sexta-feira, 8 de maio de 2015

Musa dos sinais de trânsito, cantora de forró já vendeu nove mil CDs nas ruas

Olívia de Cássia - Repórter

A cantora e compositora alagoana de forró Crystal tem 29 anos e um jeito diferente de divulgar o seu trabalho: ela vende seus CDs, de segunda a sábado, em vários pontos de sinais de trânsito de Maceió e conta que com essa forma de divulgação já vendeu cerca de nove mil unidades.
A música de trabalho do CD Forrozão Aliança é Ciúmes e Crystal conta que já agendou entrevistas em várias rádios de Maceió para essa semana e a próxima - Fotos: Paulo Tourinho
A garota simples e simpática recebeu a reportagem do Primeiro Momento, na quarta-feira, 6, e falou da sua carreira. Depois de oito meses parada, Crystal está com o mais novo CD, o Forrozão Aliança, que tem 15 músicas e é uma parceria com o cantor e compositor Elvis. “São 14 regravadas ao vivo e uma inédita: são algumas músicas minhas e outras são parcerias e foram prensados cinco mil unidades”, ressalta.
A música de trabalho do CD Forrozão Aliança é Ciúmes e Crystal conta que já agendou entrevistas em várias rádios de Maceió para essa semana e a próxima. “Já gravei oito músicas minhas, mas eu tenho 15”, destaca. A cantora e compositora conta que tudo começou em 2010 quando se viu sem apoio e sem patrocínios: ia passando no sinal e tinha um rapaz que estava vendendo o CD no local.
“Aí ele me pediu para comprar o CD dele, disse que era artista da terra, então eu falei para ele que também era cantora e ele propôs a troca: ele pegaria o meu CD e eu o dele e o rapaz me convidou a vender também no sinal”, destaca. A cantora diz que conversou com os componentes da banda, mas eles, com vergonha, se recusaram a ir. “O rapaz vendia o dele a R$ 5 e eu vendi a R$ 10 e foi sucesso e passei cinco anos divulgando e vendendo nos sinais”, explica.
Crystal destaca que são muitas as histórias que tem para contar, nas experiências que adquiriu nos sinais de trânsito de Maceió, junto aos demais vendedores: “Uma delas é você trabalhar num local com pessoas que a sociedade avalia que não são legais; têm mal impressão e quando param o carro, já acham que aquela pessoa que vai se aproximar, vai querer roubar ou fazer alguma coisa. Mas não é assim. Eles ficam ali perto de mim, são meus amigos, nunca aconteceu nada, é uma família”, observa.
Ela também ressalta que incentivou alguns amigos a fazerem o mesmo que ela para divulgar o seu trabalho e conta que ia os dois horários. “Quando eu vendia muito pela manhã, só ia um horário, mas quando a venda era pouca eu ia à tarde também. Conheci muitos empresários e consegui patrocínios com as vendas em sinais”, disse ela.
Apesar de dizer que ainda não foi revelada, ela diz que as vendas nos sinais lhe ajudou muito na carreira. “O artista alagoano precisa ser revelado; estou retornando às rádios e tenho entrevista marcada para quinta-feira, na 103 FM, Rádio Gazeta Web e os programas locais de televisão. Todo o projeto que eu tinha antes, estou voltando com tudo”, reforça.

CD acústico deu início à carreira, seguido de forró romântico

Crystal comenta ainda que começou a carreira gravando CD acústico: “Gravei forró romântico, em carreira solo; canto desde os dezesseis anos”, explica. Crystal é o nome artístico de Cláudia e ela disse que foi um nome que lhe deu sorte. “Esse nome me deu muita sorte, meu objetivo agora é fazer um clipe, com a música der trabalho para explorar a mídia”, explica.
Crystal comenta ainda que começou a carreira gravando CD acústico
No começo da carreira, ela conta que teve a oportunidade de cantar em uma banda de axé, só que depois foi vendo que tinha jeito para compor. “Tenho alguns amigos que me incentivaram e convidaram a fazer forró e fui me identificando com esse tipo de música; cheguei à conclusão que essa é a lei que eu quero”, explica.
A artista alagoana destaca que a partir daí resolveu fazer um projeto de forró e começou com um CD para barzinho. “Eu sentia que tinha que cantar algo meu, não dos outros. Foi quando eu tive a ideia de fazer um trabalho autoral e depois dele abriu as portas: fui tendo oportunidade em prefeituras e outros locais”, argumenta.

Parceria

Crystal conta ainda que Elvis cedeu uma música para ela. “Saí do estúdio ontem (terça-feira, 5) e estou me preparando para o São João. Antes eu tocava muito: no Tanque Cheio, no QG, Maria, Coco Nut; cantava em ritmo de forró, mas com repertório variado. Eu canto também alguns xotes, gosto de Elba Ramalho, está no meu repertório esse ano também e Dominguinhos, mas o foco mesmo são as minhas músicas”, ressalta.
Crystal destaca que tem seis anos de banda, é de uma família humilde e que um tio tocava forró-pé-de-serra
A artista conta que está aguardando o edital da Prefeitura de Maceió para o São João, para fazer a inscrição. “Fui lá na segunda, mas me falaram que o edital não saiu porque ia ser feita uma correção e que em breve ia sair, Também estou aguardando o contato de outras prefeituras e estou na expectativa de que o São João seja muito bom”, destaca.
Crystal destaca que tem seis anos de banda, é de uma família humilde e que um tio tocava forró-pé-de-serra: “Sou de uma família humilde, Moraes Caetano, toda de União dos Palmares, tenho um tio que já morreu que tocava forró-pé-de-serra e acho que veio daí minha herança. Na família sempre tem alguém que toca, meu irmão toca violão, um primo que toca bateria”, comenta.
Postar um comentário

Alguns instantes. Vivendo por aí...