quinta-feira, 29 de maio de 2014

Maceió começa a entrar em clima da Copa do Mundo 2014

Foto: Sandro Lima
Andrey César recebeu a reportagem
e contou que já foram encomendadas
 250 peças das 600 que foram feita
s


Olívia de Cássia – Repórter

Aos poucos Maceió vai se preparando para o clima da Copa do Mundo 2014: táxis e carros particulares desfilam pelas ruas de Maceió com a bandeira do Brasil e já é possível encontrar torcedores vestidos  com a camisa da seleção brasileira. 

Ambulantes e lojas, com vitrines enfeitadas e vendedores devidamente caracterizados, se preparam para que as vendas aumentem, com aquisição de artigos e peças para a festa do mundial, na esperança de faturar mais.

Um exemplo de comerciante que se preparou para a festa foi o artesão Valdecir Celerino que tem um pequeno ateliê no começo do Ladeirão do Óleo, no bairro do Jacintinho. Com o neto Andrey César e o auxiliar Emerson Ferreira da Silva ele confeccionou 600 réplicas da taça do Campeonato Mundial, que estão sendo comercializadas em todo o Estado e já recebeu encomendas de fora.

Seu Valdecir Celerino não estava na loja, mas o neto Andrey César recebeu a reportagem da Tribuna Independente e contou que já foram encomendadas 250 peças das 600 que foram feitas. Além da réplica em tamanho normal da taça, eles também fazem miniaturas da taça e outras peças por encomendas, tudo feito com gesso, como estátuas dos super-heróis dos quadrinhos, para festas de aniversários, e troféus para torneios esportivos do Estado.   

Na pequena loja do seu Valdecir, o  mascote da Copa, o Fuleco, também é vendido no local. O artesão encomendou dez réplicas do boneco, que não foi confeccionado no local; veio por encomenda, segundo conta Andrey César.

“Tem gente que está comprando as taças para revender em lojas ou nos sinais de trânsito de Maceió: começamos a confeccionar as réplicas da taça no mês de abril; foram 250 em tamanho pequeno que estão sendo vendidas a R$ 5.

Para fazer a peça, o filho do artesão conta que coloca o gesso dentro da forma, coloca um tampão; manipula um pouco a forma para o lado direito e esquerdo e em dez minutos a massa está sólida.
“A gente lixa para fazer o acabamento e depois de secar passa uma cola com pigmentação amarela na peça; quando seca leva um spray e tinta automotiva e depois de seca está pronta para ser comercializada”, explica Andrey.

Segundo ele, a expectativa é que as vendas, que já aumentaram nos últimos dias, cresçam  ainda mais. “Temos encomendas de 40 e 50 unidades; para Maceió, Recife e Bahia”, conta.
Postar um comentário

E agora, o que fazer?

Por Olívia de Cássia E agora, o que fazer? Essa pergunta me veio à baila, antes e depois da aposentadoria por invalidez e em alguns dias q...