domingo, 31 de julho de 2016

Eu não desisto

Por Olívia de Cássia

Eu não desisto. Tento levar a vida com suavidade: esse é o meu lema de uns tempos para cá, pois com a ataxia, vivemos numa montanha russa: um dia e mais fácil outro mais difícil. Só que no meio deles tem sempre alguma perda.

Avalio que a vida é assim para a maioria das pessoas; não está fácil para a maioria e a gente não pode ter tudo o que quer. Agradeço a Deus todos os dias pelas amizades que fiz ao longo da vida e é esse detalhe mais que importante, que tem feito meus dias melhores.

Tenho tido dias de dores, incômodos, mas também de afeto e solidariedade. Nos últimos tempos tem sido assim: de encontros, palavras suaves, solidariedade e muito afeto. As ações que estão sendo feitas por todos no sentido de que eu tenha melhor qualidade de vida, são demostrações de muito acolhimento e carinho.

Atitudes de pessoas que eu nem conhecia pessoalmente, mas que têm feito a diferença em minha vida. Por incrível que pareça, passei a adotar comportamentos mais positivos, pois da mesma forma que sempre fui muito persistente, eu não desisto fácil dos meus objetivos.

Participo de vários grupos de pessoas que têm o mesmo problema que o meu, muitos dos quais já estão muito  fragilizados. Aproveito para ter o máximo de informações do que possa vir a ter mais tarde, se os sintomas virem a se agravarem.

Peço a Deus a cada dia para que retarde isso em mim e que quando eu tiver que partir para outro plano, se eu merecer, que seja de uma forma mais amena, diferente dos meus que já se foram.

Alguns amigos me aconselham a deixar de seguir esses grupos para não ficar impressionada com a Doença de Machado Joseph, mas eu sou muito consciente do que posso vir a sentir, pois tenho experiência de vida do que seja, pelo fato de vivenciar tantos casos na família.

O fato é que vou lutar sempre para ter qualidade de vida e dias de ocaso melhores. Tem horas que é difícil, mas tento não pensar em como vai ser daqui por diante e viver um dia de cada vez.

O momento agora é de curtir e aproveitar o que a vida ainda tem para me oferecer, sem me importar com o que possa acontecer nos próximos anos. Não tenho o direito de ficar remoendo negatividade.

Eu tenho uma vida ainda para viver e desfrutar de momentos importantes e felizes e quero vivê-los todos: ler, ter meus bebês de quatro patas por perto, boas risadas com os amigos, lembrar das traquinagens boas que participei com eles, passear. ir ao cinema, curtir os sobrinhos-netos e ser melhor a cada dia.

Procuro não deixar para eles um legado ruim e sim boas lembranças do que fui e do que ainda me resta. Sabe Diário, dizer aos amigos que vivam, que aproveitem e que não se importem com quem leva a vida querendo nos derrubar. Boa noite.
Postar um comentário

Alguns instantes. Vivendo por aí...