quinta-feira, 17 de março de 2016

O momento é de vigília

Olívia de Cássia - jornalista

O Brasil está vivendo momentos tensos não e  de hoje: um golpe está sendo armado e tramado pela oposição, que como já disse em outras  oportunidades, não se conforma com a derrota das urnas, em 2014. “Não se muda projeto com golpe”, como bem disse a deputada federal Jandira Feghali, do PCdoB do Rio de Janeiro.

Na noite de quarta-feira, 16, quando foi anunciado que o ex-presidente Lula seria ministro no governo Dilma, grupos inconformados nas ruas agrediam um casal porque estava vestido de vermelho. Outros usaram as redes sociais para destilarem seu veneno.

Onde isso vai parar? Até onde chega a irresponsabilidade dos líderes da oposição, que insuflam uma massa desinformada pelos meios de comunicação e destilam seu ódio e sua intolerância.
O Jornal Nacional, da Rede Globo, faz muito tempo que deixou de ser um informativo e virou um panfleto eletrônico de quinta categoria. Eu já deixei de ver faz tempo, pois me recuso a ver e ouvir algo tão bizarro.

O remédio para se acabar com o analfabetismo funcional seria mais investimento em educação, mas educação de qualidade, mostrando os prós e os contra da história da humanidade e informação desprovida de tendências virulentas, direitistas e raivosas.

Vejo, com piedade, jovens que mal saíram dos cueiros e já estão nas faculdades, nasceram no período pós-ditadura militar, e só se importam com seus próprios umbigos. Não interessa para eles as melhorias proporcionadas para os mais carentes: para eles, empregada doméstica, negros e pessoas mais humildes precisam ‘ficar segregados, não procuram se informar e parece que nunca tiveram uma aula de história na vida.

E olhe que não são analfabetos propriamente ditos; essas atitudes a que me refiro são de jovens da classe média, alguns já formados e bem formados e que tiveram tudo na vida, inclusive a liberdade de dizer que são apolíticos e de vociferarem palavrões contra uma presidente da República. Parece que não tiveram educação doméstica. Que mundo é esse?

Não isento aqui aqueles que cometeram irregularidades ou se o cometeram têm que responder por isso. As operações da Polícia Federal até que tinham respeito, quando não estavam politizadas e tendenciosas.

Depois foi  partidarizada e levada aos extemos da tendenciosidade, orquestradas por malucos que se acham os donos do mundo, a instituição perdeu o respeito de quem quer continuar a viver em uma democracia.

As atitudes de muita gente são de extrema direita e de fascismo. E como disse o ex-governador Ciro Gomes na noite de quarta-feira, 16, fascistas se deram mal. A TV Globo, por sua vez,  vem estimulando protestos em frente a casa de aliados da presidente Dilma Rousseff; sedes do PT e da CUT foram atacadas por pessoas que defendem o juiz Sérgio Moro.

Onde isso vai parar¿ As organizações de Roberto Marinho nasceram forjadas em um golpe militar, vem estimulando uma convulsão social, com o intuito de promover atos contra a democracia.


Operadores do Direito consideram que o magistrado (Sérgio Moro) cometeu ilegalidade ao grampear autoridade com foro de função, mas a Globo ao longo da madrugada, forçava a barra para mostrar flashes ao vivo estimulando o ódio contra petistas e legalistas contrários ao golpe jurídico-midiático. Precisamos ficar vigilantes. Que Deus nos proteja de um golpe. 
Postar um comentário