terça-feira, 8 de abril de 2014

Desabamento no Moinho Motrisa causa tumulto e deixa trânsito congestionado

Tribuna Hoje (foto)

Olívia de Cássia – Repórter

O desabamento de uma das três torres do Moinho Motrisa, na Avenida Comendador Leão, no bairro do Poço, na tarde de ontem, causou pânico e susto aos moradores da região e adjacências, soterrando carros e pessoas e causando tumulto. 

O acidente mobilizou várias viaturas do corpo de Bombeiros, moradores, Serviço de  Atendimento Médico de Urgência (Samu), Bope, Polícia Civil e outras unidades foram acionadas.

Segundo informações que circularam no local, na hora do acidente o sinal do cruzamento da Avenida Comendador Leão estava fechado e a confusão se estabeleceu. O trânsito foi desviado e os curiosos e a imprensa foram orientados a afastarem-se e ficarem longe, porque as outras torres cilíndricas corriam o risco de desabarem também. Há suspeitas de que tenha havido explosão, mas as causas do acidente ainda vão ser apuradas pelas equipes técnicas.

Vagner Falcão é dono de um cartório que fica vizinho ao moinho e disse que ouviu um grande estrondo, que parecia ser de um tsunami. “A ficha ainda não caiu, tinha várias pessoas no meu cartório, mas graças a Deus quem estava no local não foi atingido. Não sei se o acidente danificou alguma parte do prédio, mas todo mundo foi orientado a abandonar o local”, observou.

Seu Pedro Sobral era um dos clientes do cartório de Vagner Falcão e contou que escapou por pouco: “Eu estava no cartório quando ouvi o barulho, graças a Deus que eu não estava no carro;  se eu tivesse lá, tinha morrido, escapei por pouco”, ressaltou. O carro de Pedro Sobral foi danificado pelo acidente.

Seu José Damasceno, um popular que também estava no local, disse que estava trabalhando quando uma das colunas (silo) desabou e teve um susto muito grande: “Foi trigo para todo lado, o barulho ensurdecedor”, disse, entre assustado e nervoso.

A Vila Nossa Senhora do Carmo foi a parte mais atingida pelo acidente no Moinho Motrisa e os moradores foram obrigados a saírem de suas casas.  O jornalista Antônio Torres é morador do local há quarenta anos e estava sozinho quando aconteceu o acidente. A casa dele não foi atingida, mas o jornalista ressaltou que o moinho sempre foi uma preocupação dos moradores, porque já apresentava problemas com rachaduras.

 “Sempre teve problemas, onde tinha uma rachadura eles faziam enxertos até que chegou a esse ponto que é uma catástrofe. Eu estava sozinho, tenho uma pessoa que trabalha comigo, minha secretária, que teve que sair às duas da tarde e minha filha, que tinha almoçado comigo; uma vizinha da primeira entrada do lado esquerdo não estava em casa quando aconteceu, por isso que ela escapou”, disse.

O jornalista observou que o que aconteceu não se sabe e alguma coisa está embaixo desses escombros, e eu torço para que não sejam vidas humanas.  “Quem vai mais garantir que a gente tenha segurança morando aqui com esse moinho desse jeito?”, pergunta.

Antônio Torres disse que um coronel do Corpo de Bombeiros informou que os moradores da região teriam que evacuar o local, todo mundo sair de casa. “Quem tem familiar vai para a casa deles, quem pode deve procurar um hotel e eles vão ter uma avaliação técnica, acredito que até amanhã de como isso vai ficar”. Torres acredita que duas coisas podem acontecer na Comendador Leão: “Ou se mudam os moradores ou esse moinho tem que ser tirado daqui”, pontou.

Dona Geniza Correia de Araújo foi uma das pessoas resgatadas com vida e estava bem, apesar do susto e do nervosismo, mas policiais não deixaram que ela falasse com a imprensa.

A polícia de resgate,  guindastes, carro do Corpo de Bombeiros, máquinas e tratores foram usados para a retirada do trigo que soterrou carros e pessoas. Assim que o acidente ocorreu, em poucos minutos vários vídeos circularam na  internet e um deles foi o de um rapaz identificado como Thiago, que  gritava o tempo todo apavorado dizendo que o carro tinha ficado soterrado.

Policiais solicitavam a todo o instante para as pessoas se afastarem do local, inclusive a imprensa: “Pessoal, se afaste, facilite o nosso trabalho, vocês estão correndo risco ficando aqui, saiam, vão para perto do sinal”, gritavam os policiais.

Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...