quinta-feira, 6 de outubro de 2016

De repente você percebe

Por Olívia de Cássia

Hoje amanheci um tanto quanto niilista, saudosa, decepcionada e desacreditada. De repete você percebe que as instituições que foram criadas para proteger o cidadão, não protegem nada e estão aí para acudir apenas quem tem poder.

A gente não conhece as pessoas por inteiro e vem aquele sentimento que não cabe dentro da gente: de decepção e tristeza. Aprendi que não devemos alimentar expectativa a respeito dos outros. Já nos bastam as nossas, que nem conseguimos resolver.

O mundo está mais feio, violento, sem gentileza, cheio de ódio e de intolerância e essa constatação me deixa mais triste. Eu continuo a perseverar e acreditar que podemos ser melhores, mas até lá vai um caminhão de decepções.

Me reporto ao pensador e filósofo Frederico Nietzsche, que vem lembrar que os valores tradicionais depreciam-se e que os "princípios e critérios absolutos dissolvem-se e tudo é sacudido, posto radicalmente em discussão.

"A superfície, antes congelada, das verdades e dos valores tradicionais está despedaçada e torna-se difícil prosseguir no caminho, avistar um ancoradouro". No livro Assim Falava Zaratustra, em tradução base de José Mendes de Souza, Nietzsche fala que o homem é um rio turvo.

"É preciso ser um mar para, sem se toldar, receber um rio turvo. Pois bem; o além-do-homem; é ele esse mar, nele se pode abismar o vosso grande menosprezo", diz o autor. E nesse ceticismo danado, vamos tentando entender atitudes e pensamentos, sem chegarmos a conclusões positivas.

A violência estampada nos meios de comunicação, diariamente, seja ela física, por constrangimento moral ou quando ela expõe o ódio, o preconceito e arbitrariedade ainda me surpreende, contrapondo ao que vejo todo dia.

A falta de investimentos em políticas públicas; a ignorância, seja ela intelectual ou em qualquer forma pode ser a resposta. Diversos sábios da ciência tentam explicar a 'ignorância dos seres humanos.

Goethe disse que não há nada mais terrível que a Ignorância; já Pitágoras observou que "se me perguntar o que é a morte, respondo-te: a verdadeira morte é a Ignorância. Quantos mortos entre os vivos!”.

Só para falar de um período mais recente, desde 2013 o Brasil vem passando por um processo de ignorância intelectual, social e moral inexplicável. Em artigo publicado no Blog Cidadania, Eduardo Guimarães escreve que a ação brasileira é uma entre tantas outras nações do Terceiro Mundo que, há séculos são mantidas sob estrito controle por uma discretíssima elite intelectual, econômica, financeira, étnica e regional.

"Controle em que sentido? No sentido mais óbvio em um país com tanta injustiça social: o controle da revolta de um povo que, em parcela expressiva, ainda se vê privado de um mínimo de igualdade de oportunidades e, portanto, de esperança", diz ele.

A posse do governo ilegítimo trouxe mais inquietação àqueles que perseguem justiça social e menos desigualdade social, longe de estancar a sangria da crise. O governo ilegítimo e impopular só tem desfeito o que foi proporcionado de melhorias no campo social pelos governos Lula e Dilma, doa a quem doer.

A gestão dol ilegítimo Temer, como já ficou claro em suas medidas recentes, está a serviço do ajuste fiscal e do aprofundamento das medidas neoliberais. O conjunto de medidas do reacionário governo está recheado de cortes nos direitos trabalhistas.

Aumento na idade da aposentadoria, plano de congelamento de gastos sociais por 20 anos, a redução dos direitos políticos dos partidos de esquerda, entre outras medidas. Será que o sonho acabou? Deixo a reflexão.
Postar um comentário

Os quintais da minha infância ...

Olivia de Cássia As quatro casas em que morei em União dos Palmares tinham amplos quintais onde minha mãe plantava muitas fruteiras, verd...