quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Viva Maria Madalena!

Fotos: Olívia de Cássia\arquivo-20-1-2013
Olívia de Cássia – jornalista

Neste domingo, 19, como acontece há 179 anos, os católicos palmarinos  vão reverenciar sua padroeira, Santa Maria Madalena, com a tradicional procissão do mastro, dando início ao evento turístico religioso mais importante da região da mata alagoana.

Ciclistas, cavaleiros, motoqueiros, carroças, carros e uma grande procissão a pé, levando bandeirinhas com a imagem de Madalena seguem numa demonstração de fé e devoção e vão percorrer várias ruas da cidade, até chegar ao seu destino final: a Praça Basiliano Sarmento, onde o mastro será erguido para que seja colocada, no dia 23 de janeiro, a bandeira da santa; é no local  onde se concentram as festas principais do município.

O cortejo será acelerado e as pessoas acompanham quase correndo, por conta do peso do mastro, que será carregado nas costas de dezenas de devotos e nos últimos anos também por mulheres, em cumprimento de promessas alcançadas.

As comemorações festivas à padroeira da cidade têm início depois da procissão da bandeira, no dia 23 de janeiro e ocorrem em nove dias de festas e novenas, que se estendem por nove noites de festas, até o dia 2 de fevereiro, quando acontece a procissão das charolas dos santos e leva milhares de pessoas às ruas de União dos Palmares.


Para quem é da cidade é tudo muito emocionante: as quatro procissões e a festa em si. Nessa época, o município, onde surgiu o primeiro grito de liberdade do Brasil, recebe visitas de turistas de várias estados e de outros países, além dos palmarinos que moram em outras cidades de Alagoas e vão rever os amigos.

Todo ano o mastro é doado por um fazendeiro da região. A tora de madeira tem 21 metros de comprimento e este ano a doação foi feita por Marcelo Galvão e retirada do sítio Gordo. A hora do erguimento do mastro é sempre um momento de emoção e contrição e leva muitos católicos às lágrimas.

Conta a lenda local que se houver algum problema na hora do erguimento, significa que o ano será de dificuldade. Ano passado aconteceu de a madeira ser muito pesada e o mastro ameaçou cair. Muita gente chorou na hora.

Quando chega à Praça Basiliano Sarmento, antes de ser colocado no buraco cavado previamente para o acontecimento,  várias pessoas fazem pedidos, orações, se abraçam e se confraternizam. 

É costume também que antes da procissão, logo cedinho, os católicos vão até a Rua Juvenal Mendonça, antiga Rua do Castelo Branco, local da concentração do evento e onde a madeira está colocada,  para colocar fitas, escreverem pedidos e fazerem também orações pedindo graças.

Todos acreditam que os pedidos são atendidos, pelos poderes da santa que esteve ao lado de Jesus em vários momentos de sua vida e que foi por muito tempo excluída dos escritos católicos.

Segundo os estudiosos da vida de Santa Maria Madalena, ela foi ‘a grande apóstola dos apóstolos, uma mulher poderosa, cuja história foi deturpada por muitos anos pelos poderosos e pela igreja, que não admitia mulheres em seu comando.

“Madalena foi a principal testemunha da Ressurreição e uma líder feminina que entendeu a missão de Jesus melhor do que os discípulos homens, segundo a religiosa Chris Schenk , da congregação das Irmãs de São José e diretora-executiva da FutureChurch.

Chris Schenk observa que, curiosamente, a Igreja Oriental nunca a identificou como uma prostituta, mas honrou-a ao longo da história como ‘a Apóstola dos Apóstolos, diz a religiosa. E viva Maria Madalena!
Postar um comentário