terça-feira, 30 de setembro de 2014

Bancários querem fechar duzentas agências bancárias em Alagoas

Foto: Adailson Calheiros

Olivia de Cássia - Repórter


Os bancários alagoanos se reuniram na noite de segunda-feira (29), em assembleia organizativa no Teatro dos Bancários, para definir as estratégias dos piquetes nas agências bancárias de Maceió nesta terça, quando pretendem fechar todas as agências. Em todo o Estado são sete bancos e duzentas agências bancárias, que deverão ter a presença dos piquetes nas portas. 
Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários, Jairo França, a proposta apresentada pela Federação Nacional dos Bancários (Fenaban), no sábado, 27, de 8% no piso, 7,35 nas outras cláusulas e 0% nas cláusulas sociais foi rejeitada pelo Comando Nacional dos Bancários que avaliou a proposta em mesa e considerou insuficiente.
“Quando a gente considera a proposta insuficiente a mesa, o Comando Nacional, já se sente com autoridade para dizer não à proposta apresentada (pelos banqueiros), não dá para conversar. A gente queria que fossem apresentadas algumas propostas sociais como a questão da segurança; do emprego”, observou.
Segundo Jairo França, a categoria tem como avançar mais nos bancos públicos, como avançou  do ano passado para cá: “A gente não consegue avançar mito nos bancos privados, mas vamos avançar onde precisa”, destacou.
No interior as agências bancárias de Arapiraca e Palmeira também devem parar e já foi distribuído material para os piquetes, segundo o presidente do Sindicato, que espera a adesão da categoria em massa, também em outras cidades alagoanas.
“No final do dia nós vamos fazer uma avaliação do movimento para definir os próximos passos. A bola está  agora com os banqueiros, vamos para as portas dos bancos exigir nossos direitos; tentar avançar nas cláusulas sociais também; conversar com os bancários, fazer um trabalho de convencimento”, pontuou.
Jairo França observa que algumas questões sociais reclamadas pela categoria são: a segurança nos bancos; o emprego e a saúde bancária, como assédio moral, metas abusivas, entre outras. “Tem agência bancária que ainda não tem tapume; é preciso melhorar a segurança. Falta porta giratória em algumas agências do interior; as metas precisam ser administradas, vamos negociar e fazer com que avancem nessas propostas”, destacou.
Cláusulas econômicas
As principais reivindicações dos bancários são: reajuste salarial de 12,5%; PLR: três salários mais parcela adicional de R$ 6.247; 14º salário; vales alimentação, refeição, cesta-alimentação, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 724,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional); gratificação de caixa: R$ 1.042,74; gratificação de função: 70% do salário do cargo efetivo.
E ainda, vale-cultura: R$ 112,50 para todos; fim das metas abusivas; combate ao assédio moral; isonomia de direitos para afastados por motivo de saúde; manutenção dos planos de saúde na aposentadoria; emprego: fim das demissões e da rotatividade, mais contratações, proibição às dispensas imotivadas como determina a Convenção 158 da OIT, aumento da inclusão bancária e combate às terceirizações; Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários; auxílio-educação: pagamento para graduação e pós, entre outras propostas.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...