quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Redes sociais encurtam a distância na hora da virada


Rita de Cássia Peixoto usa o Skipe para falar com o filho, que mora nos Estados Unidos, durante as festas de fim de ano

Rita de Cássia Peixoto usa o Skipe para falar com o filho, 

que mora nos Estados Unidos, durante as festas de fim de ano

Olívia de Cássia - Repórter\Tribuna Independente


O século XX passou para a História como um dos mais importantes no processo de desenvolvimento dos meios de comunicação e de informação.  Essa “revolução” mudou radicalmente o estilo de vida das pessoas e atualmente são milhões de celulares, computadores, isso sem falar nos iPads, iPhones, iPods, blackberrys, entre outras tecnologias.
Todas essas ferramentas que tomaram conta do cotidiano das pessoas, especialmente daquelas que habitam as grandes cidades, servem como ferramenta para encurtar a distância e aproximar familiares e amigos que moram distante.
A médica obstetra carioca Rita de Cássia Peixoto Netto tem um filho que mora nos Estados Unidos e se comunica com ele pelas redes sociais: “No Natal utilizei o Skipe para falar com JJ em USA,  brindamos e vamos fazer a contagem regressiva também colocando a taça próximo da webcam, principalmente para que  ele não sinta-se sozinho. Só que temos o cuidado de brindar nos dois fusos horários, para que  ele tenha as comemorações nos dois países”, destaca.
Rita de Cássia explica que esse ano o marido foi visitar o filho e ela ficou no Rio com a filha e o genro. “Procuramos acessar a internet mais ou menos uma hora antes da virada e  como a diferença do fuso entre RJ e CA é de 6h, volto a acessar às 6h”, explica.
A farmacêutica Karina Barros, que tem dois irmãos em São Paulo, disse que devido a distância e a facilidade das tecnologias como WatsApp e Facebook  se comunica quase que diariamente com seus irmãos e com certeza, na hora da virada, irá utilizar um desses meios de  comunicação para desejar um feliz Ano Novo para os familiares.
O pedreiro Antônio Carlos da Silva, que tem parentes no Paraná, na cidade de Curitiba, disse que o Facebook e os comunicadores instantâneos com certeza facilitarão a troca de mensagens na virada do ano com seus parentes alagoanos.
Maria Alícia Barbosa Morais conheceu Fernando Amorim pelo Facebook e vai passar a virada de Ano Novo longe do amado, que mora no Texas, nos Estados Unidos. Ela disse que vai conversar com ele por mensagens nas redes sociais.
Postar um comentário

E agora, o que fazer?

Por Olívia de Cássia E agora, o que fazer? Essa pergunta me veio à baila, antes e depois da aposentadoria por invalidez e em alguns dias q...