quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Um novo tempo me espera

Olívia de Cássia – jornalista

Chegou um novo tempo: tempo de encerrar um ciclo da vida, de tentar apagar o que não foi muito salutar nos anos que se foram de reinventar o mundo, enfrentar o novo, reescrever a minha história usando a criatividade, o amadurecimento, o bom humor, buscando sempre a alegria e dias melhores a cada dia.

Busco a serenidade com os anos vividos e quando a gente vai envelhecendo vai compreendendo os seus ais, sem queixas e sem grandes traumas. Dizem que dentro da gente existe um mundo que ninguém pode compreender: “ninguém além de você” e é esse entendimento que quero aperfeiçoar cotidianamente.  

Em outro momento, eu pensei que pudesse ser melhor e mais forte e tento ser todos os dias,  baseada em todas as experiências que já vivi, boas e ruins, mas às vezes a gente fraqueja querendo o impossível, sonhando em retroceder e voltar o que não pode mais ser.

Não sou mais criança; amadureci, cresci interiormente, aprendi muito nesses anos. Compreendi que devo reinventar a vida com as possibilidades que tenho e que não devo mais  tentar me enganar achando que posso criar situações indevidas, que não vão existir nunca.

É tempo de eu jogar a poeira para cima, refazer o meu caminho e seguir em frente, sem olhar o que ficou para trás, seja lá de que maneira for, amadurecendo. Essa deve ser e será minha meta daqui em diante.

Não quero colocar expectativas diante de uma situação: aprendi com o tempo que não devo esperar muito ou fazer grandes planos. O ano que passou trouxe algumas reflexões que pretendo tomar como experiências: algumas positivas e outras ensinaram um pouco mais da vida.

Ganhei muitos amigos e outros se afastaram sem que eu entendesse os motivos ou sem que eu o percebesse de pronto. Mas entendi também que esse processo faz parte, eu não estranho mais isso.

Às vezes cada um vai para o seu lado em busca de seus ideais de vida, e de uma maneira ou de outra vamos buscando as nossas direções, os nossos caminhos. É duro caminhar às vezes, é difícil a rotina do amadurecimento.

Eu tenho tido muito aprendizado nesses meus anos de vida: algumas pessoas me surpreenderam; umas se revelando muito melhores do que eu avaliava e outras me mostrando o oposto. É um processo, como me diria o poeta.

Eu costumo escrever para aliviar minhas dores, falar de sentimentos, falar de mim, da vida; colocar para fora o que me sufoca ou me deixa com sentimento pesado. Cheguei à conclusão por esses dias que não deixarei de sonhar os meus sonhos mais puros, mas agora entendo que devo fazê-lo com os pés no chão: não sou mais aquela menina ingênua.

Que este novo ano seja de aprendizado constante e que a vida leve para bem longe tudo aquilo que não for suave e de alegria. Boa noite e um ano novo cheio de boas surpresas.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...