quarta-feira, 28 de junho de 2017

Véspera de São Pedro

Por Olívia de Cássia

Hoje, 28 de junho, é véspera de São Pedro. Chove muito lá fora e me reporto aos tempos da juventude, fazendo um paralelo com o que vivo hoje. Jamais imaginaria que fosse me aquietar, pois não queria perder nem aniversário de boneca.

O tempo passou e voou tão rápido, que nem percebi a sua rapidez. Estava tão envolvida com o trabalho, que não tinha outros olhos para muita coisa lá fora. Lá se foram muitas perdas e sonhos que eu acalentava.

Não é que eu tenha deixado de sonhar, só que agora os pensamentos são dentro da realidade que me cerca. No temnpo da juventude eu já estaria me arrumando para o encontro com os amigos; mesmo que tivesse caindo tanta chuva como agora. E se meus pais impedissem, eu dava um show.

Agora, no abrigo do meu modesto lar, eu agradeço ao pai celeste por tudo. Pela família que me deu e pelos anjos que colocou no meu caminho, fazendo com que minha vida ficasse mais bonita.

Sou feliz agora, apesar da pouca saúde, das limitações do corpo, mas a cabeça ainda pensa. O cenário político entristece a gente, não dá para acreditar em tantos retrocessos num país que já viveu tempos sombrios.

Há uma crise moral, social e política. Me vêm à cabeça muitas lembranças, mas não vou deixar que me amoleçam e me deixem cabisbaixa.

Às vésperas de viajar para o Sudeste, minhas expectativas são outras. Vou conhecer novos ares, agora tenho todo o tempo, não preciso me preocupar com faltas ao trabalho e nem com desculpas e satisfações.

Sou livre e essa liberdade me basta, para ser o que sou. As festas juninas já estão chegando ao final e eu nem fiz questão de ir. Fui apenas a uma confraternização da minha cateria profissional e ponto.

Lá fora chove forte, alguém solta fogos em alguma parte da cidade. Me recolho por conta de uma virose e crise alérgica que me persegue com a mudança do tempo, mas vou melhorar.

Juca se assanha todo e late para um gato de rua que veio se abrigar aqui. Agora me pede colo e quer brincar com sua bolinha azul, a que mais ele gosta. Os gatos estão aninhados nas camas para espantar a preguiça e eu sigo espirrando desejando que o chá de limão com alho faça algum efeito positivo. No mais, é vida que segue e ter esperança. Boa noite.
Postar um comentário

Os quintais da minha infância ...

Olivia de Cássia As quatro casas em que morei em União dos Palmares tinham amplos quintais onde minha mãe plantava muitas fruteiras, verd...