segunda-feira, 25 de maio de 2015

Maioria das adolescentes que têm filhos estão fora da escola


Andressa engravidou aos 17 anos, quando cursava o 1º ano do ensino médio, e resolveu parar de estudar
Andressa engravidou aos 17 anos,
quando cursava o 1º ano do ensino médio,
 e resolveu parar de estudar. Foto Adailson Calheiros
Olívia de Cássia – Repórter
 Com a mudança dos costumes e o passar do tempo, muitas mulheres estão tendo filhos muito cedo e algumas abandonam a escola, ainda meninas, quando se tornam mães. Muitas o fazem porque não têm com quem deixar seus filhos, outras por vergonha da gravidez. Foi o que aconteceu com a jovem Andressa Leão, que mora no Pontal da Barra e engravidou com 17 anos, em 2011; fazia o primeiro ano do ensino médio e parou de estudar até hoje.
 “Estou atualmente com 21 anos, pretendo voltar a estudar, eu até tentei, quando minha filha nasceu, mas eu moro em uma casa que tem escada e a escola que eu estudava fica no Vergel, porque aqui no bairro não tinha escola do segundo grau; aí não deu, estudei dois meses e desisti”, observa.
Já Elisângela Cerqueira conta que também engravidou aos 17, quando estava iniciando o ensino médio. “Descobri que estava grávida; terminei o primeiro ano e quando eu tive o bebê não concluí porque fiquei com vergonha de as pessoas comentarem; esperei meu filho completar sete anos de idade, para retornar a estudar novamente”, explica.
Elisângela ressalta que não tinha com quem deixar a criança: “Eu não tinha com quem deixar; fiz uma forcinha e acabei deixando ele com meus pais. Todos os dias papai ia buscá-lo e eu ia estudar à noite, na Escola Rodriguez de Melo, na Ponta Grossa, na Praça Santa Tereza”, destaca.
Essa mamãe conta que fez as duas séries do primeiro grau ainda  à noite e o terceiro, pela manha. “Deixava meu filho na escola e ia estudar e terminei o ensino médio em 2000”, relata. Elisângela Cerqueira diz que se sentiu prejudicada quando deixou de estudar, porque ficou com vergonha.
“Fiquei com vergonha de mim mesmo, de frequentar as aulas e alguém me olhar atravessado, porque estava grávida e tinha receio de alguém perguntar, fazer indagações”, pontua.
Jovem  engravidou com  16 anos e teve que enfrentar a gravidez sozinha
Alessandra Maria tinha 16 anos quando engravidou pela primeira vez do namorado: é um exemplo de jovem mãe que teve que enfrentar uma gravidez sem a presença do companheiro, aos 16 anos e que deixou de estudar até hoje, quando já está no terceiro relacionamento e tem três filhos: dois meninos e uma menina.
Ela comenta que quando engravidou o namorado recebeu a notícia com alegria, mas com pouco tempo depois revelou que não estava preparado para assumir uma família e não apareceu mais. Com o afastamento do pai da criança e com a gravidez em andamento ela disse que começou a ter outro relacionamento e não voltou mais a estudar. A reportagem pesquisou que isso acontece com muitas meninas no País e no Estado.
“Maurício queria assumir o meu filho de qualquer jeito e morar comigo; quando nós aproximamos ele aparentava ser uma pessoa, mas quando fui o conhecendo aos poucos, ele se mostrou muito estranho e descobri que é usuário de drogas e acabei o namoro”, conta.
Hoje, Alessandra sobrevive ajudando o atual companheiro, que vive de pequenos bicos, revendendo produtos em catálogos como perfumes, sapatos e outros objetos. 
Depois que o primeiro bebê nasceu, Alessandra fala que não se arrepende de ter engravidado, porque, segundo ela, a maternidade colocou mais juízo na sua cabeça, mas que gostaria de ter continuado os estudos. “Antes da gravidez eu vivia em farras, bebendo, com amizades incertas e não muito recomendáveis”, revela.
Psicólogo explica que é preciso consciência da responsabilidade que se vai assumir
O psicólogo, advogado e jornalista Arnaldo Santtos destaca que é preciso consciência, de ambos os lados, de toda responsabilidade que se vai assumir. “Num casamento tradicional em que um pai e uma mãe vão cuidar de um bebê, a  vida do casal vai mudar completamente e são diversas as responsabilidades que serão assumidas para o resto da vida”, argumenta.
Segundo Arnaldo Santtos, o fato de a mulher estar gestante já é, por si só, um fato ímpar na vida dela. “É o que representa de mais sublime numa mulher, ou seja, parir um filho, dar a luz. Esse poder, somente a mãe tem”.
O psicólogo analisa que se a opção de ter o bebê sozinha for da mãe, mesmo assim, é preciso que se tenha plena consciência da situação, ou seja, de toda responsabilidade que se vai assumir. “E mesmo assim, é preciso que o bebê tenha uma referência masculina. Vai chegar um momento em que os questionamentos  vão surgir: ‘quem é meu pai? Por que eu nunca o vi?’ Isso será inevitável. Portanto, o apoio da família é fundamental”, observa.
O advogado  e especialista em psicologia também avalia que ter um bebê independente  é erro, até mesmo conceitual. “O bebê não deve ser uma espécie de objeto da mãe com o argumento de que ‘eu produzi meu bebê’. Isso cria mecanismo de posse. E posse é um dos sinais de existência de algum tipo de patologia”, ensina.
