terça-feira, 21 de abril de 2015

Baque Alagoano: tambores e ritmos que encantam

Grupo tem 40 componentes que têm a proposta de preservação da nossa cultura

O Grupo Percussivo Baque Alagoano completa oito anos hoje e surgiu a partir de uma oficina ministrada pelo músico e artesão Wilson Santos, no Cenarte, em Maceió, há sete anos. A oficina reuniu cerca de 50 pessoas de diversas idades e profissões que tinham em comum a necessidade de um espaço onde pudessem batucar e trocar ideias sobre os ritmos populares da região Nordeste como o maracatu, coco, baianas de Alagoas, bumba-meu-boi, guerreiro alagoano, entre outros.

Foto: Paulo Tourinho e Olívia de Cássia

Hoje o grupo tem 40 batuqueiros fixos e segundo Rose Mendonça, coordenadora artístico-cultural, batuqueira e cantora, nasceu com a intenção de fazer ressurgir o maracatu no Estado de Alagoas. “Inclusive a gente tem uma loa, que é uma composição de um dos sócios fundadores, que fala justamente disso”, destaca.
Foto: Olívia de Cássia
Rose Mendonça observa que na época da criação do grupo, não existia mais o maracatu, desde o Quebra de Xangó, que foi um ato de violência praticado em 1º de fevereiro de 1912 contra as casas de culto afro-brasileiras de Maceió e que se estendeu pelo interior de Alagoas, por conta da intolerância religiosa.
“Depois do surgimento do Baque, vários outros nasceram e estão nascendo. Estamos no caminho certo”, avalia. O grupo já fez apresentação em várias cidades do Estado: em Maceió, no interior de Alagoas e também fora do Estado, como Pernambuco.
“Participamos de eventos, simpósios, festas particulares, em casamentos, além disso, a gente tem uma agenda fixa com apresentações em datas importantes, que têm um significado, independente de convite. A gente vai para a rua, que o maracatu é uma manifestação de rua e faz a apresentação”, explica.
Foto: Olívia de Cássia
O Baque Alagoano tem instrumentos como alfaia (tambor grande), gonguês (instrumentos de marcação) agogôs, caixa de guerra e os Agbês\ Xequerês. “Depois da oficina não queríamos mais parar de tocar. A ideia era fazer com que o projeto sensibilizasse outras pessoas quanto a importância da cultura popular e afro do nosso Estado e do Nordeste”.
Segundo ela as pessoas se juntaram e formaram uma associação e daí nasceu o grupo, que sobrevive dos cachês das apresentações e de uma contribuição individual de cada associado. “É um valor pequeno, mas que dá para uma pequena rentabilidade para o grupo, para as coisas básicas”, pontua.
O grupo ensaia todos os sábados à tarde, na Praça Marcílio Dias, em Jaraguá, em frente à Capitania dos Portos, das 14h às 18h. O grupo tem uma oficina marcada para os dias 30 e 31 de maio, que é a única forma para se entrar no grupo.
Foto: Paulo Tourinho
“A gente faz duas oficinas por ano, não tem limite de idade e qualquer pessoa pode participar, não tem nenhuma restrição e não precisa ter nenhuma preparação. As oficinas acontecem uma parte na praça e outra parte na sede do grupo, próximo à Marcílio Dias, onde os componentes guardam os instrumentos e vestimentas e serve de apoio quando das apresentações, como a prévia de Jaraguá, o Dia do Folclore e outras apresentações.
Têm pessoas que pegam com mais facilidade, tem outras que têm mais dificuldade e a gente dá assessoria para isso”, pontua.
O Baque Alagoano faz uma incursão pelos ritmos da cultura popular e afro-nordestina. O trabalho de pesquisa e criação musical tem raízes fincadas na cultura popular regional, procura fazer uma releitura dos ritmos tradicionais alagoanos, “respeitando a tradição e com consciência dos efeitos transformadores da contemporaneidade”, explica.
A batida forte e contagiante dos tambores de som grave é característica marcante do Baque Alagoano, que com pouco tempo de formado já ganhou vários prêmios. A proposta do grupo vai além da pura combinação de batuques em sala fechada.
Foto: Paulo Tourinho
O trabalho desenvolvido pelos componentes do grupo é voltado para a pesquisa do desenvolvimento histórico e antropológico de nossas raízes musicais e tem conseguido levar aos locais onde tem se apresentado um verdadeiro resgate de valores e símbolos da nossa musicalidade atemporal.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...