quinta-feira, 29 de maio de 2014

Maceió começa a entrar em clima da Copa do Mundo 2014

Foto: Sandro Lima
Andrey César recebeu a reportagem
e contou que já foram encomendadas
 250 peças das 600 que foram feita
s


Olívia de Cássia – Repórter

Aos poucos Maceió vai se preparando para o clima da Copa do Mundo 2014: táxis e carros particulares desfilam pelas ruas de Maceió com a bandeira do Brasil e já é possível encontrar torcedores vestidos  com a camisa da seleção brasileira. 

Ambulantes e lojas, com vitrines enfeitadas e vendedores devidamente caracterizados, se preparam para que as vendas aumentem, com aquisição de artigos e peças para a festa do mundial, na esperança de faturar mais.

Um exemplo de comerciante que se preparou para a festa foi o artesão Valdecir Celerino que tem um pequeno ateliê no começo do Ladeirão do Óleo, no bairro do Jacintinho. Com o neto Andrey César e o auxiliar Emerson Ferreira da Silva ele confeccionou 600 réplicas da taça do Campeonato Mundial, que estão sendo comercializadas em todo o Estado e já recebeu encomendas de fora.

Seu Valdecir Celerino não estava na loja, mas o neto Andrey César recebeu a reportagem da Tribuna Independente e contou que já foram encomendadas 250 peças das 600 que foram feitas. Além da réplica em tamanho normal da taça, eles também fazem miniaturas da taça e outras peças por encomendas, tudo feito com gesso, como estátuas dos super-heróis dos quadrinhos, para festas de aniversários, e troféus para torneios esportivos do Estado.   

Na pequena loja do seu Valdecir, o  mascote da Copa, o Fuleco, também é vendido no local. O artesão encomendou dez réplicas do boneco, que não foi confeccionado no local; veio por encomenda, segundo conta Andrey César.

“Tem gente que está comprando as taças para revender em lojas ou nos sinais de trânsito de Maceió: começamos a confeccionar as réplicas da taça no mês de abril; foram 250 em tamanho pequeno que estão sendo vendidas a R$ 5.

Para fazer a peça, o filho do artesão conta que coloca o gesso dentro da forma, coloca um tampão; manipula um pouco a forma para o lado direito e esquerdo e em dez minutos a massa está sólida.
“A gente lixa para fazer o acabamento e depois de secar passa uma cola com pigmentação amarela na peça; quando seca leva um spray e tinta automotiva e depois de seca está pronta para ser comercializada”, explica Andrey.

Segundo ele, a expectativa é que as vendas, que já aumentaram nos últimos dias, cresçam  ainda mais. “Temos encomendas de 40 e 50 unidades; para Maceió, Recife e Bahia”, conta.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...