Arnaldo observa que o ciúme possessivo também é um sinal de que a pessoa precisa de psicoterapia. “Apresentar comportamento de posse sobre o outro não é um comportamento saudável; aliás, o comportamento de amor é exatamente o inverso: é dar liberdade ao outro.
O papel de um pai na relação de criação do bebê é fundamental. Na psicanálise ele representa a lei, o “não”, embora esse papel possa ser representado, também pela mãe, mesmo numa relação heterossexual”, explica.
 Se a questão do criar o filho sozinho pela mãe foi porque o companheiro abandou o bebê, o psicólogo diz que isso vai ter um efeito psicológico ainda muito mais negativo na mãe. Seria o sentimento de abandono duplo e neste caso é preciso que a mãe tenha um acompanhamento psicoterápico para suportar o sentimento.
Pesquisa recente indica que 309 mil meninas de 15 a 17 anos estão fora da escola
A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) indica que o Brasil tinha 309 mil meninas de 15 a 17 anos fora da escola, em 2013, e segundo a avaliação, mais de 257 mil delas não estudam nem trabalham. O levantamento foi feito pelo Movimento Todos pela Educação.
A professora e diretora do diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinteal), Célia Capistrano,  avalia que Alagoas não foge desse quadro e boa parte das adolescentes que têm o apoio da família consegue superar essa dificuldade, mas a maioria está fora da escola por falta de creche para deixar os filhos.
Segundo ela, o Estado não dá as condições de creche para essa maioria e observa que está previsto no Plano Nacional de Educação que os municípios devem atuar prioritariamente no ensino fundamental e na educação infantil; os estados e o Distrito Federal, prioritariamente nos ensinos fundamental e médio.
“A previsão do PNE é que até 2016 os municípios tenham cumprido 50% dessa demanda, com creches construídas para crianças de quatro a cinco anos”. A professora observa que em Maceió há creches construídas, “mas sem a parte humana, não tem o profissional para trabalhar”.
A diretora do Sinteal também destaca que os municípios alegam que as creches oneram o orçamento. “Temos muitas dificuldades: estagiários trabalhando sem a supervisão de um profissional nos municípios, que alegam que creche é cara, mas só tem prioridade nos palanques políticos, em época de campanha; depois que se assume qualquer administração, a educação é esquecida. Alega-se que a educação infantil é cara; sim, mas é necessária”, destaca.
Célia Capistrano reconhece a problemática das adolescentes, jovens e adultas também, que têm filhos e precisam trabalhar, mas têm dificuldade para encontrar com quem deixar seus filhos. Segundo a professora, uma creche é importante, “faz muita falta, sem contar que ela oxigena a rede e faz com que as adolescentes quando têm os filhos não desistam de estudar e possam trabalhar sossegadas, sabendo que o filho está nas mãos de profissionais e até rendendo mais”, pontua.
A diretora do Sinteal entende que a principal política pública para resolver essa questão é ter creche, para a população que estuda e trabalha. “Maceió tem uma demanda reprimida de mais de 90 mil crianças de zero a cinco anos fora da escola. O problema não é só em Maceió. Rio Largo não construiu sequer uma creche dessa nova meta do governo federal que era construir dando todos os recursos para a construção da creche. O município só precisava oferecer o terreno”, ressalta.
Segundo Célia, o município tinha como meta construir dez creches; “inclusive algumas foram construídas e estão abandonadas, servindo de ponto de droga e para o tráfico. Tem uma creche aqui na Cambona que a construção foi paralisada e está servindo de dormitório”, denuncia.
Outra informação da professora é que no Conjunto Santa Maria, no Eustáquio Gomes, onde foi construído um Cras (Centro de Referência da Assistência Social), um posto de saúde e a escola, mas está tudo abandonado.
Ela fala do jogo de empurra entre os Poderes Executivo estadual e municipal. “A escola, é lamentável, cada dia mais vai para o chão: já tiraram as telhas e quase tudo, o patrimônio está jogado para o tráfico de droga; está abandonada pelo poder público”, lamenta.
Segundo a educadora, as pessoas reclamam (governo), “mas tiram as pessoas das favelas, das lagoas e levam para conjuntos habitacionais sem estrutura, creche, sem escolas, para o ensino fundamental; aí eles (comunidades carentes) vão descer para trazer os filhos para a escola e a tendência é venderem as casas e voltarem para o mesmo lugar”, observa.
Nesse jogo de empurra de Estado para município, o que falta, segundo avalia a professora, é política pública para a educação: creches e escolas em tempo integral, segundo Célia Capistrano, é o que iria resolver essa problemática das meninas que engravidam cedo e abandonam a escola.
“As meninas engravidam porque vão para a escola em um horário e no outro ficam ociosas, sem lazer e sem ocupação, sem a continuidade da educação: tarefas, estudos, atividades físicas. O ócio é que leva a isso: tanto à gravidez quando à questão das drogas”, avalia.
 Também a falta de educação familiar, a mídia e as redes sociais estão fazendo com que as crianças percam a ingenuidade. “A educação não está sendo priorizada, queremos as promessas de campanha cumpridas, pois se não for pela educação que se melhora o mundo, tão pouco será sem educação”, argumenta.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...