quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Peço a Deus misericórdia

Por Olívia de Cássia

Peço a Deus todos os dias para me livrar de situações vexatórias, ou que me deixem acabrunhada e sem noção de meus atos. Da mesma forma que sou um pouco atrapalhada e já passei por muitos perrengues na vida, depois que tive certeza da Doença de Machado Joseph tomei outro rumo, outra direção.

A gente reaprende a agir de outra forma, de uma maneira mais suave, tentando ser sempre positiva e enfrentando com dignidade tudo o que vai aparecendo: as limitações, os impedimentos, com esperança e perseverando, sem hipocrisia e sendo realista.

Sempre fui muito festeira e venho pensando de uns dias para cá como irei para os shows das festas do Maceió Verão, em comemoração ao aniversário da capital alagoana, como venho fazendo nos últimos anos, com a juventude da Vieira Perdigão (O Beco), nossa rua querida.

Não venham querer me impedir de sonhar e de querer o melhor: eu só quero ser feliz, aproveitar o que ainda me resta, ter bons momentos, passear e ser feliz da maneira que me for permitido.
Também não deixei de sonhar com dias melhores para o nosso país, apesar das dificuldades que estamos vivendo.

Está difícil acreditar nas lideranças políticas. Mais do que nunca temos que ser bem seletivos; procurar o menos ruim ou o que tem o comprometimento com o social, com o coletivo.
Não adianta a gente querer ficar procurando chifre na cabeça de cavalo.

A vida vai nos ensinando, com as experiências, quem foi que teve mais disposição de luta, quem teve projetos mais ousados para os menos favorecidos e quem se perdeu no caminho da ambição e da roubalheira.

Desde menina aprendi com meu pai a ir a comícios, gostar de  política e de toda a discussão que se apresenta. Hoje nem sei se vale mais a pena e se meu pai fosse vivo e lúcido se ainda se entusiasmaria com tanta irregularidade e corrupção.

Mas não falo aqui de uma corrução seletiva, temos que olhar para todos os lados. As guerras no mundo são deflagradas por conta da insensatez dos homens, da ganância e da ânsia pelo poder, não é de hoje.

Se formos rever a história vamos observar quantos golpes foram dados, não só no nosso Brasil, mas em toda a América Latina. Um ex-ministro do Paraguai disse que é de muita importância para qualquer um que se interesse pela política latino-americana, estar sempre atento.

 Isso porque, segundo ele, tem que observar  os acontecimentos  e ver o que eles significam. Temos que ter uma postura crítica diante das situações, procurar o que se apresenta como favorável não apenas para nós, mas para a coletividade.

Mas essa é a minha maneira de pensar e ver o mundo. Apesar da dureza da vida, quero continuar a trilhar por esse caminho. Peço a Deus misericórdia. Boa noite.

Postar um comentário

E agora, o que fazer?

Por Olívia de Cássia E agora, o que fazer? Essa pergunta me veio à baila, antes e depois da aposentadoria por invalidez e em alguns dias q...