sexta-feira, 31 de julho de 2015

Exposição no andar térreo dos Correios lembra os 60 anos da queda do Gogó da Ema

Evento vai até hoje 31, e os interessados 

poderão conhecer um pouco da história


Olívia de Cássia - Repórter 
Uma exposição que lembra os 60 anos da queda do coqueiro torto Gogó da Ema, que caiu no dia 27 de julho de 1955 e era o símbolo mor de Maceió, na década de 1950, está acontecendo no andar térreo dos Correios, em Maceió e pode ser vista gratuitamente até hoje(31).
Uma exposição que lembra os 60 anos da queda do coqueiro torto Gogó da Ema, que caiu no dia 27 de julho de 1955 e era o símbolo mor de Maceió, na década de 1950 -  (Fotos: Adailson Calheiros)
Segundo o curador da exposição, o historiador e pesquisador José Bilu da Silva Filho, o evento é para fazer uma homenagem ao Gogó da Ema, que foi o símbolo de Maceió. “A exposição tem fotos, poesias que retratam o coqueiro; painéis e recortes de jornais antigos, que contam a história do coqueiro, que era atração de Maceió: é praticamente uma lembrança e cultura é muito difícil de se fazer hoje em dia”, observa.
Segundo contam os historiadores, o coqueiro foi plantado por dona Constança Araújo, no século XIX, no sítio Ponta Verde. “Temos fotos de autoridades posando para fotos no local e muitos turistas vinham de fora para conhecer”, observa.
Segundo o curador da exposição, o historiador e pesquisador José Bilu da Silva Filho, o evento é para fazer uma homenagem ao Gogó da Ema, que foi o símbolo de Maceió.
José Bilu conta ainda que o agrônomo Jesus era a pessoa que cuidava do coqueiro torto.  “Para se ter uma ideia, o Gogó da Ema é tão importante para a história de Maceió, que o pessoal hoje vai ao shopping e naquela época ia para a praia visitar o coqueiro para fazer piqueniques, fotografias e lazer; era um ponto de referência da cidade.  Muitas empresas  usam o coqueiro em suas  logomarcas, como símbolo de Maceió”, destaca.
Segundo José Bilu, que também é o presidente da Academia de Letras, Artes e Pesquisa de Alagoas e presidente do Clube Filatélico, como o tempo, o mar avançou muito, derrubou outros coqueiros, fazendo com que se pudesse divisar o Gogó, da praia ou do mar, quando se passava ou tomava banho.
Aos poucos o Gogó da Ema foi se tornando falado, cantado, em verso e prosa, adquirindo até celebridade internacional. Turistas ou passageiros, ao desembarcar, indagavam logo onde ficava o Gogó da Ema, segundo relatos de alguns pesquisadores.
“Era o local dos encontros entre namorados, que deixavam suas iniciais na árvore; de lá se observava, a lua cheia; um espetáculo visual dos mais encantadores. Foi o agrônomo Jesus quem me deu essas fotos antigas; faz muito tempo”.
Conta a lenda que o coqueiro caiu aos poucos, devagarzinho e imediatamente, pessoas que estavam nas proximidades cortavam as palhas e colheram os frutos. Em sua homenagem foi construída uma praça, próxima a área onde ele viveu.
Segundo José Bilu, o coqueiro tombou pela ação do tempo, mas muitos comentários surgiram à época, sugerindo até responsáveis pela queda da árvore. “Ganhei muita coisa dos colecionadores e fui catalogando tudo direitinho, a respeito do assunto e de outros temas. É importante mostrar para os jovens a nossa história.  Hoje eu tenho um acervo de mais de 1.800 fotos e recortes de jornais antigos”, complementa.
Entusiasta da cultura alagoana, o  historiador José Bilu comenta que os museus e o Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas têm pouca frequência pelos jovens: “Parece que têm o bicho papão; eu vou fazendo o que posso pelo meu  Estado; o que posso fazer estou fazendo”, conclui.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...