quarta-feira, 4 de maio de 2016

Por que sou contra o golpe ...



Por Olívia de Cássia 

Às vezes as pessoas não entendem o que a gente fala e pensa e se põem a fazer críticas infundadas; não é porque sejam sem leitura, mas sim porque não se colocam no lugar do outro para tentar mensurar o que vai dentro de cada um, ou pelo menos respeitar aquilo que pensa o seu semelhante. 

Não precisa ser politizado, filósofo ou estudioso em políticas sociais; basta ter sensibilidade, ou até mesmo lembrar o que pregou o maior revolucionário da história, que foi Jesus Cristo. São pessoas que costumam frequentar igrejas e templos, mas que não absorvem a mensagem e se utilizam desse ambiente para enganar tolos e usufruir benefícios pessoais por meio da fé alheia. 

E como disse o papa Francisco: “Não se anuncia o Evangelho para convencer com palavras sábias, mas com humildade, porque a força da palavra de Deus é o próprio Jesus Cristo, e somente quem estiver com o coração aberto pode acolhê-lo”.

Pessoas intolerantes, reacionárias e mesquinhas, na maioria das vezes, pregam da boca para foram em nome de Deus, vulgarmente, a todo o instante, para encobrir seus defeitos e suas irregularidades. Apenas para justificar suas vidas vazias e cheias de ódio, preconceito, rancor e intimidar os mais fracos e despossuídos. 

Ando muito decepcionada com o ser humano e a disseminação desses sentimentos negativos e pesados, que afloram a cada dia nas redes sociais. Tenho me policiado todo dia para não me tornar uma pessoa mesquinha.

Estou tentando  me disciplinar para fugir mais dessa rotina de rede social e não me deixar contaminar com tanto ódio, xenofobia e raiva dos pobres, que conseguiram melhorar de vida nos últimos 12 anos.
Os mais aquinhoados, em sua maioria, criminalizam os movimentos sociais, sindicatos, o Partido dos Trabalhadores. Criam filhos odiando o seu próximo e sem que os ensinem a ter humildade e compaixão e ainda os orientam a ter o coração cheio de sentimentos que não evoluem de forma suave no ser humano. 

Não estou aqui santificando ou beatificando os governos do PT, mas tenho consciência e não sou cega a ponto de não enxergar que em outros governos passados não se via tanta melhoria nas classes menos favorecidas e nem filhos de gente pobre  sendo doutorandos.

Sou lúcida e consciente dos erros que foram cometidos por alguns que se embeveceram pelo poder e pelo dinheiro, traindo seus ideais, mas sendo justa. Sei muito bem o que se passa nos meandros da política e não só no Brasil, mas no mundo todo.

Basta ter um pouco de curiosidade e pesquisar aqui mesmo, na internet, sobre a segunda guerra mundial, por exemplo, onde mais se cometeu atrocidades Crimes de Guerra e violações cometidas pelos aliados contra civis ou soldados do eixo.

Ou se preferirem para não ir tão longe, conferir em reportagens antigas e atuais, em blogs e sites de confiança, a história de golpes no Brasil. Tem livros que podem ser baixados de graça como a República dos Golpes (de Jânio a Sarney), de Luiz Adolfo Pinheiro, para tentar entender um pouco a história do nosso país.

Juristas renomados já explicaram extenuadamente as tais pedaladas fiscais e disseram que decretos de verbas suplementares não afetaram a meta fiscal. Mas o golpe já está montado no país e o machismo impera, querendo colocar para fora a primeira mulher presidente do Brasil e que não está envolvida em irregularidades. Boa tarde. 
Postar um comentário