sobre o tema”, observa Dorival Lima, presidente da ANF.
A falcoaria ou cetraria é a arte de criar, treinar e cuidar de falcões e outras aves de rapina para a caça. Tradicionalmente, tanto na Europa como na Ásia, a falcoaria sempre esteve ligada à nobreza, à arte de caçar com auxílio de aves.
Em Maceió, Dorival Lima e outros falcoeiros são adestradores de gaviões de uma empresa especializada no ramo, que está nesse mercado alagoano desde 2011. Segundo ele, existem poucos adestradores em todo o Estado.
Autodidata, ele explica que há 15 anos faz esse tipo de treinamento em Maceió. “Aprendi a treinar lendo livros e em sites, tudo em espanhol, porque não existe literatura nacional sobre o assunto”, observa.
 Segundo Dorinho, como é mais conhecido o empresário, também em Alagoas, os gaviões são treinados para fazer o controle de fauna nociva (pombos). As aves capturam pombos e pardais e qualquer outro animal que sejam treinados para caçar e cada animal capturado por eles são resgatados pelo treinador, que dá uma recompensa ao animal (comida).
UNESCO
Em 2010 a Unesco  reconheceu a importância da Falcoaria e conferiu a ela o titulo de Patrimônio cultural imaterial da humanidade. A falcoaria, técnica de adestramento de aves de rapina para a captura de presas, tem ganhado cada vez mais popularidade no Brasil devido à adesão de grandes empresas privadas e públicas de serviços que utilizam a atividade para o controle de fauna.
“Estamos caminhando para que esta arte seja transformada em uma cultura forte em nosso pais, pensando nisso o corpo diretor da ANF decidiu escrever este livro,. O presente projeto já pode ser considerado uma relevante contribuição à construção do conhecimento sobre a Falcoaria Brasileira”, observa.
SOBRE OS AUTORES
Dorival Lima é  biólogo e falcoeiro, presidente da ANF, proprietário de uma empresa de controle de fauna que utiliza falcoaria chamada: Falcontrol Serviços Ambientais.  Alessandra Oliveto, gestora Ambiental, é falcoeira e diretora tesoureira da ANF, gestora ambiental/ falcoeira da Falcontrol Serviços Ambientais.
Eduardson Soares é graduando em Medicina Veterinária; é falcoeiro e diretor de Marketing da ANF, falcoeiro da Falcontrol Serviços Ambientais.  Duílio Lobo, graduando em biologia, é falcoeiro e diretor cientifico da ANF, falcoeiro da Hawk Service Serviços Ambientais.
 Roberto Citelli, graduado em Medicina Veterinária, é falcoeiro e Diretor Técnico da ANF, médico-veterinário do Parque Zoobotanico Arruda Câmara - PB. Dorival Lima (presidente),
Alessandra Oliveto (diretora tesoureira), Duílio Lobo (Diretor Científico), Eduardson Elias (Diretor de Marketing) e Roberto Citelli (diretor técnico).
Postar um comentário

Ainda tenho esperança

Por Olívia de Cássia Cerqueira O dia amanheceu com mais uma promessa de vida. É sexta-feira, dia de alegria, como todos devem ser: de agr...