sexta-feira, 28 de março de 2014

Turismo sexual será debatido na Barra de Santo Antônio

Evento é promovido pela Secretaria da Mulher do município, entidades civis e religiosas
Olívia de Cássia - Repórter
No sábado próximo, 29, a Secretaria Municipal da Mulher da Barra de Santo Antônio, entidades civis e religiosas, com apoio da Prefeitura local e da Tribuna Independente, encerram as comemorações do mês da mulher com um debate que terá como tema o Turismo Sexual na Copa do Mundo, que acontece no próximo mês de junho.
O objetivo é alertar as autoridades do Estado para esse problema, que está na ordem do dia das discussões das entidades civis e dos governos.  Segundo os organizadores do evento, as comidas típicas, praias, monumentos históricos e festas, não são as únicas atrações turísticas procuradas por estrangeiros.
“A imagem da mulher brasileira, associada à sensualidade, colabora para o aumento do turismo sexual no Brasil, especialmente no Nordeste.  Precisamos unir nossas forças para alertar nossa comunidade contra esse e outros abusos e proteger nossas jovens de turistas mal intencionados”, diz a assessora da Secretaria da Mulher,  Rubia Alves.  
Rubia Alves observou ainda que o evento quer também conscientizar  as mulheres do município de que existe uma secretaria para dar apoio a elas, por conta de no local estar havendo muita violência contra as mulheres e a Copa do Mundo preocupa, segundo ela. “O tema Turismo Sexual na Copa do Mundo está sendo debatido em todo o País e é um alerta às autoridades”, observou.  
A programação do debate sobre turismo sexual está prevista para começar às 9 horas, no Clube Barra Mar, na Ilha da Crôa, com: abertura; música especial, encenação teatral; palestras com uma nutricionista e outra com a promotora Salete Adorno; sorteio e vídeo sobre a temática.  Às 15 horas haverá uma caminhada contra o turismo sexual e outros abusos, com saída da Chã da Barra, para alertar a sociedade sobre esse problema.
O QUE É
O turismo sexual é um grave problema que está presente nos grandes eventos como Olimpíadas, Copa do Mundo, Carnaval e outros e tem preocupado as autoridades brasileiras. Segundo informações dos organizadores do evento, já existem pacotes prontos para serem vendidos a turistas alemães que vêm para o Nordeste, direcionados para o turismo sexual e é preciso conscientizar a população sobre isso.  
Outra informação é que as cidades balneárias do Estado estão preocupadas com a proliferação da violência sexual nessas cidades. “Há 15 dias, na Barra de Santo Antônio, na Ilha da Crôa, três bandidos estupraram uma jovem e não se sabe a procedência dos meliantes”, observa.  
Governo brasileiro  está preocupado com o problema
Em pronunciamento em rede de TV, no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, a ministra Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência, disse que existe uma preocupação maior  das entidades e do governo com a questão do turismo sexual com a aproximação da Copa.
“Soltamos uma grande nota por causa daquela camiseta que a Adidas lançou, que induzia ao turismo sexual no Brasil. A camisetinha escrito em inglês “Faremos um gol”, ao lado de uma mulher bem provocativa. Eles estavam querendo fazer o gol do turismo sexual. Não aceito em hipótese alguma que nenhuma empresa ou ninguém faça uma ilação com a Copado Mundo e o turismo sexual. Receberemos muito bem os turistas, mas não admitiremos turismo sexual. E exigirei da Adidas uma reparação. Não é só retirar a camiseta do ar. Eu não admito, a presidente Dilma não admite, o governo como um todo é tolerância zero com o turismo sexual”, ressaltou.
No seu perfil no Twitter, a presidente Dilma Rousseff ‏afirmou que o Brasil irá combater o turismo sexual durante a Copa do Mundo. Segundo Dilma, o governo brasileiro aumentará os esforços na prevenção da exploração sexual de crianças e adolescentes e os ministérios do Turismo, das Mulheres e dos Direitos Humanos estarão envolvidos no projeto de combater a exploração sexual. 
    Postar um comentário

    E agora, o que fazer?

    Por Olívia de Cássia E agora, o que fazer? Essa pergunta me veio à baila, antes e depois da aposentadoria por invalidez e em alguns dias q...