sábado, 30 de janeiro de 2016

A efemeridade de tudo

Olívia de Cássia – jornalista

Estive pensando e sempre me vêm esses pensamentos à mente, sobre a efemeridade das coisas, onde tudo é feito para ter pouca duração. Vivemos num mundo em que isso está presente em tudo: tanto para o bem quanto para o mal.

Essa é uma reflexão que faço sempre e que algumas pessoas  deveriam fazer, diante de um sistema onde tudo é feito para ser descartado, inclusive e até, infelizmente, os sentimentos. A vida útil de um produto para aumentar o consumo de versões mais recentes é feita para movimentar o capitalismo.

Mas não falo aqui apenas do sistema em que vivemos, politicamente falando. Nada é duradouro nessa vida, mesmo, mas tem gente que se apega a determinadas situações avaliando que vão ficar nelas para o resto da vida.

E se põem a agir como se fossem donos do mundo e da verdade, como se a verdade fosse única. Filosoficamente falando, passei grande parte da vida achando que a minha felicidade estava atrelada a outra pessoa; que eu só seria feliz se tivesse aquele ente do meu lado.

Não estava atenta, ou estava tão envolvida que não me dava conta da transitoriedade da vida e de suas nuances. Eu avaliava, até aquela fase da minha vida, que só estaria satisfeita espiritualmente e materialmente se fosse daquela forma que eu via o mundo.

Quando a gente é jovem acha que tem que viver tudo; aquele momento é muito precioso: aquela festa imperdível, o encontro com os amigos; as diversões e todo o que a gente possa fazer para alegrar a vida. Hoje ainda acho que se a gente pudesse viver assim, talvez o mundo fosse bem melhor.

Com o tempo; as perdas e as dores que a vida trouxe, fui me certificando  de que não é possível a gente viver sempre daquela forma; e que também não podemos nos apossar dos sentimentos de alguém para preencher nosso próprio vazio existencial.

Mas isso eu passei a entender depois de muito sofrimento da alma. Hoje vivo tentando descomplicar o que compliquei a vida inteira; tentando praticar o desapego, me livrando de excessos de bagagem que não vou levar quando partir para o mundo espiritual.

Já comecei me desapegando de muita coisa em casa, não vou precisar de tanto e só de muito pouco, principalmente se a vida me deu mais limites do que eu avaliava que deveria.  Aproveitando também para me livrar de situações, sentimentos e de hábitos que não fazem bem ou que estejam me impedindo de seguir em frente.

É o que tenho feito, independente de religião ou credo. Viver o que a vida ainda tem para me oferecer, agradecendo a gratidão de todos. E como diz um amigo meu em tom de galhofa: “Tudo é passageiro, menos o motorista e o cobrador”. E vamos que vamos. Boa tarde.
Postar um comentário

Em livro, jornalista mostra como descobriu mais de 80 casos de doença rara na família

By Odilon Rios (Site Repórter Nordeste São grandes os desafios das pessoas que convivem com os efeitos da doença de Machado-Joseph, que é...