segunda-feira, 17 de novembro de 2014

A arte de colecionar dinheiro

Foto: Olívia de Cássia

Olívia de Cássia – Repórter

O bancário Petrúcio Manoel Correia de Cerqueira é alagoano de União dos Palmares e atualmente mora em Maceió. Ele tem um hobby interessante e ainda raro em Alagoas:  é colecionador de cédulas, antigas e atuais há 28 anos, desde 1986,  época do Governo Sarney, quando o Brasil vivia uma situação delicada no início da Nova República e houve a substituição da moeda corrente do país, do cruzeiro para o cruzado.

“Comecei a colecionar em 1986, no governo Sarney, quando começou a mudança do padrão monetário do Brasil; eu era caixa do Banco do Brasil e começaram a aparecer cédulas estranhas; fiquei curioso e resolvi começar a colecionar. Aí fui ampliando a coleção,  pegando gosto pelo negócio  e hoje tenho cédulas de 120 países, de todos os continentes; são mais de mil”, observa.

A numismática é uma área extremamente interessante para quem quer ampliar seus conhecimentos. Colecionar cédulas e moedas é uma verdadeira arte. E se pode aprender muito com isso: aprender sobre a cultura de uma nação, ou então aprender um pouco sobre os homenageados de cada país em suas cédulas.

A coleção de Petrúcio Cerqueira é ampla: ele diz que a cédula mais valiosa que existe é a de um conto de reis, do Brasil colônia, que vale 40 mil reais, mas desta cédula ele só tem uma réplica, por conta do preço alto.

Petrúco Manoel conta que conserva sua coleção em pastas com páginas em plástico, onde separa as unidades  por  continente e país. As do Brasil estão em uma pasta separada, com as 15 mudanças de padrão monetário do país.

O bancário conta que não fez estudos para iniciar a coleção, mas procura obter o máximo de informações a respeito do assunto e quando tem dúvida consulta dois livros que tem, com tudo sobre a arte da numismática.

Perguntado se não deseja mostrar para os alagoanos, em uma exposição a sua rica coleção, Petrúcio Cerqueira pontua que já fez uma na agência do Banco do Brasil, quando trabalhava lá, mas ressalta que ‘bagunçaram toda a coleção’.

Atualmente trabalhando na Caixa Econômica, da mesma forma das moedas de outros países e locais, ele conta que sempre está buscando novidades, mas revela que o hobby é muito caro. “Cada folha de plástico de uma pasta da coleção custa R$ 3, fora a compra das cédulas que agora faço também pela internet”, explica.

Segundo o  bancário colecionador, a numismática é muito diversificada e tem várias vertentes usadas para se organizar as cédulas: “Eu coloco uma em cada padrão”. Outra particularidade da numismática colocada por Petrúcio é que nos países de regime totalitário, as homenagens impressas nas cédulas foram feitas aos ditadores, em sua maioria.

“No Brasil, por conta de tanta mudança que teve no padrão monetário, não tinha mais personalidade histórica para se homenagear e ultimamente as cédulas têm a esfinge da República. O padrão monetário brasileiro tem cédulas antigas com autógrafos, carimbadas e têm valores diferentes”, destaca.

Antes da Casa da Moeda Brasileira, o dinheiro do Brasil era fabricado no exterior: Estados Unidos e Londres, com dois padrões diferentes. Petrúcio Manoel explica ainda que em Alagoas existem poucos colecionadores.

 A numismática é uma arte que também tem suas particularidades; uma delas, segundo Petrúcio Cerqueira, é que tem colecionadores que seguem pelo asterisco, que é a reposição da cédula, outros pela data. No Brasil, ele conta que a emissão de cédulas começou em 1833 e que em 1857 começou a chegar banco privado no país. “Aí passaram a dividir a tarefa de emitir cédula”, observa.

Petrúcio destaca que muita gente tem dez cédulas do mesmo valor, mas elas tem o número de série diferente;  a assinatura; o valor legal; o leiaute e por conta disso o valor para a compra é diferente. “Tem gente que coleciona aquelas que vêm com defeito de fábrica que são caras também”, relata.  
O colecionador alagoano diz que da mesma forma que em alguns países como o Afeganistão o padrão monetário já mudou, ele está em busca de novas cédulas para sua coleção que já é bem ampliada.
Postar um comentário

Ainda tenho esperança

Por Olívia de Cássia Cerqueira O dia amanheceu com mais uma promessa de vida. É sexta-feira, dia de alegria, como todos devem ser: de agr...