quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Que venha a primavera...

Olívia de Cássia – jornalista

Meu pensamento nesta tarde de calor vai para o que há de mais positivo, para não ter que me angustiar depois: não posso e nem devo me estressar; esse sentimento me apavora e piora meu estado de saúde. Tento acreditar que com o chegar da primavera e um novo clima, as boas novas vão chegar e trazer mais alegrias para o nosso caminho.

O mundo precisa de paz, carinho, serenidade e tolerância, sentimentos que estão faltando na sociedade tecnológica hoje em dia. Estamos vivendo um período de impaciência, adrenalina, muita divagação: muitos não pensam o melhor para a coletividade e só olham para si, num sentimento egoísta e muitas vezes perigoso.

Estamos vivendo um período em que a gente deve ter muita cautela na forma como vai se expressar, dizer o que sente, pois até para ser irresponsável e imaturo é preciso lapidar a palavra.  “Quem diz o que quer, ouve o que não quer”, já diziam os mais velhos.

Estou vendo muita falta de educação e baixarias nas redes sociais. É a luta o vale tudo das eleições. Entendo que cada pessoa é livre para escolher suas preferências partidárias e ter um candidato;  quer que ele seja eleito ou torce por isso; outras pessoas confundem a batalha política, a luta pelos espaços de poder com querelas pessoais e ofendem tanto o candidato quanto seus eleitores.

É preciso ter um pouco de compreensão do mundo, não confundir direito e liberdade de expressão com indiscrição, falta de controle e desrespeito; não precisa ser sábio nem intelectual para isso: é só prestar atenção em algumas situações, ler um pouco e não se deixar levar na conversa dos outros.

O mundo evoluiu e temos que atentar para as questões que estão postas na ordem do dia. Às vezes a gente coloca um assunto ou uma imagem nas redes sociais e sai alguém ‘soltando os cachorros’ em cima da gente, como se estivesse comprando uma briga pessoal.

Caríssimos, política e religião é feito time de futebol: cada um tem o seu ou a sua, vamos respeitar o direito do outro, vamos fazer nossa campanha de maneira civilizada, sem discriminação, debatendo questões de ordem social e política e não com palavras de baixo calão e agressividade porque essa atitude só sai de gente que não tem argumentos, chinfrim.

Voto na presidente Dilma, sim, e quero respeito,  por entender que nesses 12 anos de governo Lula e dela o Brasil melhorou o seu desempenho, saímos do estado de miséria absoluta, foram criadas mais universidades, existem  mais possibilidades de os menos favorecidos alcançarem uma vida melhor e mais digna.

Alguém pode pensar que estou defendendo isso porque minha situação de vida tenha alcançado grandes evoluções:  não  aconteceu isso, talvez eu esteja até num perrengue maior, mas não estou pensando apenas em mim, estou pensando no coletivo.

Sei que poucos pensam dessa forma, mas esta é minha maneira de ver o mundo e por isso eu exijo e quero respeito, da mesma forma que ajo com as outras pessoas. Que venha a primavera. Boa tarde!!
Postar um comentário

E agora, o que fazer?

Por Olívia de Cássia E agora, o que fazer? Essa pergunta me veio à baila, antes e depois da aposentadoria por invalidez e em alguns dias q...