sábado, 25 de julho de 2015

Nem para agradar e nem para confundir

Olívia de Cássia - Jornalista

Não vim para agradar e nem para confundir. Em tempo de ebulição política e de ideias, é bom a gente procurar conhecer o desconhecido: se acercar do maior número de informação, de um lado e de outro, e depois formalizar sua opinião sobre essa ou aquela questão, sem ofensas pessoais. É assim que tenho feito.

Desde muito cedo aprendi a ter um lado: o do oprimido e não o do opressor. Aprendi com seu João Jonas, meu pai, um homem religioso e de fé. Sempre tive a rebeldia na veia e o inconformismo com as desigualdades e algumas imposições, mesmo aquelas que eram passadas pelos meus pais, confesso.

Apanhei  muito por ser assim, fosse de fato ou pelas consequências da vida, e defender ideais que estavam mais para libertários e de esquerda; um  tanto quanto limitados na época e sem concatenação de horizontes.

Era tudo muito misturado, mas com as melhores das intenções na minha cabeça. Por qual motivo eu teria que aceitar a ideia de que pessoas que nascem com cor mais forte que a minha seriam inferiores, como tentaram colocar na minha cabeça desde pequena, inclusive na família?

Por que pessoas que não tiveram as mesmas oportunidades de estudos e de vida que eu, por acaso seriam inferiores a mim? Por que muita gente ia para igreja quando eu era jovem e rebelde ao extremo, iam para a casa de Deus olhar a vida dos outros, inclusive a minha, ao invés de irem ter encontro com o Senhor ?

E comecei a fazer diversas interrogações diante daquilo tudo que eu via e presenciava: adultos que diziam palavras de fé e confiança, que proferiam uma coisa e que na prática se comportavam como pessoas mexeriqueiras e que falavam tão mal da vida alheia, diga-se também da minha, sem procurar ajudar ou entender os motivos de tais comportamentos ?

Por que atualmente as pessoas continuam, em pleno século XXI, não respeitando o modo de vida do outro e nem a maneira de pensar?  Por que tanta hipocrisia na sociedade, se o que importa na vida é a gente mostrar o que realmente é; sem se importar com a opinião do outro?

Por que muita gente ao invés de praticar o bem, ‘sem olhar a quem’ e procurar fazer o que tem que ser feito, se põe a falar mal de quem se propõe a fazer algo que preste para os menos favorecidos?

Por que muitas pessoas que não precisaram se esforçar para ter nada na vida, se incomodam tanto com o que é feito pelos menos aquinhoados? Por que incomoda tanto ver pobre comendo melhor e frequentar universidade, quando na minha época de estudante do ensino médio a gente só tinha duas opções em Alagoas?

Por que antes de falar mal de tal programa de governo ou de políticas públicas e sociais as pessoas não procuram primeiro ler do que se trata, mas prefere ‘emprenhar’ pelos ouvidos e falar abobrinhas em público e nas redes sociais?


Diante de um quadro não muito favorável, muita gente torce pelo pior, pelo desastre social e econômico, para poder tirar proveito político disso. Abomino essa prática que tem se alastrado tanto de um lado quanto do outro. Fica a reflexão. 
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...