quarta-feira, 14 de maio de 2014

As campanhas nas redes sociais


Olívia de Cássia - jornalista

Em ano eleitoral as redes sociais serão utilizadas sem comedimento para divulgação de programas e propostas; plataformas políticas e também para se divulgar muita notícia, infundada ou não. É bom a gente ter cuidado com o que diz do outro, sem ter certeza, pois já existe uma legislação que prevê punição para os abusos na internet.

 As redes sociais têm sido uma ótima ferramenta de trabalho, um meio democrático para se protestar contra os absurdos que vemos todos os dias na sociedade.  Até aí, tudo bem: sou fã da tecnologia e sempre que acho que tem cabimento faço as minhas críticas ponderadas e aproveito para divulgar meu trabalho, me divertir um pouco, fazer amizades e compartilhar conhecimentos.

Reconheço que vez ou outra há alguns exageros na rede e o que estamos vendo ultimamente é uma onda de revolta contra A ou  B, geralmente entes públicos, entidades constituídas e principalmente governos. Salutar em uma democracia. Mas como disse certa vez um colega jornalista em um de seus artigos, é muito fácil protestar sentado confortavelmente em uma cadeira acolchoada, ou não, na frente da telinha e desdizendo quem quer que seja.

Insuflar uma massa desgovernada, sem liderança ou formação política e que não tem pensamento formado a respeito de determinado assunto para fazer rebelião, quebra-quebra; fazer escarcéus sobre entidades, conclamando voto nulo e desfiliações de sindicatos, tudo isso é muito fácil.

Quero ver quem toma essas atitudes ir para o enfrentamento de uma negociação com patrões e seus representantes cheios de empáfia, desdizendo o trabalhador e menosprezando suas funções no trabalho; achando sempre que trabalhamos menos e ganhamos mais do que merecemos.

É a relação capital-trabalho prevista por Marx. Ele dizia que “a relação capital, trabalho e alienação promovem a coisificação ou reificação do mundo” e que “a tomada de consciência de classe e a revolução são as únicas formas para a transformação social”.

Tudo bem, os tempos são outros, mas nos apeguemos um pouco à filosofia básica para encontrar explicações para o modo de agir atual de ambas as classes. Muitas atitudes são tomadas, às vezes, por uma discordância pontual de um argumentou ou situação, ou por egos feridos.  E aí é onde deve entrar a ponderação e o bom senso de cada um.

Não quero ser dona da razão e nem unanimidade de nada; estou apenas expressando meu ponto de vista e espero não ser mal interpretada por um ou outro. Já não tenho mais idade para brigas e nem tempo aqui na terra para ficar de querelas políticas ou de fofocas com quem quer que seja. Meu tempo é curto por aqui.

No entanto, avalio que antes de a gente tomar qualquer decisão na vida tem que pensar e pensar e pensar sobre as consequências daquele ato. Sou de um tempo, que mesmo não tendo muita avaliação sobre o peso do que fazia, eu ia para a rua, sim. Protestávamos em plena época da repressão, no governo do presidente João Batista de Figueiredo, aquele que dizia que o povo fedia a cavalo.

Numa época em que os partidos de esquerda eram clandestinos  e íamos vender o jornal Tribuna Operária no Mercado da Produção, bem cedinho, com os jornais debaixo do braço, passando pela polícia; ou estávamos nas passeatas, pacificamente, com palavras de ordem pelas ruas de Maceió, protestando contra os desmandos do governo e seus seguidores.

Mas, graças aos nossos combatentes companheiros que lutaram de todas as formas contra esse regime ditatorial e asqueroso; líderes sindicais e de partidos políticos que perderam até a vida defendendo um mundo melhor e mais igualitário,  estamos aqui, falando abertamente sobre esses assuntos e outros tantos, que são comentados nas redes sociais.

O que se espera, daqui por diante, depois da aprovação do marco civil da internet no Brasil, (Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014) é que a legislação seja de fato aplicada para quem cometer excessos e abusos: que haja mais avaliações e cuidados com o que se diz e as mensagens que se deseja passar.  Fiquem com Deus. 

Postar um comentário