terça-feira, 12 de maio de 2015

Igbonan Rocha foi o homenageado desta segunda, no bairro do Prado, no Samba dos Amigos

Evento acontece toda semana, na Rua Franco Jatobá e reúne a nata do samba alagoano

Olívia de Cássia - Repórter
O cantor Igbonan Rocha foi o homenageado desta segunda, 11, no bairro do Prado, onde toda segunda-feira, no Churrasquinho do Duca - Rua Franco Jatobá  (rua em frente ao portão da Pecuária),  um grupo de amigos está fazendo  o evento Samba dos Amigos, uma roda de samba, e o convidaram para participar: entre outros nomes que já participaram do evento, o baiano foi o homenageado.
Durante a homenagem o artista relembrou  os tempos de militância. Foto: Paulo Tourinho
“São 12 músicos, eles estão não ganham nada, é um barato, estão levando grandes nomes da nossa música para a periferia: a primeira foi a Carla Araújo, o segundo, Eliezer Setton, a Kel Monalisa. Nesta segunda eu fui homenageado, por estar perto do dia 13 de maio, Dia Nacional de Luta e de combate ao racismo”, destaca.
Durante a homenagem o artista relembrou  os tempos de militância:  “Dizer que o 13 de maio não é para se comemorar, é para se repensar, lutar por políticas públicas, que o nosso dia é o 20 de novembro”, observa.
No evento,  ele falou que a proposta é contar um pouco da história do samba. “O samba era discriminado, os cantores de samba eram presos, ainda hoje é discriminado como coisa de malandro. No meu show Coisa de Negro eu só canto compositores negros, para mostrar para as pessoas que coisa de negro também pode ser boa e na maioria das vezes, é muito boa”, diz sorrindo.  
Postar um comentário

Ainda tenho esperança

Por Olívia de Cássia Cerqueira O dia amanheceu com mais uma promessa de vida. É sexta-feira, dia de alegria, como todos devem ser: de agr...